Reformai
Publicidade:
Home | A Eternidade dos Tormentos do Inferno

A Eternidade dos Tormentos do Inferno68 min de Leitura

Publicidade:

E irão estes para o tormento eterno (…)

Mateus 25:46

Neste capítulo, temos uma descrição ímpar do dia do julgamento, mais do que qualquer outra passagem na Bíblia. Aqui Cristo declara que, quando se assentar no trono de sua glória, os justos e os iníquos serão postos diante dele e separados um do outro, como um pastor separa suas ovelhas das cabras. Então, temos um relato de como ambos serão julgados de acordo com suas obras: como serão ensaiadas as boas obras de uma e as más obras da outra, e como a sentença será pronunciada de acordo. Dizem-nos qual será a sentença em cada uma e, em seguida, temos um relato da execução da sentença em ambas. Nas palavras do texto está o relato da execução da sentença sobre os imorais ou ímpios, com relação aos quais é meu propósito observar duas coisas.

  • Primeiro, a duração do castigo em que entrarão: é chamado de castigo eterno.
  • Segundo, o momento da entrada deles neste castigo eterno, após o dia do julgamento, quando todas essas coisas temporárias chegarem ao fim e até aquelas que forem mais duradouras – a estrutura do próprio mundo, a terra que se diz permanecer para sempre, as antigas montanhas e colinas eternas, o sol, a lua e as estrelas. Quando os céus envelhecerem como uma roupa e como uma vestimenta for trocada, será o tempo em que os iníquos entrarão em seu castigo.

Doutrina: A miséria dos ímpios no inferno será absolutamente eterna

Há duas opiniões às quais pretendo me opor nesta doutrina. Uma é que a morte eterna com a qual os homens iníquos estão ameaçados nas Escrituras significa apenas aniquilação eterna: que Deus punirá sua maldade abolindo eternamente seu ser.

A outra opinião à qual pretendo me opor é que, embora o castigo dos ímpios deva consistir em uma miséria sensata, ainda assim não será absolutamente eterno, mas apenas com uma continuidade muito longa.

Publicidade:

Portanto, para estabelecer a doutrina em oposição a essas diferentes opiniões, comprometerei-me a mostrar:

  1. Que não é contrário às perfeições divinas infligir aos homens maus um castigo absolutamente eterno.
  2. Que a morte eterna que Deus ameaça não é aniquilação, mas uma punição ou miséria permanente.
  3. Que essa miséria não só continue por muito tempo, mas será absolutamente sem fim.
  4.  Que vários bons fins serão obtidos pelo castigo eterno dos iníquos.

1. Devo mostrar que não é contrário às perfeições divinas infligir aos homens maus um castigo absolutamente eterno

Esta é a soma das objeções geralmente feitas contra essa doutrina: que ela é inconsistente com a justiça e, especialmente, com a misericórdia de Deus. E alguns dizem que, se for estritamente justo, como podemos supor que um Deus misericordioso possa suportar eternamente atormentar suas criaturas?

A proporcionalidade do crime vil com a justiça de Deus

Primeiro, mostrarei brevemente que não é inconsistente com a justiça de Deus infligir um castigo eterno. Para demonstrar isso, usarei apenas um argumento,  que o pecado é hediondo o suficiente para merecer tal punição e tal punição não é mais do que proporcional ao mal ou ao demérito do pecado. Se o mal do pecado é infinito, como é o castigo, é manifesto que o castigo não é mais do que proporcional ao pecado castigado e não é mais do que o pecado merece. E se a obrigação de amar, honrar e obedecer a Deus é infinita, o pecado, que é a violação dessa obrigação, é uma violação da obrigação infinita, e também um mal infinito. Novamente, se Deus é infinitamente digno de amor, honra e obediência, nossa obrigação de amar, honrar e obedecê-lo é infinitamente grande. 

Publicidade:

Para que Deus seja infinitamente glorioso ou infinitamente digno de nosso amor, honra e obediência, nossa obrigação de amá-lo, honrá-lo e obedecê-lo (e assim evitar todo pecado) é infinitamente grande. Novamente, nossa obrigação de amar, honrar e obedecer a Deus sendo infinitamente grande, o pecado é uma violação da obrigação infinita, e também um mal infinito. Mais uma vez, o pecado, sendo um mal infinito, merece uma punição infinita. Uma punição infinita não é mais do que merece. Portanto, tal punição é justa, o que era a coisa a ser provada. Não há como fugir da força desse raciocínio, mas negando que Deus, o soberano do universo, seja infinitamente glorioso, o que presumo que nenhum dos meus ouvintes se atreverá a fazer.

Falso entendimento da misericórdia de Deus

Segundo, devo mostrar que não é inconsistente com a misericórdia de Deus, infligir um castigo eterno aos homens maus. É uma noção irracional e antibíblica da misericórdia de Deus, que ele é misericordioso de tal maneira que não pode suportar que a justiça penal seja executada. Isso é conceber a misericórdia de Deus como uma paixão a qual sua natureza está tão sujeita que Deus é passível de ser movido, afetado e vencido ao ver uma criatura na miséria, de modo que Ele não possa suportar ver a justiça executada: é uma noção muito indigna e absurda da misericórdia de Deus e, se for verdade, argumentaria grande fraqueza. 

Seria um grande defeito, e não uma perfeição, o Juiz soberano e supremo do mundo, ser misericordioso de tal maneira que ele não suportaria a execução da justiça penal. É uma noção muito antibíblica da misericórdia de Deus. As Escrituras em todos os lugares representam a misericórdia de Deus como livre e soberana, e não que os exercícios dela sejam necessários, para que Deus não possa suportar a justiça. As Escrituras falam abundantemente disso como a glória do atributo divino da misericórdia, que é livre e soberano em seus exercícios, e não que Deus não possa deixar de libertar os pecadores da miséria. Essa é uma ideia mesquinha e indigna da misericórdia divina.

Publicidade:

É mais absurdo também, pois é contrário ao fato claro. Pois se existe algum significado na objeção, supõe-se nela que toda a miséria da criatura, justa ou injusta, é em si mesma contrária à natureza de Deus. Pois, se a sua misericórdia é de tal natureza que um grau muito grande de miséria, embora justo, seja contrário a sua natureza, é apenas um acréscimo à misericórdia. E então um menor grau de miséria é contrário a sua natureza (novamente para acrescentar mais a ela), e um grau ainda menor de miséria é contrário a sua natureza. E, portanto, sendo a misericórdia de Deus infinita, toda miséria deve ser contrária a sua natureza, que consideramos contrária ao fato. Pois vemos que Deus em sua providência realmente inflige grandes calamidades à humanidade, mesmo nesta vida.

Por mais fortes que esse tipo de objeção contra a eterna miséria dos ímpios possa parecer aos corações carnais e sem sentido dos homens, como se fosse contra a justiça e a misericórdia de Deus, sua força aparente surge da falta de senso do infinito mal, odiosidade e provocação existe no pecado. Por isso, parece-nos inadequado que qualquer criatura pobre seja objeto de tanta miséria, porque não sentimos nada abominável e provocador em qualquer criatura responsável por ela. Se tivéssemos então essa calamidade infinita não pareceria inadequada. Por um lado, apenas pareceria responsável e proporcional a outro, e assim a mente descansaria nela como apta e adequada, e não mais do que o que seria apropriado para ser ordenado pelo justo, santo e bom Governador do mundo.

Que isto é assim, podemos ser convencidos por esta consideração, quando ouvimos ou lemos alguns casos horríveis de crueldade, pode ser para uma criança pobre e inocente ou algum mártir sagrado – e seus cruéis perseguidores, sem levar em consideração seus gritos e gritos, apenas ostentando sua miséria, e não mesmo para pôr um fim às suas vidas – temos uma sensação do mal deles, e eles causam uma profunda impressão em nossas mentes. Portanto, parece justo, de todas as maneiras possíveis, que Deus inflija um castigo muito terrível às pessoas que cometeram tal maldade. Não parece desagradável a nenhuma perfeição do juiz do mundo. Podemos pensar nisso sem ficarmos chocados. A razão é que temos um senso do mal de sua conduta e um senso da proporção que existe entre o mal ou o demérito e o castigo.

Publicidade:
O tolo erro da referência dentro da esfera humana

Só assim, se vimos uma proporção entre o mal do pecado e o castigo eterno, ou seja, se víssemos algo nos homens maus que deveria parecer tão odioso para nós, como a miséria eterna parece terrível (algo que deveria provocar indignação e detestação, como a miséria eterna aterroriza), todas as objeções contra essa doutrina desapareceriam imediatamente. Embora agora pareça incrível, e quando ouvimos sobre o grau e a duração dos tormentos contidos nesta doutrina e pensamos o que é a eternidade, está pronto para parecer impossível que tais tormentos sejam infligidos a criaturas fracas e pobres por um Criador de infinita misericórdia. No entanto, isso decorre principalmente dessas duas causas:

  1. É tão contrário às inclinações depravadas da humanidade que eles odeiam acreditar nela e não podem suportar que isso seja verdade.
  2. Eles não vêem a adequação do castigo eterno ao mal do pecado.

Tendo assim demonstrado que o castigo eterno dos iníquos não é inconsistente com as perfeições divinas, passarei a mostrar que está tão longe de ser inconsistente com as perfeições divinas, que essas perfeições evidentemente exigem; isto é, eles exigem que o pecado tenha um castigo tão grande, seja na pessoa que o cometeu, seja em garantia. E, portanto, com relação aos que não acreditam em garantia e não têm interesse nele, as perfeições divinas exigem que esse castigo lhes seja infligido.

A extrema necessidade de punição ao pecador

Parece que, além de não ser inadequado que o pecado seja punido, é positivamente adequado, decente e adequado. – Se isto for feito parecer que é positivamente adequado que o pecado seja assim punido, então seguirá que as perfeições de Deus o exigem. Pois certamente as perfeições de Deus exigem o que é apropriado a ser feito. A perfeição e excelência de Deus exigem que ocorra o que é perfeito, excelente e apropriado em sua própria natureza. Mas que o pecado deva ser punido eternamente é algo que aparece pelas seguintes considerações.

Publicidade:

1. É adequado que Deus odeie infinitamente o pecado e seja um inimigo infinito para ele. O pecado, como mostrei antes, é um mal infinito e, portanto, é infinitamente odioso e detestável. É apropriado que Deus odeie todo mal, e odeie-o de acordo com sua natureza odiosa e detestável. E sendo o pecado infinitamente mau e odioso, é apropriado que Deus o odeie infinitamente.

2. Se o ódio infinito pelo pecado é adequado ao caráter divino, as expressões desse ódio também são adequadas a esse caráter. Porque aquilo que é adequado para ser, é adequado para ser expresso. Aquilo que é adorável em si mesmo, é adorável quando aparece. Se é adequado que Deus seja um inimigo infinito para o pecado, ou que ele deve odiá-lo infinitamente, então é adequado que ele ajacomo um inimigo. Se é adequado que ele odeie e tenha inimizade contra o pecado, é conveniente que ele expresse esse ódio e inimizade naquilo a que o ódio e a inimizade por sua própria natureza tendem. Mas certamente o ódio, por sua própria natureza, tende a se opor, a se opor ao que é odiado, a obter o mal e não o bem, e isso proporcionalmente ao ódio. Grande ódio naturalmente tende ao grande mal, e ódio infinito ao mal infinito, de seu objeto.

Daí resulta que, se é adequado que Deus exista infinitamente ódio pelo pecado, como eu mostrei, é adequado que ele execute uma punição infinita por ele. E assim as perfeições de Deus exigem que ele castigue o pecado com um infinito, ou que é a mesma coisa com um castigo eterno.

Publicidade:

Assim, vemos não apenas a grande objeção contra essa doutrina respondida, mas a verdade da doutrina estabelecida pela razão. Passo agora a estabelecê-lo, considerando os detalhes restantes da doutrina.

2. Aquela morte eterna ou punição que Deus dará aos iníquos, não é aniquilação, mas uma punição ou miséria permanente e sensível

A verdade desta proposição aparecerá pelas seguintes informações

Primeiro, as Escrituras em todos os lugares representam o castigo dos iníquos, como implicando dores e sofrimentos muito extremos. Mas um estado de aniquilação não é um estado de sofrimento. As pessoas aniquiladas não têm senso ou sentimento de dor ou prazer, e muito menos sentem aquele castigo que carrega uma dor ou sofrimento extremo. Eles não sofrem mais para a eternidade do que sofreram desde a eternidade.

Segundo, é aceitável tanto para as Escrituras quanto para a razão supor que os iníquos serão punidos de tal maneira que sejam sensíveis ao castigo a que estão sujeitos: que sejam sensatos de que agora Deus executou e cumpriu o que ameaçava, o que eles desconsiderado e não acreditaria. Devem saber a si mesmos que a justiça ocorre sobre eles, que Deus justifica a majestade que eles desprezavam [e] que Deus não é um ser tão desprezível como eles pensavam que ele era. Eles devem ser sensíveis ao que são punidos, enquanto estão sob o castigo ameaçado. 

Publicidade:

É razoável que eles sejam sensíveis à sua própria culpa, lembrem-se de suas oportunidades e obrigações anteriores e vejam sua própria loucura e a justiça de Deus. – Se a punição ameaçada fosse aniquilação eterna, eles nunca saberão que é infligido. Eles nunca saberão que Deus está apenas em seu castigo, ou que eles têm seus desertos. E como isso é agradável às Escrituras, nas quais Deus ameaça, de que Ele retribuirá os iníquos na cara dele , Deu. 7:10. E com isso em Jó 21:19, 20: “Deus o recompensa, e ele o conhecerá; seus olhos verão sua destruição, e ele beberá da ira do Todo-Poderoso. ” E para isso em Eze. 22:21, 22: “Sim, eu os reunirei e soprarei sobre você no fogo da minha ira, e sereis derretidos no meio dela. Como a prata é derretida no meio da fornalha, assim sereis derretidos no meio dela; e sabereis que eu, o Senhor, derramei sobre mim a minha fúria. – E como é agradável essa expressão tão freqüentemente anexada às ameaças da ira de Deus contra os homens iníquos? E sabereis que eu sou o Senhor?

Terceiro, as Escrituras ensinam que os iníquos sofrerão graus diferentesde tormento, de acordo com as diferentes agravações de seus pecados. Esteira. 5:22: “Todo aquele que se zangar com seu irmão sem causa, estará em perigo de julgamento; e quem disser a seu irmão, Raca, estará em perigo de conselho; mas quem disser: Tu, tolo, estar em perigo de fogo do inferno. ” Aqui Cristo nos ensina que os tormentos dos homens maus serão diferentes em pessoas diferentes, de acordo com os diferentes graus de sua culpa. – Será mais tolerável para Sodoma e Gomorra, para Tiro e Sidom, do que para as cidades onde a maioria das grandes obras de Cristo foi realizada. – Novamente, nosso Senhor nos assegura que aquele que conhece a vontade de seu Senhor, e não se prepara, nem faz de acordo com sua vontade, será castigado com muitas açoites. Mas quem não sabe, e comete coisas dignas de açoites, será espancado com poucas listras. – Essas várias passagens das Escrituras provam infalivelmente que haverá diferentes graus de punição no inferno, o que é totalmente inconsistente com a suposição de que a punição consiste emaniquilação , na qual não pode haver graus.

Quarto, as Escrituras são muito expressas e abundantes neste assunto: que o castigo eterno dos iníquos consistirá em miséria e tormento sensatos, e não em aniquilação. – O que é dito de Judas é digno de ser observado aqui: “Foi bom para esse homem se ele não tivesse nascido”; Esteira. 26:24. – Parece claro que isso nos ensina que o castigo dos ímpios é tal que a existência deles, no geral, é pior que a inexistência. Mas se o castigo deles consiste apenas em aniquilação, isso não é verdade. Dizem que os ímpios, em seu castigo, choram, choram e rangem os dentes;o que implica não apenas a existência real, mas a vida, o conhecimento e a atividade, e que eles são afetados de maneira muito sensível e requintada com seu castigo, Isa. 33:14. Os pecadores no estado de seu castigo são representados para habitar com queimaduras eternas. Mas se eles não forem transformados em nada, onde está o fundamento dessa representação? É absurdo dizer que os pecadores habitarão com a aniquilação, pois não há habitação no caso. Também é absurdo chamar a aniquilação de queima, o que implica um estado de existência, sensibilidade e dor extrema: enquanto na aniquilação não existe.

Publicidade:

Dizem que serão lançados em um lago de fogo e enxofre. Como essa expressão com alguma propriedade pode ser entendida como um estado de aniquilação? Sim, diz-se expressamente que eles não têm descanso nem dia nem noite, mas que são atormentados com fogo e enxofre para todo o sempre, Apocalipse 20:10. Mas a aniquilação é um estado de descanso, um estado em que não é possível sofrer o mínimo tormento. O homem rico no inferno levantou os olhos, atormentado, e viu Abraão à distância, e Lázaro em seu seio, e iniciou uma conversa particular com Abraão: tudo o que prova que ele não foi aniquilado.

Os espíritos dos homens ímpios antes da ressurreição não estão em um estado de aniquilação, mas em um estado de miséria. Eles são espíritos na prisão, como diz o apóstolo sobre os que foram afogados no dilúvio, 1 Pedro. 3:19. – E isso parece muito claramente a partir do exemplo do rico antes mencionado, se o considerarmos como representando os iníquos em seu estado separado entre a morte e a ressurreição. Mas se os ímpios ainda estão em estado de tormento, muito mais eles estarão quando sofrerem o que é o castigo adequado de seus pecados.

A aniquilação não é uma calamidade tão grande, mas é indubitavelmente que alguns homens a escolheram, em vez de um estado de sofrimento mesmo nesta vida. Este foi o caso de Jó, um homem bom. Mas se um homem bom neste mundo sofrer o que é pior que a aniquilação, sem dúvida o castigo adequado dos ímpios, no qual Deus pretende manifestar sua aversão peculiar à maldade deles, será uma calamidade imensamente maior ainda, e, portanto, não pode ser aniquilação. Esse deve ser um testemunho desprezível e muito mesquinho da ira de Deus para com aqueles que se rebelaram contra sua coroa e dignidade – quebraram suas leis e desprezaram sua vingança e sua graça – o que não é uma calamidade tão grande quanto alguns de seus verdadeiros filhos sofreram. Em vida.

Publicidade:

Diz-se que o castigo eterno dos iníquos é a segunda morte , como Apocalipse 20:14 e 21: 8. É, sem dúvida, chamada de segunda morte em referência à morte do corpo, e como a morte do corpo é geralmente acompanhada com grande dor e angústia, então algo semelhante, ou algo muito maior, está implícito em chamar o castigo eterno da morte. perversa a segunda morte. E não haveria propriedade em chamá-lo assim, se consistisse apenas em aniquilação. E esta segunda morte os homens maus sofrerão, pois não pode ser chamada de segunda morte em relação a ninguém que não seja homem. Não pode ser chamado assim com relação aos demônios, pois eles não morrem de morte temporal, que é a primeira morte. Em Ap 2:11, é dito: “Quem vencer não será ferido pela segunda morte”; implicando que todos os que não superam suas concupiscências, mas vivem em pecado, sofrerão a segunda morte.

Novamente, os homens maus sofrerão o mesmo tipo de morte com os demônios; como no versículo 41 do contexto: “Partilheis, amaldiçoados, no fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.” Agora, o castigo do diabo não é aniquilação, mas tormento. Ele, portanto, treme por medo disso. não por medo de ser aniquilado – ele ficaria feliz com isso. Onde ele tem medo é tormento, como aparece em Lucas 8:28, onde ele clama e suplica a Cristo que ele não o atormentaria antes do tempo. E é dito, Rev. 20:10: “O diabo que os enganou foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta, e será atormentado dia e noite, para todo o sempre.”

É estranho como os homens vão diretamente contra revelações tão claras e completas das Escrituras, a ponto de supor, apesar de todas essas coisas, que o castigo eterno ameaçado contra os iníquos significa apenas aniquilação.

Publicidade:

3. Como o castigo futuro dos ímpios consiste em uma miséria sensata, não deve continuar por muito tempo, mas deve ser absolutamente sem fim

Daqueles que sustentaram que os tormentos do inferno não são absolutamente eternos, houve dois tipos. Alguns supõem que, nas ameaças de punição eterna, os termos usados ​​não importam necessariamente uma eternidade adequada, mas apenas uma duração muito longa. Outros supõem que, se importam uma eternidade adequada, ainda assim não podemos necessariamente concluir daí que Deus cumprirá suas ameaças. – Portanto eu devo,

Primeiro, mostre que as ameaças do castigo eterno importam muito clara e plenamente uma eternidade adequada e absoluta, e não apenas uma longa duração. – Isso aparece,

1. Porque quando as Escrituras falam que os iníquos são sentenciados ao seu castigo no momento em que todas as coisas temporais terminam, ela fala disso como eterna, como no texto e em outros lugares. É verdade que o termo para sempre nem sempre está nas Escrituras usado para significar a eternidade. Às vezes, significa “enquanto um homem vive”. Nesse sentido, diz-se que o servo hebreu, que escolheu permanecer com seu mestre, deveria estar com o ouvido entediado e servir a seu mestre para sempre. Às vezes, significa “durante a continuação do estado e igreja dos judeus”. Nesse sentido, várias leis que eram peculiares a essa igreja e deveriam continuar em vigor não mais do que a igreja deveria durar são chamadas estatutos para sempre. Veja Exo. 27:21, 28:43, etc. Às vezes, significa enquanto o mundo permanecer. Então, em Ecc. 1: 4: “Uma geração passa,

Publicidade:

E este último é o período temporal mais longo que esse termo é usado para significar. Pois a duração do mundo é a mais longa das coisas temporais, pois seu início foi o mais antigo. Portanto, quando as Escrituras falam das coisas como antes da fundação do mundo, significa que elas existiam antes do início dos tempos. Portanto, as coisas que continuam após o fim do mundo são eternas. Quando o céu e a terra são abalados e removidos, as coisas que restam serão o que não podem ser abaladas, mas permanecerão para sempre, Hb. 12: 26-27.

Mas o castigo dos ímpios não somente permanecerá após o fim do mundo, mas será chamado eterno, como no texto: “Estes serão levados ao castigo eterno”. Assim, em 2 Ts. 1: 9-10: “Quem será punido com a destruição eterna da presença do Senhor e da glória do seu poder; quando ele vier a ser glorificado em seus santos ”etc. – Agora, o que pode ser entendido por uma coisa eterna, depois que todas as coisas temporais terminam, mas que é absolutamente sem fim!

2. Tais expressões são usadas para estabelecer a duração do castigo dos iníquos, como nunca são usadas nas escrituras do Novo Testamento para significar nada além de uma eternidade adequada. Dizem que não apenas o castigo será para sempre, mas para todo o sempre. 14:11: “A fumaça do tormento deles sobe para todo o sempre .” Apocalipse 20:10: “Serão atormentados dia e noite, para todo o sempre .” Sem dúvida, o Novo Testamento tem alguma expressão para significar uma eternidade adequada, da qual muitas vezes tem ocasião de falar. Mas não tem expressão mais alta do que esta: se isso não significa uma eternidade absoluta, não há nenhuma que o faça.

Publicidade:

3. As Escrituras usam o mesmo modo de falar para estabelecer a eternidade do castigo e a eternidade da felicidade , sim, a eternidade do próprio Deus. Esteira. 25:46: “Estes irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna .” As palavras eternas e eternas , no original, são as mesmas. Ap 22: 5, “E eles (os santos) reinarão para todo o sempre .” E a Escritura não tem expressão mais alta para significar a eternidade do próprio Deus, do que a do seu ser para todo o sempre , como Ap 4: 9: “Àquele que estava sentado no trono, que vive para todo o sempre”; e no versículo 10, e em Ap. 5:14; 10: 6 e 15: 7.

Novamente, as Escrituras expressam a eternidade de Deus com isso: que será para sempre , depois que o mundo terminar, Sl. 102: 26-27: “Eles perecerão, mas tu perseverarás; sim, todos eles envelhecerão como uma roupa; como roupa os trocarás, e eles serão mudados. Mas tu és o mesmo, e teus anos não terão fim. ”

4. A Escritura diz que homens maus não serão libertados até que tenham pago o máximo possível de suas dívidas, Mat. 5:26. O último ácaro, Lucas 12:59, ou seja , o máximo que é merecido, e toda misericórdia é excluída por essa expressão. Mas nós mostramos que eles merecem uma punição infinita e infinita.

Publicidade:

5. As Escrituras dizem absolutamente que o castigo deles não terá fim, Marcos 9:44: “Onde o verme não morre, e o fogo não se apaga.” Agora, não é necessário dizer que o significado é que seu verme viverá muito tempo ou que demorará muito antes que o fogo seja extinto. Se alguma vez chegar a hora de seu verme morrer , se houver um apagamento do fogo, então não é verdade que o verme não morra e que o fogo não se apaga. Pois, se houver uma morte do verme e um apagamento do fogo, seja a que hora, mais perto ou mais longe, é igualmente contrário a essa negação – não morre, não se apaga.

Segundo, há outros que permitem que a expressão das ameaças denote uma eternidade adequada. Mas então, eles dizem, certamente não segue que o castigo será realmente eterno, porque Deus pode ameaçar, e ainda não cumprir suas ameaças. Embora eles permitam que as ameaças sejam positivas e peremptórias, sem qualquer reserva, eles dizem [que] Deus não é obrigado a cumprir ameaças positivas absolutas, como ele é promessas absolutas. Porque nas promessas é transmitido o direito de que a criatura a quem as promessas são feitas reivindicará. Mas não há perigo de a criatura reivindicar qualquer direito por uma ameaça. Portanto, agora vou mostrar que o que Deus declarou positivamente sobre esse assunto, de fato, torna certo que será como ele declarou. Para esse fim, mencionarei duas coisas:

1. É evidentemente contrário à verdade divina , declarar positivamente que qualquer coisa seja real, seja passado, presente ou vindouro, que Deus ao mesmo tempo sabe que não é. Absolutamente ameaçador que qualquer coisa seja, é o mesmo que declarar absolutamente que deve ser. Para alguém supor que Deus absolutamente declara que qualquer coisa será, que ao mesmo tempo sabe que não será, é blasfêmia, se houver algo como blasfêmia.

Publicidade:

De fato, é muito verdade que Deus não existe nenhuma obrigação , decorrente da reivindicação da criatura, como há promessas. Eles parecem considerar o caminho errado, que supõe que a necessidade da execução da ameaça surja de uma obrigação apropriada de Deus para que a criatura execute a conseqüente ameaça. Pois, de fato, a certeza da execução surge de outra maneira, viz. sobre a obrigação do Deus onisciente, ao ameaçar, de conformar sua ameaça ao que ele sabia que seria futuro em execução. Embora, estritamente falando, Deus não esteja devidamente obrigado à criatura a executar porque ele ameaçou, mas ele não foi absolutamente obrigadoameaçar, se ao mesmo tempo soubesse que não deveria ou não cumpriria, porque isso não seria consistente com sua verdade. Portanto, a partir da verdade de Deus, há uma conexão inviolável entre ameaças positivas e execução. Aqueles que supõem que Deus declarou positivamente que ele faria contrário ao que ele sabia que aconteceria, supõem aí que ele ameaçou absolutamente contrário ao que ele sabia ser verdade . E como alguém pode falar ao contrário do que ele sabe ser verdade, ao declarar, prometer ou ameaçar, ou de qualquer outra maneira, consistentemente com a verdade inviolável, é inconcebível.

Ameaças são significações de algo, e se elas são feitas consistentemente com a verdade, são significações verdadeiras, ou significações da verdade, aquilo que deve ser . Se ameaças absolutas são significações de qualquer coisa, elas são significações da futuridade das coisas ameaçadas. Mas se a futuridade das coisas ameaçadas não é verdadeira e real, como pode a ameaça ser um verdadeiro significado? E se Deus, neles, fala contrariamente ao que ele sabe , e ao contrário do que ele pretende , como ele pode falar a verdade é inconcebível.

Ameaças absolutas são um tipo de previsão. E embora Deus não seja devidamente obrigado por nenhuma reivindicação nossa a cumprir previsões, a menos que sejam da natureza de promessas, certamente seria contrário à verdade prever que uma coisa dessas aconteceria, o que ele sabia na época. mesmo tempo não iria acontecer. Ameaças são declarações de algo futuro, e devem ser declarações de verdade futura, se forem declarações verdadeiras. O fato de ser futuro não altera o caso mais do que se estivesse presente. É igualmente contrário à verdade, declarar contrário ao que ao mesmo tempo se sabe ser verdade, seja de coisas passadas, presentes ou futuras: pois todos são semelhantes a Deus.

Além disso, temos frequentemente declarações nas Escrituras do futuro castigo eterno dos iníquos, na forma adequada de previsões , e não na forma de ameaças . Assim, no texto: “Estes serão levados ao castigo eterno”. Assim, nessas frequentes afirmações de punição eterna no Apocalipse, algumas das quais eu já citei. A Revelação é uma profecia , e é assim chamada no próprio livro. O mesmo vale para aquelas declarações de punição eterna. – As declarações similares que temos também em muitos outros lugares das Escrituras.

2. A doutrina daqueles que ensinam que não é certo que Deus cumpra essas ameaças absolutas é blasfema de outra maneira, ou seja, como Deus, de acordo com a suposição deles, foi obrigado a fazer uso de uma falácia para governar o mundo . Eles afirmam que é necessário que os homens se apreendam sujeitos a um castigo eterno, para que possam ser impedidos de pecar e que Deus tenha ameaçado esse castigo, para o fim em que possam acreditar. expostos a ele. Mas que opinião indigna isso transmite de Deus e de seu governo, de sua infinita majestade, sabedoria e toda a suficiência! – Além disso, eles supõem que, embora Deus tenha feito uso dessa falácia, ainda assim não é, mas eles o detectaram nela. Embora Deus pretendesse que os homens acreditassem que era certo que os pecadores são sujeitos a um castigo eterno, eles supõem que foram tão astutos que descobriram que não é certo. E para que Deus não tivesse colocado seu plano tão profundamente, mas para que homens astutos pudessem discernir a trapaça e derrotá-lo, porque descobriram que não há conexão necessária entre a ameaça de punição eterna e a execução de que ameaçador.

Considerando essas coisas, não é de admirar que o arcebispo Tillotson, que fez uma figura tão grande entre os novos teólogos da moda, deva apresentar uma opinião como esta?

Antes de concluir este assunto, talvez seja adequado responder uma ou duas objeções que possam surgir na mente de alguns.

Objeção 1. Pode-se dizer aqui [que] temos casos em que Deus não cumpriu suas ameaças: como uma ameaça a Adão, e nele à humanidade, que certamente morreriam, se comerem o fruto proibido. Eu respondo, não é verdade que Deus não cumpriu essa ameaça. Ele o cumpriu e o cumprirá em todos os detalhes. Quando Deus disse: “Certamente morrerás”, se respeitarmos a morte espiritual, ela foi cumprida na pessoa de Adão no dia em que ele comeu. Pois imediatamente sua imagem, seu espírito santo e sua retidão original, que foi a melhor e mais alta vida de nossos primeiros pais, foram perdidos e eles estavam imediatamente em um triste estado de morte espiritual.

Se respeitarmos a morte temporal, isso também foi cumprido. Ele trouxe a morte sobre si mesmo e toda a sua posteridade, e ele virtualmente sofreu a morte naquele mesmo dia em que comia. Seu corpo foi levado a uma condição corruptível, mortal e moribunda, e assim continuou até se dissolver. Se olharmos para toda aquela morte que foi compreendida na ameaça, ela foi, propriamente falando, cumprida em Cristo. Quando Deus disse a Adão: “Se você comer, morrerá”, ele falou não apenas a ele e a ele pessoalmente, mas as palavras respeitavam a humanidade, Adão e sua raça, e sem dúvida foram entendidas por ele. Seus filhos deveriam ser vistos como pecadores nele, e assim deveriam morrer com ele. As palavras permitem tão justamente uma imputação da morte como do pecado. Eles são tão consistentes com a morte em garantia, como compecando em um. Portanto, a ameaça é cumprida na morte de Cristo, a garantia.

Objeção 2. Outra objeção pode surgir da ameaça de Deus a Nínive. Ele ameaçou que em quarenta dias Nínive fosse destruído, o que ainda não cumpriu. – Eu respondo, que a ameaça poderia ser justamente encarada, a não ser como condicional . Era da natureza de um aviso, e não de uma denúncia absoluta. Por que Jonas foi enviado aos ninivitas, mas para avisá-los de que eles poderiam ter a oportunidade de se arrepender, reformar e evitar a destruição que se aproximava? Deus não tinha outro objetivo ou fim em enviar o profeta a eles, mas eles poderiam ser advertidos e julgados por ele, como Deus advertiu os israelitas, Judá e Jerusalém, antes de sua destruição. Portanto, os profetas, juntamente com suas profecias de se aproximar da destruição, juntaram-se a exortações sinceras para se arrependerem e reformarem, para que isso pudesse ser evitado.

Não se pode entender que, com toda a justiça, certamente estar ameaçado, que Nínive deve ser destruída em quarenta dias, continuando como estava.Pois foi por sua maldade que essa destruição foi ameaçada, e os ninivitas a tomaram. Portanto, quando a causa foi removida, o efeito cessou. Era contrário à maneira conhecida de Deus, ameaçar absolutamente a punição e a destruição do pecado neste mundo, para que ele viesse sobre as pessoas ameaçadas inevitavelmente, que se arrependessem, se reformassem e fizessem o que fariam; Jer. 18: 7, 8: “Em que momento falarei a respeito de uma nação e de um reino, para arrancar, derrubar e destruí-lo; se a nação contra a qual eu declarei se desviar do mal deles, me arrependerei do mal que pensava fazer com eles. ” Para que todas as ameaças dessa natureza tivessem uma condiçãoimplícita neles, de acordo com a maneira conhecida e declarada do trato de Deus. E os ninivitas não tomaram isso como uma sentença absoluta de denúncia: se o tivessem, teriam desesperado de qualquer benefício por jejum e reforma.

Mas as ameaças da ira eterna são positivas e absolutas. Não há nada na Palavra de Deus a partir do qual possamos reunir qualquer condição. A única oportunidade de escapar é neste mundo. Este é o único estado de provação, em que temos ofertas de misericórdia ou lugar de arrependimento.

4. Mencionarei vários bons fins e importantes , que serão obtidos pelo castigo eterno dos iníquos

Primeiro, por meio deste , Deus vindica sua majestade ferida . Onde os pecadores o desprezam e o pisam no pó, Deus a justifica e a honra e faz parecer, como é de fato infinito, mostrando que é infinitamente terrível condená-lo ou ofendê-lo.

Segundo, Deus glorifica sua justiça . – A glória de Deus é o maior bem. É isso que é o fim principal da criação. É de maior importância do que qualquer outra coisa. Mas este único caminho em que Deus se glorificará, como na destruição eterna de homens ímpios, ele glorificará sua justiça. Nele, ele aparecerá como um governador justo do mundo. A justiça vingativa de Deus parecerá estrita, exata, terrível e terrível e, portanto, gloriosa.

Terceiro, Deus por meio disso indiretamente glorifica sua graça nos vasos de misericórdia. – Os santos no céu contemplarão os tormentos dos condenados: “a fumaça do tormento deles sobe para todo o sempre.” É um. 66:24: “E sairão e olharão para as carcaças dos homens que transgrediram contra mim; porque os seus vermes não morrerão, nem o seu fogo se extinguirá, e abominarão a toda a carne”. E em Ap 14:10 é dito que eles serão atormentados na presença dos santos anjos e na presença do Cordeiro. Por isso serão atormentados na presença também dos santos glorificados.

Por meio disso, os santos se tornarão mais sensatos em quão grande é a salvação deles. Quando eles verão quão grande é a miséria da qual Deus os salvou, e quão grande a diferença que ele fez entre o estado deles e o estado de outros, que por natureza (e talvez por algum tempo pela prática) não são mais pecaminosos e mal-merecedor do que qualquer outro, isso lhes dará uma sensação maior da maravilha da graça de Deus para eles. Toda vez que eles olham para os condenados, eles excitarão um sentido vivo e admirador da graça de Deus, ao fazê-los diferir. Isso o apóstolo nos informa que é um fim da condenação dos homens ímpios; ROM. 9: 22-23: “E se Deus disposto a mostrar sua ira e tornar conhecido seu poder, suportou com muito sofrimento os vasos de ira adaptados à destruição: e para que ele pudesse dar a conheceras riquezas de sua glória nos vasos de misericórdia que ele havia preparado para a glória? A visão da miséria dos condenados dobrará o ardor do amor e da gratidão dos santos no céu.

Quarto, a visão dos tormentos do inferno exaltará para sempre a felicidade dos santos. Isso não apenas os tornará mais sensíveis à grandeza e liberdade da graça de Deus em sua felicidade, como também aumentará a felicidade deles, assim como os tornará mais sensíveis a sua própria felicidade. Isso lhes dará um sabor mais animado: fará com que eles valorizem mais. Quando eles vêem outros, que eram da mesma natureza e nasceram sob as mesmas circunstâncias, mergulharam em tanta miséria, e eles se distinguiram, ó isso os fará sentir como estão felizes. Um sentimento de miséria oposta, em todos os casos, aumenta muito o prazer de qualquer alegria ou prazer.

A visão do maravilhoso poder, da grande e terrível majestade, e da terrível justiça e santidade de Deus, manifestada no castigo eterno de homens ímpios, fará com que eles valorizem seu favor e amem muito mais. E eles ficarão muito mais felizes com a diversão.

INSCRIÇÃO

I. Pelo que foi dito, podemos aprender a loucura e a loucura da maior parte da humanidade, pois, em prol da gratificação momentânea atual, correm o risco de suportar todos esses tormentos eternos. Eles preferem um pequeno prazer, ou um pouco de riqueza, ou um pouco de honra e grandeza terrenas, que podem durar apenas um momento, a uma fuga desse castigo. Se é verdade que os tormentos do inferno são eternos, o que beneficiará um homem se ele ganhar o mundo inteiro e perder sua própria alma, ou o que um homem dará em troca de sua alma? O que há neste mundo, que não é nem um pouco mais leve que a vaidade, em comparação com essas coisas eternas?

Quão loucos são os homens, que tantas vezes ouvem essas coisas e fingem acreditar nelas; quem pode viver apenas um pouco (alguns anos); que nem esperam viver aqui por mais tempo do que os de outras espécies normalmente; e que ainda não se importam com o que acontece com eles em outro mundo, onde não há mudança nem fim! Quão loucos estão, quando ouvem que, se pecarem, serão eternamente infelizes – que não sejam movidos por isso, mas ouvirão com tanto descuido e frieza como se não estivessem preocupados com o assunto – quando eles não sabem, mas que pode ser o caso deles, que podem estar sofrendo esses tormentos antes que uma semana chegue ao fim!

Como os homens podem ser tão descuidados com uma questão como sua própria destruição e tormento eternos e desesperados! Que estranho estupor e insensatez possui o coração dos homens! Quão comum é ver homens, que são informados de sábado a sábado sobre a eterna miséria, e que são tão mortais quanto os outros homens, tão descuidados com isso que parecem não se deixar intimidar por isso, seja qual for sua alma que deseja depois de! Não é nem metade do cuidado deles escapar da miséria eterna, como é conseguir dinheiro e terra, e ser considerável no mundo, e gratificar seus sentidos. Seus pensamentos são muito mais exercitados sobre essas coisas, e muito mais de seus cuidados e preocupações são sobre eles. A miséria eterna, apesar de estarem todos os dias expostos a ela, é uma coisa negligenciada, é apenas de vez em quando pensada, e então com muita estupidez, e não com preocupação suficiente para instigá-los a fazer algo considerável a fim de escapar dela. Eles não sentem que vale a pena fazer um esforço considerável para isso. E se eles se esforçam por um tempo, logo param, e outra coisa ocupa seus pensamentos e preocupações.

Assim você vê isso entre jovens e idosos. Multidões de jovens levam uma vida descuidada, pouco se preocupando com a salvação. Então você pode vê-lo entre pessoas de meia idade, e com muitos avanços nos anos, e quando eles certamente se aproximam da sepultura. – No entanto, essas mesmas pessoas parecem reconhecer que a maior parte dos homens vai para o inferno e sofre eterna miséria, e isso por descuido. No entanto, eles farão o mesmo. Quão estranho é que os homens possam se divertir e descansar, quando estão assim pendurados em chamas eternas: ao mesmo tempo, sem ter um trato em suas vidas e sem saber quanto tempo o fio pelo qual estão pendurados se romperá. Tampouco pretendem saber. E se quebrar, eles se foram: estão perdidos para sempre, e não há remédio! No entanto, eles não se preocupam muito com isso, nem darão ouvidos aos que choram e pedirão que cuidem de si mesmos e trabalhem para sair dessa condição perigosa. 

Eles não estão dispostos a fazer tanto esforço. Eles escolhem não se deixar desviar de se divertir com brinquedos e vaidades. Assim, bem poderia o sábio dizer: Ecc. 9: 3: “O coração dos filhos dos homens está cheio de maldade. A loucura está no coração deles enquanto eles vivem; e depois eles vão para os mortos. ” – Quão mais sábios são esses poucos, que têm como principal objetivo estabelecer uma base para a eternidade, garantir sua salvação! “O coração dos filhos dos homens está cheio de maldade. A loucura está no coração deles enquanto eles vivem; e depois eles vão para os mortos. ” – Quão mais sábios são esses poucos, que têm como principal objetivo estabelecer uma base para a eternidade, garantir sua salvação! “O coração dos filhos dos homens está cheio de maldade. A loucura está no coração deles enquanto eles vivem; e depois eles vão para os mortos. ” – Quão mais sábios são esses poucos, que têm como principal objetivo estabelecer uma base para a eternidade, garantir sua salvação!

II. Eu melhorarei esse assunto usando a exortação aos pecadores, para ter o cuidado de escapar desses tormentos eternos. Se eles forem eternos, alguém poderia pensar que isso seria suficiente para despertar sua preocupação e excitar sua diligência. Se o castigo é eterno, é infinito, como dissemos antes. E, portanto, nenhum outro mal, nem morte, nem tormento temporário de que você já ouviu falar ou que possa imaginar, é algo em comparação com ele, mas é muito menos e menos considerável, não apenas como um grão de areia é menor que todo o universo, mas como é menor que o espaço ilimitado que abrange o universo. – Portanto aqui,

Primeiro, peça a considerar com atenção o quão grande e terrível é a eternidade. Embora você não possa compreendê-lo mais considerando, ainda assim você pode se sentir mais sensato de que isso não deve ser desconsiderado. – Mas pense no que é sofrer um tormento extremo para todo o sempre: sofrer dia e noite de um ano para outro, de uma época para outra, e de mil eras para outra (e assim acrescentar idade à idade, e milhares para milhares), com dor, lamentando e lamentando, gemendo e gritando e rangendo os dentes – com suas almas cheias de tristeza e espanto terríveis, [e] com seus corpos e todos os membros cheios de torturas torturantes; sem possibilidade de obter facilidade; sem qualquer possibilidade de levar Deus a ter pena dos seus gritos; sem qualquer possibilidade de se esconder dele; sem possibilidade de desviar seus pensamentos da sua dor; sem qualquer possibilidade de obter qualquer forma de mitigação, ajuda ou mudança para melhor.

Segundo, mas pense em quão terrível será o desespero em tal tormento. Quão triste será, quando você estiver sob esses tormentos torturantes, saber com certeza que nunca, nunca será libertado deles. Para não ter esperança: quando você desejar que seja transformado em nada, mas não terá esperança; quando você desejar ser transformado em sapo ou serpente, mas não terá esperança; quando você se alegraria se pudesse, mas tivesse algum alívio; depois de teres suportado estes tormentos milhões de eras, mas não terás esperança disso. Depois que você tiver desgastado a idade do sol, da lua e das estrelas, em seus dolorosos gemidos e lamentações, sem descanso dia e noite, ou com um minuto de descanso, você não terá esperança de jamais ser libertado. 

Depois de ter usado mil outras idades, você não terá mais esperança, mas saberá que você não está nem um pouco mais perto do fim de seus tormentos. Mas que ainda existem os mesmos gemidos, os mesmos gritos, os mesmos gritos tristes que devem ser feitos incessantemente por você, e que a fumaça do seu tormento ainda subirá para todo o sempre. Suas almas, que devem ter sido agitadas com a ira de Deus durante todo esse tempo, ainda existirão para suportar mais ira. Seus corpos, que devem estar queimando durante todo o tempo nessas chamas brilhantes, não serão consumidos, mas permanecerão assados ​​por toda a eternidade, que não terão sido encurtados pelo que foi passado. e que a fumaça do seu tormento ainda suba para todo o sempre. 

Suas almas, que devem ter sido agitadas com a ira de Deus durante todo esse tempo, ainda existirão para suportar mais ira. Seus corpos, que devem estar queimando durante todo o tempo nessas chamas brilhantes, não serão consumidos, mas permanecerão assados ​​por toda a eternidade, que não terão sido encurtados pelo que foi passado. e que a fumaça do seu tormento ainda suba para todo o sempre. Suas almas, que devem ter sido agitadas com a ira de Deus durante todo esse tempo, ainda existirão para suportar mais ira. Seus corpos, que devem estar queimando durante todo o tempo nessas chamas brilhantes, não serão consumidos, mas permanecerão assados ​​por toda a eternidade, que não terão sido encurtados pelo que foi passado.

Você pode considerar tornar-se mais sensato do que normalmente é. Mas é um pouco que você pode conceber o que é não ter esperança em tais tormentos. Quão afundante seria para você suportar a dor que você sentiu neste mundo, sem nenhuma esperança, e saber que você nunca deveria ser libertado dela, nem descansar um minuto! Agora você mal pode conceber como isso seria triste. Quanto mais suportar o vasto peso da ira de Deus sem esperança! Quanto mais os condenados no inferno pensarem na eternidade de seus tormentos, mais surpreendente será para eles. E, infelizmente, eles não serão capazes de mantê-lo fora de suas mentes! Suas torturas não os desviarão dela, mas concentrarão sua atenção nela. Oh, quão terrível a eternidade lhes parecerá depois de terem pensado nisso por eras juntos, e terão tanto tempo de experiência de seus tormentos! Os condenados no inferno terão dois infinitos perpetuamente para surpreendê-los e engoli-los: um é um Deus infinito, cuja ira eles sofrerão e em quem contemplarão seu inimigo perfeito e irreconciliável. O outro é a duração infinita de seu tormento.

Se fosse possível aos condenados no inferno ter um conhecimento abrangente da eternidade, sua tristeza e tristeza seriam infinitas em grau. A visão abrangente de tanta tristeza, que eles devem suportar, causaria um sofrimento infinito para o presente. Embora eles não tenham um conhecimento abrangente disso, sem dúvida terão uma apreensão muito mais viva e forte do que podemos ter neste mundo. Seus tormentos lhes darão uma impressão disso. – Um homem em seu estado atual, sem qualquer ampliação de sua capacidade, teria uma impressão muito mais animada da eternidade do que ele, se estivesse apenas com uma dor bastante aguda em algum membro do corpo e estivesse ao mesmo tempo. assegurou que ele deveria suportar essa dor para sempre. Sua dor daria a ele uma sensação maior de eternidade do que outros homens.

Além disso, sua capacidade provavelmente será ampliada, seus entendimentos serão mais rápidos e mais fortes em um estado futuro, e Deus pode dar a eles um senso tão grande e uma impressão de eternidade tão forte quanto ele quiser, para aumentar sua dor e tormento. – Ó rogais, vocês que estão em um estado sem Cristo e estão indo para o inferno, que são diariamente expostos à condenação, a considerar essas coisas. Se não o fizer, certamente demorará um pouco antes de experimentá-los, e então saberá como é terrível se desesperar no inferno. E pode ser antes deste ano, ou deste mês, ou desta semana, terminar: antes de outro sábado, ou você terá a oportunidade de ouvir outro sermão.Terceiro, para que você efetivamente escape desses tormentos terríveis e terríveis. Seja suplicado a fugir e abraçar aquele que veio ao mundo pelo fim de salvar os pecadores desses tormentos, que pagou toda a dívida devido à lei divina e se esgotou eternamente nos sofrimentos temporais. 

Que grande encorajamento é para aqueles de vocês que são sensíveis a serem expostos ao castigo eterno, que existe um Salvador, que é capaz e que se oferece livremente para salvá-lo desse castigo, e de uma maneira perfeitamente consistente com a glória de Deus: sim, que é mais para a glória de Deus do que seria se você sofresse o castigo eterno do inferno. Pois, se você sofrer esse castigo, nunca pagará a totalidade da dívida. Aqueles que são enviados para o inferno nunca terão pago a totalidade da dívida que devem a Deus, nem mesmo uma parte que tenha qualquer proporção com o todo. Eles nunca terão pago uma parte que tenha uma proporção tão grande do todo, como um ácaro a dez mil talentos. A justiça, portanto, nunca pode ser realmente satisfeita em sua condenação. Mas é realmente satisfeito em Cristo. Portanto, ele é aceito pelo Pai, e, portanto, todos os que crêem são aceitos e justificados nele. Portanto, creia nele, venha a ele, comprometa suas almas para que ele seja salvo por ele. Nele você estará a salvo dos tormentos eternos do inferno. Nem isso é tudo: mas através dele você herdará bênção e glória inconcebíveis, que terão duração igual aos tormentos do inferno. Pois, como no último dia os ímpios partirão para Eles nunca terão pago uma parte que tenha uma proporção tão grande do todo, como um ácaro a dez mil talentos. 

A justiça, portanto, nunca pode ser realmente satisfeita em sua condenação. Mas é realmente satisfeito em Cristo. Portanto, ele é aceito pelo Pai, e, portanto, todos os que crêem são aceitos e justificados nele. Portanto, creia nele, venha a ele, comprometa suas almas para que ele seja salvo por ele. Nele você estará a salvo dos tormentos eternos do inferno. Nem isso é tudo: mas através dele você herdará bênção e glória inconcebíveis, que terão duração igual aos tormentos do inferno. Pois, como no último dia os ímpios partirão para Eles nunca terão pago uma parte que tenha uma proporção tão grande do todo, como um ácaro a dez mil talentos. A justiça, portanto, nunca pode ser realmente satisfeita em sua condenação. Mas é realmente satisfeito em Cristo. 

Portanto, ele é aceito pelo Pai, e, portanto, todos os que crêem são aceitos e justificados nele. Portanto, creia nele, venha a ele, comprometa suas almas para que ele seja salvo por ele. Nele você estará a salvo dos tormentos eternos do inferno. Nem isso é tudo: mas através dele você herdará bênção e glória inconcebíveis, que terão duração igual aos tormentos do inferno. Pois, como no último dia os ímpios partirão para Portanto, ele é aceito pelo Pai, e, portanto, todos os que crêem são aceitos e justificados nele. 

Portanto, creia nele, venha a ele, comprometa suas almas para que ele seja salvo por ele. Nele você estará a salvo dos tormentos eternos do inferno. Nem isso é tudo: mas através dele você herdará bênção e glória inconcebíveis, que terão duração igual aos tormentos do inferno. Pois, como no último dia os ímpios partirão para Portanto, ele é aceito pelo Pai, e, portanto, todos os que creem são aceitos e justificados nele. Portanto, creia nele, venha a ele, comprometa suas almas para que ele seja salvo por ele. Nele você estará a salvo dos tormentos eternos do inferno. Nem isso é tudo: mas através dele você herdará bênção e glória inconcebíveis, que terão duração igual aos tormentos do inferno. Pois, como no último dia os ímpios partirão para punição eterna , assim os justos, ou aqueles que confiam em Cristo, entrarão na vida eterna.


Sermão pregado por Jonathan Edwards em abril de 1739, The Eternity of Hell’s Torments”. Citações escriturísticas a partir da Almeida Corrigida Fiel © 2020, Traduzido por Elnatan Rodrigues. Para o uso correto deste recurso visite nossa Página de Permissões.

Publicidade:
Jonathan Edwards

Jonathan Edwards

Jonathan Edwards (1703-1758) foi pregador congregacional, teólogo calvinista e missionário aos índios americanos, e é considerado um dos maiores filósofos norte-americanos.

Publicidade:
  • Como Funciona
  • Aplicativo
        • Classificação

        • Teologia Sistemática

        • Encontre

        • Lista de Assuntos

        • Arquivos

        • Busque

          Digite uma palavra-chave…

  • Loja
  • Assine

Busque Assuntos:

Nossa plataforma faz uso de cookies para melhorarmos sua experiência no consumo de todos os nossos recursos teológicos.