Reformai
Publicidade:
Home | Trecho: Ódio pelo Pecado (6)

Trecho: Ódio pelo Pecado (6)(19 min de Leitura)


Nesta série, vamos debruçar em torno da doutrina do arrependimento com Thomas Watson. Trecho a obra “A Doutrina do Arrependimento”, para ter todo o conteúdo completo acesso o E-book clicando aqui.


(…) O arrependimento é como um remédio espiritual, composto de seis ingredientes especiais:

  1. Visão do pecado (tratado no artigo anterior);
  2. Tristeza pelo pecado (tratado no artigo anterior) ;
  3. Confissão do pecado (tratado no artigo anterior);
  4. Vergonha pelo pecado (tratado no artigo anterior);
  5. Ódio pelo pecado (tratado neste artigo);
  6. Desviando do pecado (próximo artigo).

Se alguma dessas virtudes é deixada de fora, o arrependimento perde sua veracidade.

Publicidade:

Ingrediente 5: ódio pelo pecado

O quinto ingrediente do arrependimento é o ódio pelo pecado. Os escolásticos o distinguia em um duplo ódio: o ódio às abominações e o ódio à inimizade.

Em primeiro lugar, há um ódio ou repugnância pelas abominações: “Desgastar-vos-ão por vossas iniquidades” (Ez 36:3). Um verdadeiro penitente é um detestador do pecado. Se um homem detesta aquilo que deixa seu estômago doente, muito mais ele abomina o que torna sua consciência doente. É mais sobre desprezar o pecado do que tão somente deixá-lo. Pode-se deixar o pecado por temor, pois numa tempestade o prato e as joias são atirados ao mar, mas isso é ainda sobre conveniência e não uma detestação. Cristo nunca é amado até que o pecado seja odiado. O céu nunca é desejado até que o pecado seja odiado. Quando a alma vê uma questão de sangue correndo, ele grita: “Senhor, quando serei livre deste corpo de morte? Quando tirarei estas imundas vestes do pecado e colocarei a justa mitra da glória sobre a minha cabeça? Que todo o meu amor se transforme em ódio do pecado!” Assim como vemos em Zacarias 3:4, 5.

Em segundo lugar, há um ódio de inimizade. Não há melhor maneira de descobrir a vida do que os próprios movimentos: Os olhos se movem, o coração pulsa. Então, para descobrir o arrependimento, não há melhor sinal do que uma santa antipatia ao pecado. O arrependimento sadio começa no amor de Deus e termina no ódio do pecado.

Publicidade:

Como o verdadeiro ódio pelo pecado pode ser conhecido?

  1. Quando o espírito de um homem é colocado contra o pecado

A língua não só investe contra o pecado, mas o coração o abomina, de modo que, por mais curioso que pareça o pecado, o temos por odioso, pois abominamos a imagem de alguém a quem odiamos mortalmente, mesmo que seja bem desenhada. Suponha que um prato seja bem cozido e o molho bom, mas se um homem tiver uma antipatia contra a carne, ele não o provará. Então deixe o diabo cozinhar e vestir o pecado com prazer e lucro, mas um verdadeiro penitente com uma repugnância santa pelo pecado o odiará e não provará dele.

  1. O verdadeiro ódio ao pecado é universal

O verdadeiro ódio ao pecado é universal de duas maneiras: no que diz respeito às faculdades e ao todo.

Publicidade:

Em primeiro lugar, o ódio é universal em relação às faculdades, isto é, há uma aversão pelo pecado não apenas no julgamento, mas na vontade e afeições. Muitos estão convencidos de que o pecado é uma coisa vil e, em seu julgamento, tem uma aversão a ele, mas ainda assim ele o saboreia docemente e tem uma complacência secreta nele. Aqui está um desgosto do pecado no julgamento e um desejo por ele na vontade; enquanto que, no verdadeiro arrependimento, o ódio ao pecado está em todas as faculdades, não apenas na parte intelectual, mas principalmente na vontade: “Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço” (Rm 7:15). Paulo não estava livre do pecado, mas sua vontade era contra.

Em segundo lugar, o ódio é universal em relação ao todo. Aquele que odeia um pecado odeia em totalidade. Aristóteles, disse, o ódio é contra todo o tipo. Aquele que odeia uma serpente odeia todas as serpentes: “Eu odeio todo falso caminho” (Sl 119:104). Os hipócritas vão odiar alguns pecados que estragam seu crédito, mas um verdadeiro convertido odeia todos os pecados, pecados vingativos, compleição de pecados, os próprios sinais de corrupção. Paulo odiava a totalidade do pecado (Rm 7:23).

  1. O verdadeiro ódio contra o pecado é contra todas as formas

Um santo coração detesta o pecado por sua poluição intrínseca. O pecado deixa uma mancha na alma. Uma pessoa regenerada abomina o pecado não apenas pela maldição, mas pelo contágio. Ele odeia essa serpente não apenas por sua picada, mas por seu veneno. Ele odeia o pecado não só porque o leva ao inferno, mas porque é uma afronta ao Deus Santo.

Publicidade:
  1. O verdadeiro ódio é irreversível

O Homem que odeia o pecado nunca mais será reconciliado com o pecado. A raiva pode ser reconciliada, mas o ódio não pode. O pecado é aquele mal que nunca mais será tomado em favor. A guerra entre um filho de Deus e o pecado é como a guerra entre esses dois príncipes: “houve guerra entre Roboão e Jeroboão todos os seus dias” (1 Re 14:30).

  1. Onde há um verdadeiro ódio, não apenas nos opomos ao pecado em nós mesmos, mas também no próximo

A igreja em Éfeso não podia suportar aqueles que eram maus (Ap 2:2). Paulo rigidamente censurou Pedro por sua dissimulação, embora ele fosse um apóstolo. Cristo, em um santo desprazer, expulsou os cambistas do templo (Jo 2:5). Ele não queria que no templo houvesse comércio. Neemias repreendeu os nobres por sua usura (Ne 5:7) e sua profanação sabática (Ne 13:17). Aquele que odeia o pecado não suportará a iniquidade de sua família: “O que usa de engano não ficará dentro da minha casa; o que fala mentiras não estará firme perante os meus olhos” (Sl 101:7). Que vergonha é quando ministros podem mostrar excelente de espírito em suas paixões pessoais, mas nenhum espírito heroico em suprimir o pecado do povo. Aqueles que não têm antipatia ao pecado são estranhos ao arrependimento. O pecado está neles como veneno numa serpente que, sendo natural para ela, proporciona deleite.

Quão longe estão eles do arrependimento que, em vez de odiar o pecado, amam o pecado! Para o piedoso, o pecado é como um espinho no olho, mas para o ímpio é como uma coroa na cabeça: “Quando tu fazes o mal, então tu te rejubila” (Jr 11:15). Amar o pecado é pior do que cometê-lo. Um homem bom pode correr para uma ação pecaminosa de surpresa, mas amar o pecado é desesperador. O que é que faz um porco, senão amar cair na lama? O que é que faz um demônio, senão amar tudo aquilo o que se opõe a Deus? Amar o pecado mostra que a vontade está no pecado, e quanto mais da vontade existe em um pecado, maior é o pecado, pois está atolado nele. O prazer pelo pecado revela um coração que não foi regenerado: “Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados” (Hb 10:26).

Publicidade:

Quantos há que amam o fruto proibido! Eles amam seus juramentos e adultérios; eles amam o pecado e odeiam a repreensão. Salomão fala de uma geração de homens em que ‘a loucura está no coração deles enquanto eles vivem’ (Ec 9:3). Assim, os homens que amam o pecado abraçam a sua própria morte, praticando a sua condenação e, por isso, “a loucura está em seu coração”.

As Escrituram nos convencem a mostrar nosso arrependimento através de um amargo ódio ao pecado. Há uma antipatia mortal entre o escorpião e o crocodilo; tal deve haver entre o coração do crente e o pecado.

Aplicação

Pergunta: O que há no pecado que pode fazer um cristão odiá-lo?

Publicidade:

Resposta: O pecado é a coisa amaldiçoada, o monstro mais disforme. O apóstolo Paulo usa uma palavra muito enfática para expressá-lo: o pecado pode se tornar “excessivamente maligno” (Rm 7:13), ou como é no grego, “hiperbolicamente pecaminoso”. Esse pecado é um dano hiperbólico e merece que o ódio apareça se considerarmos o pecado como um conceito quádruplo:

Primeira Aplicação:

Observe a origem do pecado, de onde vem. Ele busca a sua identidade no inferno: ‘Aquele que comete pecado é do diabo, porque o diabo peca desde o princípio’ (1 Jo 3:8). O pecado é o trabalho adequado do diabo. Deus é soberano sobre o pecado, é verdade, mas Satanás é a ferramenta ordenada por Deus para agir no próprio pecado. Quão odioso é fazer aquilo que é a obra peculiar do diabo, na verdade, isso não seria torna os homens em próprios diabos?

Segunda Aplicação:

Olhe para o pecado em sua natureza, e ele parecerá muito odioso. Veja como a Escritura escreveu: Trata-se de um desonra a Deus (Rm 2:23); um desprezo a Deus (1Sm 2:30); uma provocação contra Deus (Ez 16:43); um cansaço do homem contra Deus (Is 7:13); uma traição a Deus, como um marido amoroso que é traído por sua esposa: “Porquanto me quebrantei por causa do seu coração corrompido” (Ez 6:9). O pecado não arrependido é um Cristo crucificado novamente e exposto à vergonha (Hb 6:6), isto é, pecadores impudentes perfuram a Cristo e os Seus santos, pois se Cristo estivesse agora sobre a Terra eles O crucificariam novamente. Veja, portanto, a natureza odiosa do pecado.

Publicidade:

Terceira Aplicação:

Olhe para o pecado fazendo comparações e ele parecerá medonho. Compare o pecado com a aflição e o inferno, e saiba que ele é ainda pior do que ambos. É pior que a aflição: doença, pobreza, morte. Há mais malignidade em uma gota de pecado do que em um mar de aflição, pois o pecado é a causa da aflição, e a causa é mais do que o efeito. A espada da justiça de Deus fica quieta na bainha até que o pecado a retire. A aflição é boa para nós: ‘É bom para mim que eu tenha sido afligido’ (Sl 119:71). A aflição provoca arrependimento (2 Cr 33:12). A víbora, sendo atacada, lança seu veneno; então, a vara de Deus nos atinge, e então cuspimos o veneno do pecado.A aflição apoia-se na graça. O ouro é mais puro e o zimbro mais doce no fogo. A aflição impede a condenação (1 Co 11:32). Assim sendo, Mauritius, o imperador romano (582-602), orou a Deus para puni-lo nesta vida, para que ele não fosse punido no futuro. Assim, a aflição é de muitas maneiras para o nosso bem, mas não há bem no pecado. A aflição de Manassés levou-o à humilhação, mas o pecado de Judas o levou ao desespero. A aflição só atinge o corpo, mas o pecado vai além: envenena o espírito e perturba os afetos. A aflição é apenas corretiva; o pecado é destrutivo. A aflição só pode tirar a vida; o pecado tira a alma (Lc 12:20).

Um homem que está aflito pode ter sua consciência aquieta. Quando a arca foi lançada nas ondas, Noé podia cantar na arca. Quando o corpo é afligido e jogado, um cristão pode “cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração” (Ef 5:19). Mas quando um homem comete pecado, a consciência fica aterrorizada.Veja Spira, que foi eminente advogado que viveu perto de Veneza no período da Reforma (século XVI). Ele se converteu do romanismo, acatou a fé protestante, mas depois apostatou e morreu em desespero em 1548. Sua vida foi publicada em Genebra em 1550, João Calvino fez um prefácio. John Bunyan ficou profundamente impressionado com o que aconteceu com Spira. O homem na gaiola de ferro na Casa do Intérprete no Peregrino, sem dúvida, o representa.Ao renunciar a fé, Spira disse que achava que os espíritos condenados não sentiam aqueles tormentos que ele internamente suportava, entretanto na aflição, podemos ter o amor de Deus (Ap 3:19). Se um homem jogar um saco de dinheiro em outro, e ao jogar saco machucar a pessoa que foi seu alvo se machucar um pouco, ela não ficará irada com aquele homem, mas olhará para ele com um carinho e amor.

Então, quando Deus nos ferve com aflição, é para nos enriquecer com as graças e conforto de ouro do Seu Espírito. Tudo isso é amor, mas quando cometemos pecado, Deus então nos disciplina. Quando Davi pecou, ele não sentiu nada senão o desprazer de Deus: “Nuvens e escuridão estão ao redor dele” (Sl 97:2). Davi achou isso. Ele não via o arco-íris, o raio de sol e nada além das nuvens e trevas na face de Deus.Que o pecado é pior do que a aflição isso é evidente, pois o maior julgamento que Deus coloca sobre um homem nesta vida é deixá-lo pecar sem controle. Quando o desagrado do Senhor é mais severamente aceso contra uma pessoa, Ele não diz “eu trarei a espada e a peste sobre este homem”, mas sim “vou deixá-lo pecar”: “Portanto eu os entreguei aos desejos dos seus corações” (Sl 81:12). Agora, se a entrega de um homem aos seus pecados (no relato do próprio Deus) é o mal mais terrível, então o pecado é muito pior do que a aflição. E se for assim, então como deve ser odiado por nós!Compare o pecado com o inferno, e você verá que o pecado é pior. O tormento tem sua ênfase no inferno, mas nada é tão ruim quanto o pecado. O inferno é da criação de Deus, mas o pecado não é de sua autoria.

Publicidade:

O pecado é a criatura do diabo. Os tormentos do inferno são um fardo só para o pecador, mas o pecado é um fardo para Deus: “Eis que eu vos apertarei no vosso lugar como se aperta um carro cheio de feixes” (Am 2:13). Nos tormentos do inferno há algo que é bom, a saber, a execução da justiça divina. Há justiça no inferno, mas o pecado é uma das maiores injustiças. O pecado luta contra a glória de Deus, contra Cristo e Sua obra redentora, contra a alma livre e feliz do homem. Julgue então se o pecado não é uma coisa muito odiosa, o que é pior que aflição ou inferno.

Quarta Aplicação:

Olhe para o pecado na questão e consequência, e ele parecerá odioso. O pecado alcança o corpo. Ele expõe o homem a uma variedade de misérias, antes, durante e depois. Nós chegamos ao mundo com um grito e saímos com um gemido. O pecado fez os Trácios chorarem no aniversário de seus filhos, como Heródoto nos diz, para considerar as calamidades que eles sofreriam no mundo. Pecado é o cavalo de Tróia de onde vem todo um exército de problemas. Eu não preciso nomeá-los porque quase todos os sentem. Enquanto lambemos o mel, somos picados e feridos.

O pecado dá uma taça de vinho envenenado em nossos confortos e cava o nosso túmulo (Rm 5:12).O pecado alcança a alma. Pelo pecado nós perdemos a imagem de Deus, onde consistia tanto a nossa santidade como a nossa majestade. Adão em sua glória primitiva era como um arauto que tem seu brasão sobre ele. Todos o reverenciam porque ele carrega o brasão do rei, mas tirando essa vestimenta, ninguém o considera.

Publicidade:

O pecado fez essa desgraça sobre nós. Ele arrancou a nossa veste de inocência. Mas isso não é tudo. Esta flecha do pecado atacaria ainda mais profundamente. Nos separaria para sempre da bela visão de Deus, em cuja presença está a plenitude da alegria. Se o pecado for tão hiperbolicamente pecaminoso, ele deve nos inchar de ódio e provocar nossa irreversível e implacável indignação a ele. Como o ódio de Tamar por Amon era maior do que o amor com o qual ele a amara (2Sm 13:15), devemos odiar infinitamente mais do que nunca o amamos.


Citações escriturísticas a partir da Almeida Corrigida Fiel (ACF). 2019 © Traduzido por Amanda Martins; revisado por Elnatan Rodrigues; áudio por Sérgio Cavazonni. Para o uso correto deste recurso visite nossa Página de Permissões.

Thomas Watson

Thomas Watson

Thomas Watson (1620-1686) foi um pregador puritano no século XVI. Watson é autor de diversas obras teológicas, destacando-se a obra "A Body of Divine".

Publicidade:

1 comentário

Publicidade:
  • Como Funciona
        • Classificações

        • Principais Assuntos

        • Encontre

        • Recomendamos

        • Lista de Assuntos

        • Arquivos

        • Busque

          Digite uma palavra-chave…

  • Loja
  • Assine
  • Artigos
  • Assuntos
  • Autores
  • Downloads
  • Podcast
  • Séries
AdBlock Detectado

Parece que você está usando uma extensão de navegador de bloqueio de anúncios. Fazemos uso de publicidade em nossa plataforma para nos ajudar com os custos da plataforma e da nossa equipe. Por favor, insira nosso site na lista de permissão em sua extensão. Você pode assinar um dos nossos planos e ter acesso sem publicidade e muitos outros benefícios.

Seja PremiumMuitos conteúdos exclusivos para você!

Aprofunde-se na Teologia Reformada com conteúdos edificantes e bíblicos! No plano anual você paga menos de R$ 10,00 por mês (33% OFF). Aproveite!

Conteúdo protegido por direito autorais.