Onde Congregar?

Nos últimos tempos tem ocorrido um grande aumento no número de cristãos que hoje se dizem reformados. Após ouvir sermões de Spurgeon, Sproul,  Washer, MacArthur, entre outros, ou se deparar com um artigo de Jonathan Edwards falando sobre a graça irresistível ou ler a respeito da soberania de Deus de A. W. Pink, é normal que surja questionamentos em torno de tudo aquilo que te ensinaram durante anos, e toda vez que alguém no púlpito prega algo que vai contra os seus novos conhecimentos uma inquietação sem tamanho invade seu coração e você já não encontra a paz ali. E no meio disso você se acha “perdido”, não sabe o que fazer, fica pensando em mudar de congregação, ou ousar em tentar “reformar” o seu pastor ou simplesmente insistir, reter o que é bom e desprezar as asneiras que dizem em cima do púlpito.

Confesso que quando passei por isso me senti em um labirinto, estava em uma igreja que era totalmente contrária a tudo aquilo que o Espírito de Deus abrira meus olhos e eu passei enxergar o que de fato as Escrituras testemunham. Eu me torturava em ter a resposta do porquê  de não sentir o “fogo” que tantos daquela igreja diziam sentir, cheguei a participar de campanhas bizarras nas quais hoje me envergonho e repudio, e quando me emocionei durante uma música cantada na igreja em um dos cultos, eu disse: “Fui batizado com o Espírito Santo”. Quanta ignorância! Talvez você também tenha passado por isso ou até mesmo por fatos mais bizarros, e hoje se questiona o que fazer a respeito de tudo isso, afinal, onde congregar se boa parte das igrejas brasileiras estão um caos?! Tempos atrás li um artigo do Pr. Silas Figueira onde ele diz: “A Igreja é o reflexo do seu pastor” [1]. Essa frase, que porventura é o título do artigo, expressa bem a saúde espiritual de uma igreja, se um pastor baseia-se na Escritura, logo toda congregação se baseará na Escritura. A maturidade do conhecimento pastoral está ligado estritamente com a estrutura teológica da igreja, por isso é importante que antes de tudo tenhamos em mente que a função que Cristo ordenou ao apóstolo Pedro, de apascentar seu rebanho (Jo 21:15-16), serve para todos aqueles que têm em seus ombros o dever de cuidar do rebanho do Senhor Jesus. Se uma Igreja é bíblica é porque o pastor dela é bíblico.

Antes que você tenha se decidido do que fazer, quero levantar quatro perguntas (as quais responderei) antes de sua conclusão concreta em torno do tema que abordamos. É bom ressaltar que todo reformado corre o risco do orgulho teológico (ou conhecido também como orgulho calvinista) que se consiste em ser uma pessoa rabugenta: Chata, que despreza outro irmão por ser ignorante na fé, mas se esquece que um dia ele também foi. Todo conhecimento verdadeiro parte de Deus, é pela graça, portanto tome cuidado com a vanglória, antes de se vangloriar lembre-se da doutrina da Depravação Total, como disse Calvino, “o coração do homem é uma fábrica de ídolos” [2]. Não faça do seu conhecimento, o seu ídolo.

IV QUESTIONAMENTOS PARA VOCÊ

I. Onde estão fundamentados seus argumentos?

Nós somos falhos, a única coisa na qual somos bons em fazer é errar e continuar errando. A interpretação da Escritura requer certos cuidados que, se não forem obedecidos, aumenta-se o risco de se entender o texto de forma equivocada. Se você julga que seu pastor está errado, ensinando doutrinas segundo os homens, deturpando a Palavra de Deus, então você deve estar bem embasado num argumento que seja enraizado na Palavra de Deus de maneira que tal posição não seja unitária, ou seja, se em toda a História da Igreja desde os tempos dos apóstolos até os dias atuais, se você é a única pessoa que interpreta um texto bíblico de forma que ninguém mais o fez, isso significa que tem 99,9% de chances de você estar errado.

Portanto, tenha argumentos, mas argumentos bíblicos. Principalmente se você é iniciante na fé reformada não hesite em buscar fontes seguras, peça ajuda a outros irmãos reformados para fundamentar seu argumento na Palavra de Deus. Pesquise, leia comentários bíblicos. Não haja emocionalmente, mas racionalmente, a fé reformada não é um suicídio intelectual.

“E, quando ele vier (Espírito Santo),
convencerá o mundo do pecado,
e da justiça e do juízo.”
~ João 16:8 ~

Ressalto que você não deve ser também um robô teológico, isto é, dizer tal coisa só porque tal teólogo renomado disse. É o Espírito Santo que convence o homem, Ele é quem concede a paz. Quando somos convencidos pelo testemunho das Escrituras e nos deleitamos no Espírito de Deus, somos invadidos por uma paz inexplicável que não permite restar dúvidas. É preciso que o povo de Deus siga em um só entendimento, tal causa deve ser unicamente obra do Espírito Santo e não de seu instinto desprezível de homem.

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento,
guardará os vossos corações e os vossos
pensamentos em Cristo Jesus.”
~ Filipenses 4:7 ~

Se você for convencido pelo Espírito de Deus, assim seja.

II. O seu pastor é propenso a reforma?

Um dos meios que reformados usam para possivelmente levar conceitos reformados às suas igrejas, é doando conteúdo teológico reformado para seus pastores. Se você ainda não conversou com seu pastor a respeito de sua posição teológica, é aconselhável que o faça, é totalmente lícito o questionamento a respeito de doutrinas da igreja ao pastor dela e caso este não saiba responder ou responda equivocadamente demonstra o seu despreparo quanto ao serviço de liderança teológica sobre a igreja.

“Não repreendas asperamente o ancião,
mas admoesta-o como um pai (…)”
~ 1 Timóteo 5:1a ~

É bom ressaltar, claro, que o pastor não precisa saber de tudo, mas sempre ser inclinado para sua melhoria e aprofundamento afim de suprir todas as carências que a congregação venha a ter. Um pastor deve ser o mais “bem alimentado” da igreja, afim que possa alimentar a todos aqueles que estão desde o “leite” ao alimento sólido. Converse com o seu pastor e, se necessário, faça questionamentos (tomando todo amor, humildade e mansidão possível), caso julgue preciso, doe materiais a ele, chame-o a reforma e seja sempre propício a ajudar. Você pode ser o canal, escolhido por Deus, no qual pode conduzir sua igreja local a reforma.

Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça,
a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro,
invocam o Senhor. E rejeita as questões loucas, e sem
instrução, sabendo que produzem contendas.
~ 2 Timóteo 2:22-23 ~

Porém, caso seu pastor não seja propenso a reforma, isto é, renovar seus conceitos a respeito da Bíblia e vida cristã, não “bata de frente”, ele é o pastor daquela congregação e esta ficará com ele (embora o poder de permanência ou nova eleição de um pastor cabe a toda igreja e não propriamente ao pastor), não seja causa de escândalo. Hoje temos a liberdade de culto, conquistada pelos reformadores de épocas passadas, embora você não consinta com o que é ensinado naquele local você deve respeitar e nesse caso, a melhor escolha, é não enfrentar o pastor. Uma árvore com uma raiz longa e velha, não é fácil de ser arrancada.

“Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações;
e estai sempre preparados para responder com
mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da
esperança que há em vós.”
~ 1 Pedro 3:15 ~

Ensine todos que possível, pregue a verdade, mas não cause contendas. Por isso é importante que seus argumentos estejam bem embasados na Palavra.

III. Há igreja bíblica em sua região?

Outro fato importante é a análise de igrejas em sua região. Afinal, sair de uma igreja herética para montar sua tenda em outra herética não valeu de nada, você enfrentará os mesmos problemas que enxergara na outra. Por isso, antes de qualquer decisão, faça uma busca se há em sua região uma igreja que seja bíblica. Quando eu estava nesse processo recebi muitos “apelidinhos” daqueles do tipo “macaco sem galho”, porém o cenário atual das igrejas é caótico e é necessário uma análise desde o entendimento teológico como a teologia na pratica daquela Igreja, isto é, suas obras. Portanto, pesquise, visite, procure saber se a igreja possui alguma declaração de fé ou se ela se baseia em alguma confissão de fé e/ou credos.

“Examinai tudo. Retende o bem.”
~ 1 Tessalonicenses 5:21 ~

Uma igreja bíblica terá o evangelho de Jesus Cristo como centro de todos os seus cultos, se há alguma outra prioridade que não seja o evangelho, como dizia Dwight Moody, não monte sua tenda lá. Ela também irá incentivar que toda a congregação estude a Bíblia, fará estudos rotineiros como, por exemplo, as Escolas Bíblicas e claro, ela amará o próximo. É igreja não só nas reuniões para cultuar a Deus, mas igreja quando se trata em fazer a diferença na sociedade. Examine a Escritura e a compare àquela congregação. A igreja é constituída por homens, e as vezes erra, e nisso se demonstra a graça, misericórdia e amor de Cristo por ela. Portanto, não procure perfeição, mas se ela tem por centro a Escritura como única regra de fé e pratica.

IV. Você tem orado?

“Orai sem cessar.”
~ 1 Tessalonicenses 5:17 ~

A oração é fundamental nesse processo, você precisa orar com perseverança. Somente Deus pode te dizer qual é a melhor decisão para você, se é procurar uma nova congregação ou permanecer. Separe boa parte de seu tempo para se dedicar nesse propósito, Deus é quem concede sabedoria e nessa fase ela é importantíssima. Com constante oração e meditação na Palavra de Deus, de forma alguma se sentirá desamparado e certamente a resposta do Senhor virá.

“Do homem são as preparações do coração,
mas do SENHOR a resposta da língua.”
~ Provérbios 16:1 ~

Um grande problema que ocorre em algumas regiões é não ter uma igreja reformada, ou seja, bíblica. Nessa ocasião uns preferem deixar a congregação e acompanhar o culto pela internet de igrejas reformadas de outra região. Porém, isso é um risco, a Bíblia nos instrui em não deixar de congregar (Hb 10:25), isto é, ter comunhão com os irmãos, participar presencialmente do culto, fazer parte da Ceia do Senhor. Por isso que a oração é fundamental, o Senhor tem conhecimento do cenário atual da igreja brasileira e somente Ele pode fazer algo. Caso não haja uma igreja bíblica perto de você, não deixe de congregar, pois assim estaria indo contra a Palavra, persevere com suas orações, Deus tem realizado grandes feitos em nosso meio e com a tendência do crescente número de cristãos reformados, se Deus quiser, teremos muitas igrejas reformadas sendo abertas ou muitas igrejas se reformando.

Resumidamente, o primeiro passo é apresentar ao seu pastor sua posição quanto aos fatos que tem ocorrido na igreja local, verificar se o mesmo está propenso a reforma, se sim, coopere, se não, comece a pesquisar uma nova congregação que tenha a Escritura como única regra de fé e pratica, em nenhuma hipótese abstenha da congregação, e acima de tudo isso esteja sempre em oração. É evidente que precisamos de uma reforma, e somente com uma constante renovação na cruz de Cristo que alcançaremos um avivamento.

NOTAS

[1] FIGUEIREDO, Silas – Visto em NAPEC – Apologética Cristã (www.napec.org/reflexoes-teologicas/a-igreja-e-o-reflexo-do-seu-pastor/)
[2] CALVINO, João –  A Instituição da Religião Cristã. Tomo I – p. 62.

Postagens Relacionadas

ăn dặm kiểu NhậtResponsive WordPress Themenhà cấp 4 nông thônthời trang trẻ emgiày cao gótshop giày nữdownload wordpress pluginsmẫu biệt thự đẹpepichouseáo sơ mi nữhouse beautiful