Por Que Sou Reformado?

Atualmente, mais do que a algum tempo atrás, algo têm acontecido no cenário “evangelical” brasileiro. Muitas pessoas, na sua maioria jovens, crescem em igrejas que não têm uma doutrina bíblica, ou pelo menos, estão acostumados com igrejas que negligenciam a sã doutrina, e possuem uma forma de culto e toda uma cultura carregada de elementos contemporâneos, mas que dão pouquíssima ou nenhuma ênfase ao seu passado como tradição ou mesmo como origem. Em dado momento, são confrontadas com uma teologia denominada “reformada”, que a princípio, se choca com a maioria dos dogmas que aprenderam desde que se entendem por cristãs. “Tenho livre-arbítrio ou não?”, “afinal de contas, posso perder minha salvação, ou ela é permanente?”, “se Deus já predestinou todas as coisas, por que orar?”, “se Deus é soberano, e nada acontece sem que ele queira, Ele criou o mal?”, esses são alguns dos questionamentos mais comuns que assombram a mente dos recém-reformados, logo nos primeiros anos, e muitos ficam totalmente perdidos sem saber ao certo de onde surgiu tantas doutrinas, e como nunca ouviram falar delas antes de alguém lhes apresentá-las. “Ser reformado”, implica ser pertencente a um grupo de pessoas que têm toda sua tradição e doutrinas cristãs originadas na reforma protestante, um movimento que veio à tona no século XVI, e que trouxe de volta o ensino correto da palavra de Deus, e com isso, a libertação do erro que era pregado naquela época, obrigando as pessoas a simplesmente aceitarem o que lhes era dito, sem que ao menos pudessem ter a possibilidade de conferir por elas mesmas o que era pregado, como fizeram os crentes bereianos (Atos 17:10,11).

Como foi dito, a reforma protestante, foi um movimento que teve marcado como seu início, a fixação de 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg em 31 de Outubro de 1517, por um monge chamado Martin Luther (Matinho Lutero), que almejava a restauração da igreja que havia se corrompido pregando falsas doutrinas, como por exemplo a salvação pelas obras, através da aquisição de indulgências (documentos que forneciam o perdão de pecados para as pessoas que as adquirissem, ou para um familiar que havia morrido). No entanto a reforma começa bem antes disso, e teve um alcance muito maior. Em meados do século XIV, um professor inglês por nome John Wicliff, foi o precursor do movimento de reforma religiosa que abalou a Europa em seu tempo. Wicliff também desenvolveu 33 teses que por sua vez questionavam o poder do papa, que escravizava ao erro os fiéis, afastando de uma compreensão correta acerca de doutrinas contidas nas escrituras. Anos mais tarde, passando por muitos outros nomes, como John Huss, Lutero, chegamos até John Calvin (João Calvino), que teve enorme peso no tocante a sistematização e avanço do movimento da reforma. O trabalho que Calvino desempenhou na Suíça, também no século XVI, foi importantíssimo para a consolidação do movimento. Seu esforço árduo permitiu que ele escrevesse inúmeros livros e artigos que defendiam o ensino das escrituras sagradas, e sua interpretação fiel ao texto ensinando-a ao povo foi, como todos os outros reformadores, o ponto chave para que a reforma pudesse alcançar seu objetivo principal: trazer de volta ao centro a importância da palavra de Deus como regra de fé e prática. Os reformadores tiveram como base de trabalho, cinco pontos que puderam nortear todo o seu empenho. Esses pontos ficaram conhecidos mais tarde como Os Cinco Solas: Sola Gratia (Só a Graça), Sola Fide (Só a Fé), Sola Scriptura (Só a Escritura), Solus Christus (Só a Cristo) e Soli Deo Gloriae (Só a Deus Glória). Como já percebemos de todos esses pontos, o que mais se destaca como foco de atuação dos reformadores é o Sola Scriptura. Mas, por que?

Desde a criação do homem, Deus têm revelado sua vontade por meio de sua palavra; “E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás. Gênesis 2:16,17. Sem ela não poderíamos conhecer a mente do Criador, tão pouco o que ele deseja de nós, ficaríamos então presos ao pecado e ao erro. E foi exatamente isso que aconteceu durante toda a idade média, a igreja católica privou o povo do ensino correto das escrituras, substituindo pela tradição eclesiástica, ou seja, a regra de fé e de prática não era mais o que havia sido dito por Deus, mas agora, pelo que a igreja dizia ser a vontade de Deus. A palavra de Deus revela que sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam. Hebreus 11:6”. E fala também que “a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus. Romanos 10:17”. Com isso podemos perceber que a palavra de Deus têm um fator primordial no plano de salvação, e que sem ela é impossível alcançá-la. Os reformadores entenderam isso, e como reação, batalharam para trazer de volta ao centro da vida a palavra do Senhor de forma fiel e pura, assim como foi deixada pelo Espírito Santo para que fosse usada. Quando se pensa em reforma em nossos dias, os primeiros nomes ou imagens que nos vem a mente, são “Lutero” ou “Calvino”, ou ainda outros nomes de pastores ou de igrejas, quando na verdade isso não configura o real significado ou simbologia que pode ser feita com o que a reforma remete. Ao pensar sobre reforma, deveríamos ter em mente a palavra do SENHOR, suas santas escrituras, pois toda a luta reformada, como foi dito, se direcionou em trazer ao centro da vida das pessoas o conhecimento da perfeita vontade de Cristo, contidas nas sagradas letras, permitindo que elas regessem suas vidas, cultuassem, trabalhassem da forma como está prescrito na palavra do SENHOR.

Ser reformado, indica muito mais do que concordar ou seguir o que pensou Calvino e Lutero. Ser reformado vai bem mais além do que simplesmente ter um “vocabulário teológico”, ou saber responder as perguntas que foram feitas no início do texto. Ser reformado significa carregar uma tradição que teve como base o amor e apego a palavra de Deus, e o respeito a ela. É entender que se podemos hoje ser cristãos isso se deve ao fato de que o Criador, em sua providência, levantou homens para pregar sua palavra quando tudo ao redor na verdade conspirava para que ela fosse esquecida, fazendo com que pessoas conhecessem seu conteúdo o fossem chamadas por Deus para pregarem o seu evangelho em outras partes do mundo, chegando então até nós. A reforma é um brado de vitória em um mundo escravizado e marcado pelo pecado e pelo afastamento da vontade de Deus contida em Sua palavra. Então quando você se lembrar de que é reformado, ou quando se deparar com o nome reforma, lembre-se da herança que você herdou e da responsabilidade que agora têm de manter acessa a chama do amor à palavra de Deus. Lembre-se que muitos homens, mesmo antes da reforma deram suas vidas em amor a Cristo, e em dedicação ao que a palavra do SENHOR ensina. Que o Criador sorria para nós, e nos ajude a percebermos quão sagrada é sua escritura, e quão maravilhoso é ter sido agraciado por Deus com algo tão poderoso capaz de mudar a mente e o coração do homem fazendo com o que o mesmo abandone o pecado e se torne graciosamente à Ele. E que possamos sempre ser gratos a ele, por agir com misericórdia para conosco, a ponto de fazer explodir um movimento que traria de volta ao centro aquilo é a lâmpada para os nossos pés, e luz para nosso caminho: SOLA SCRIPTURA!

Postagens Relacionadas

ăn dặm kiểu NhậtResponsive WordPress Themenhà cấp 4 nông thônthời trang trẻ emgiày cao gótshop giày nữdownload wordpress pluginsmẫu biệt thự đẹpepichouseáo sơ mi nữhouse beautiful