Ministério Reformai
Publicidade:
Home | A Excelência da Santidade de Deus (2/2)

A Excelência da Santidade de Deus (2/2)


Este Artigo, “A Excelência da Santidade de Deus”, por Jeremiah Burroughs, foi divido em duas partes. Este texto trata-se da segunda parte do Artigo. Leia a primeira parte do Artigo clicando aqui.


“Ó Senhor, quem é como tu entre os deuses? Quem é como tu glorificado em santidade, admirável em louvores, realizando maravilhas?” 

Êxodo 15:11

Chegamos agora na segunda parte do cântico, “glorificado em santidade”. A palavra traduzida aqui como “glorificado” também significa “magnífico” ou “nobre”, e por isso é usada em muitos lugares como “Tu és magnífico e nobre em Tua santidade”. Irmãos, a maior magnificência, a maior nobreza e altura do espírito está em ser santo. O próprio Deus é um Deus magnífico e Ele é enobrecido pela Sua santidade. Isso define a excelência da santidade.

“Glorificado em santidade” é proferido por alguns como “glorioso nas coisas sagradas“, isto é, glorioso em Seus santos anjos, glorioso em Seus santos filhos, glorioso em Sua santa Palavra, glorioso em Suas santas ordenanças, glorioso em Sua santa adoração. Deus, na verdade, é muito glorioso em Seus anjos, em Seus santos, em Sua Palavra, em Sua adoração e em Suas ordenanças, mas nós tomaremos as palavras como você as tem aqui, “glorificado em santidade”.

Para a explicação da glória de Deus neste título, há três coisas a serem feitas: primeiro, mostrar-lhe um pouco o que é a santidade de Deus; em segundo lugar, vou abrir para você como se diz que Deus é glorioso em santidade; e então, em terceiro lugar, eu lhe mostrarei por que Deus tem este título dado a Ele, porque é dito que ele é glorioso em santidade em vez de glorioso em poder, pois foi um ato de poder que Deus colocou na destruição dos egípcios e libertação do seu povo.

Primeiro, o que é santidade de Deus? Entendemos isso, como fazemos na maioria das vezes, por meio da negação: pelo que Ele não é e não pelo que Ele é. Costumávamos dizer que a santidade de Deus é aquela em que a natureza dEle é livre de todos os tipos de mistura, do fragmento e da sujeira do pecado. Portanto, Deus é chamado de luz porque a luz é uma criatura tão pura e tão livre de qualquer mistura de poluição que possa estar entre as coisas sujas sem se contaminar. Assim, Deus pode usar do pecado [para seus propósitos] sem contaminar a Sua própria natureza.

Se pudéssemos descrever o que é a santidade de Deus a partir de uma posição positiva, eu a descreveria assim: é a infinita retidão e perfeição da vontade de Deus, especialmente por meio da qual Ele quer e trabalha todas as coisas adequadas à infinita excelência de Seu próprio ser. A excelência de Deus é a mais elevada e, portanto, a regra de toda excelência, e a vontade de Deus, sendo sempre adequada à sua própria infinita excelência e incapaz de variar no mínimo dela, é a regra de toda a santidade.

Vamos considerá-la um pouco olhando para a santidade da criatura, e com isso veremos algo da santidade de Deus, pois como não podemos ver a glória do sol olhando diretamente para ele (sendo um objeto brilhante demais para nós, para que vejamos a sua glória pelo reflexo dos raios na água), assim a santidade de Deus é brilhante demais para ser contemplada em si mesma. Não podemos manter a infinita pureza e santidade de Deus imediatamente, mas olhando para a criatura que é, por assim dizer, o reflexo da santidade de Deus sobre ela, um raio dela, podemos chegar a ver algo da santidade de Deus.

A santidade de uma criatura é a separação dela das coisas comuns para um uso sagrado, ou a dedicação de uma criatura para a exaltação do Nome de Deus. A santidade dos santos é a separação de seus espíritos de todas as coisas comuns para Deus como o mais alto e último fim. Quando são capazes de trabalhar para Deus como o fim supremo e amar o que fazem para Deus como o fim último, e assim como é adequado a Deus como o fim mais elevado, essa é a santidade de suas vontades.

Assim é a santidade de Deus. A santidade de Deus é uma dedicação, por assim dizer, de Deus para Si mesmo; isto é, Deus, sendo de e de Si mesmo e tendo a Si mesmo como seu último fim, se entrega a Si mesmo e deseja a Si mesmo como o fim supremo e extremo, e assim quer todas as coisas para Si mesmo como o último e mais alto fim. Esta é a santidade de Deus, e a imagem desta santidade é esse selo e obra da graça que está sobre a criatura. Quando a criatura está habilitada a querer a Deus como a extremidade mais elevada e todas as coisas em subordinação a Ele, então a criatura é dita sagrada porque tem um selo de Deus sobre ela. Esta é a santidade de Deus.

A glória da Santidade de Deus

Mas “glorificado em santidade”? Como Deus é “glorificado em santidade”? Deus é glorioso em todos os Seus atributos e obras, e a verdade é que não há uma coisa em Deus mais gloriosa do que outra, todo atributo de Deus é igualmente glorioso. Mas em relação à manifestação, e de acordo com nossa apreensão, uma coisa parece mais gloriosa do que outra e Deus tem o prazer de nos falar de acordo com nossas apreensões. Portanto, você pode ver como os santos especialmente se gloriam em Deus como um Deus santo. Olhando para Ele como um Deus santo, eles se regozijam muito e se gloriam nEle. Portanto, o salmista diz: “Louvem o teu nome, grande e tremendo, pois é santo” (Sl 99:3), e verso 5: “Exaltai ao Senhor nosso Deus, e prostrai-vos diante do escabelo de seus pés, pois é santo”. E mais tarde no versículo 9: “Exaltai ao Senhor nosso Deus e adorai-o no seu monte santo, pois o Senhor nosso Deus é santo”.

Assim, o povo de Deus olha para Deus em Sua santidade como a base especial de seu louvor e exaltação. Sim, os anjos no céu olham para Deus em Sua santidade e, especialmente, o exaltam por causa disso. “E clamavam uns aos outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória” (Is 6:3). Você nunca encontrará nenhum dos atributos de Deus mencionados dessa maneira três vezes juntos. É verdade, porém, que Deus é infinito em poder e sabedoria, bem como em santidade, mas você nunca encontra nas Escrituras que se diz que Deus é ‘sábio, sábio, sábio’ ou ‘todo-poderoso, todo-poderoso, todo-poderoso’, mas ‘santo, santo, santo’ três vezes juntos. E como os anjos do céu adoram a Deus especialmente por sua santidade, assim a igreja de Deus o faz, mostrando a condição abençoada da igreja de Deus quando será daqui em diante mais santificado: “e não descansam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, que era, e que é, e que há de vir” (Ap 4:8). Deus habitará entre eles e então eles adorarão excessivamente a santidade de Deus acima de qualquer outro atributo.

Sim, o próprio Deus parece se gloriar em Sua santidade acima de qualquer outro atributo. Portanto, quando Deus Se levanta em Sua glória e lhe dá a mais alta expressão de Si mesmo, Ele diz isto: que Ele é Santo. “Porque assim diz o Alto e o Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é Santo” (Is 57:15a). Então, quando Deus jurou por si mesmo, Ele jura pela sua santidade (Am 4:2). Agora, como a Escritura diz que quando Deus não podia jurar por nada maior, Ele jurou por si mesmo.

Deus se gloria no próprio céu como a habitação de sua santidade. O céu é a morada da glória de Deus. Ali Deus deixa Sua glória plena, mas o que é essa glória? Ora, o topo de tudo é a santidade de Deus, Is.63: 15. Olhe para baixo do céu e contemple a morada de Tua santidade e Tua glória. Sim, o trono de Deus é a santidade de Deus. “Deus se assenta sobre o trono da sua santidade” (Sl 47:8). Você sabe que os reis em seus tronos são exaltados e elevados, então Deus é elevado no trono de Sua santidade. Salomão fez para si mesmo um trono de marfim e cobriu-o com o melhor ouro (I Re 10:18), mas o trono de Deus é um trono de santidade, um trono de santidade brilhante e resplandecente.

Quando Deus se alegra em Seu povo, Ele faz isso como a um povo santo: “Porque povo santo és ao Senhor teu Deus; o Senhor teu Deus te escolheu, para que lhe fosses o seu povo especial, de todos os povos que há sobre a terra” (Dt 7:6). Além disso, você acha que esse atributo de santidade é mais especialmente atribuído a terceira Pessoa da Trindade. Deus Pai é um Deus Santo, o Filho é o Santo de Deus, mas o Espírito Santo tem o Seu Nome da santidade. É muito observável que todas as três pessoas possuem uma participação igual no trabalho de santidade na criatura, sendo uma parte da glória de Deus que todas as três Pessoas a trabalhem onde quer que esteja.

O Pai é um Santificador. Judas fala da obra de santificação operada por Deus, o Pai, no primeiro verso de sua epístola, para aqueles que são santificados por Deus Pai. O Filho: “Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra” (Ef 5:25,26). Cristo se dá por sua igreja. Para qual finalidade? Não só para que Ele possa trazê-lo para o céu, mas para que Ele possa santificá-la também. E, então, o Espírito de Deus: “E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus” (1 Co 6:11). De modo que todas as três pessoas participem desta obra. Esta é a obra gloriosa do Pai, Filho e Espírito Santo.

Mas, para demonstrar ainda mais, a santidade deve ser a glória de Deus, porque é a mais alta perfeição e retidão de um agente livre inteligente. Um agente livre inteligente é o ser mais elevado de todos, e a santidade é a retidão desse ser e, portanto, deve ser gloriosa. Por isso é que a graça é chamada imagem de Deus porque é aquilo que representa Deus em Sua mais alta excelência. Uma imagem de algo é aquela que estabelece a excelência dela. Se só o fizer de uma forma comum e geral, não é uma imagem. Nas Escrituras, a santidade é chamada de “a beleza de Deus”. “Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e inquirir no seu templo” (Sl 27: 4). Agora, qual é a formosura de Deus senão a beleza da santidade? A santidade de Deus que aparece em Suas ordenanças e Sua adoração é o brilho e a beleza do infinito Deus da glória. No Salmo 110:3 as ordenanças são chamadas a “beleza da santidade”: “O teu povo será mui voluntário no dia do teu poder; na beleza da santidade, desde a madre da alva, tu tens o orvalho da tua mocidade”.

Sim, sementes de santidade, até mesmo a própria imagem disso na criatura é chamada de a glória de Deus. “Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3:23). O início da obra de santidade nos corações dos santos é chamado a glória de Deus, muito mais, portanto, a infinita santidade da própria natureza de Deus. Além disso, é a santidade que coloca um brilho sobre todos os outros atributos de Deus e os torna gloriosos e honrados. “Redenção enviou ao seu povo; ordenou a sua aliança para sempre; santo e tremendo é o seu nome” (Sl 111:9).

Portanto, pegue todas as alturas das excelências que estão em Deus. Se elas são possivelmente separadas da Sua santidade, elas não fazem o seu nome digno de reverência. Isso mostra quão infinitamente nos interessa trabalhar após a santidade. Se todas as excelências de Deus não puderem fazer com que Seu nome seja digno de reverência, sendo separado da santidade, então deixe a criatura ter a excelência que deseja para as partes, para a propriedade, para a dignidade e honra no mundo. Tire a santidade e você não pode dizer que temível é o nome dEle, mas santo e temível é o nome do Senhor. Diz-se de Deus que seu nome é temível porque Ele é Santo.

O nome de Deus é glorioso por causa da santidade, porque é o fim especial de todas as Suas obras para promover a santidade. Quando um artista desenha algo, ele mostra a arte no começo, mas quando chega ao fim, mostra a excelência de sua obra. É assim com Deus. Deus será honrado em todas as Suas obras da criação e providência, mas agora Ele chega ao auge e apogeu de todos, e é para que Ele possa ser honrado como um Deus santo e que Ele possa ter um povo santo para honrá-Lo aqui e para toda a eternidade. Santidade é aquela em que Deus visou criar o céu e a terra. É aquilo em que Deus almeja todos os caminhos da Sua providência. É o grande negócio pelo qual o Filho de Deus veio ao mundo: para que pudesse redimir a si mesmo um povo para servi-lo em santidade. É o fim do grande conselho de Deus desde toda a eternidade: que Ele possa manifestar a beleza de Sua própria santidade naqueles dois grandes atributos, misericórdia e justiça. Estes são os ramos da Sua santidade. Para que Ele possa fazê-los brilhar para toda a eternidade, é isso que Deus deseja. Portanto, a santidade deve ser a glória do nome de Deus.

Deus é Santo em todas as suas obras

Mas qual é a razão pela qual este título é dado a Deus no canto de Moisés, “glorificado em santidade?” A razão é mostrar que a infinita excelência do poder de Deus é tal que não tem mistura do mal ao exercê-lo. Aqui estava um ato de poder tremendo, e Deus era infinitamente Santo neste ato de poder. É diferente com os homens (observe a diferença entre Deus e os homens). É muito difícil para um homem fazer grandes coisas e manifestar grande poder sem uma mistura do mal. Quando observamos pouca quantidade de água corrente, ou a superfície de água corrente, podemos achar ser ela limpa, mas quando as águas sobem e transbordam, elas se mostram lamacentas. Geralmente, uma grande quantidade de imundície entra com grandes correntes. Não manifestamos nossa impureza em obras tão comuns, mas quando nos propomos a fazer grandes coisas. Raramente não manifestamos muita imundície, mas é diferente com Deus. Deus é grande em poder e, nisso, guarda a glória da Sua santidade. E Deus manifestou aqui a grandeza de Sua ira sobre Seus inimigos e a glória de Sua santidade também.

É muito difícil para os homens fazer isso. Deixe os homens terem sua raiva agitada um pouco e quanta sujeira eles revelam! Quantos há que são excessivamente mansos e amorosos enquanto estão satisfeitos, mas que qualquer coisa agite sua paixão e que grande sujeira aparece. Como um lago cheio de lama no fundo e claro no topo, mexa um pouco e não é nada além de sujeira. Um pai ou uma mãe não pode ser desagradado com uma criança ou corrigi-la sem que haja uma abundância de corrupção sobre sua ira, nem um governador com seu servo. Quem pode executar a justiça sobre os outros sem ter muito de si mesmo, interesses pessoais e interesse próprio? Mas aqui está a glória de Deus, que quando Ele manifesta Sua ira, embora seja uma ira terrível, Ele ainda é glorioso em santidade em grande ira.

Ele é infinitamente poderoso em Sua ira e na execução de Seus juízos, e ainda infinito em santidade também. Portanto, diz-se que as taças da ira de Deus são feitas de ouro, que é o metal mais puro. Assim é Deus na execução de seus julgamentos. Oh, trabalhemos para imitar a Deus nisso. Você que tem um espírito apaixonado e é facilmente provocado e revela uma abundância de imundícia, quão diferente de Deus você é. Embora você esteja insatisfeito com aquilo que é pecaminoso e possa corrigir seus filhos e seus servos, assegure-se de guardar aquilo que é a beleza de todos na correção dos outros, e isso é santidade.

Este título é dado a Deus porque, nesta grande obra dele, Ele manifestou a sua fidelidade cumprindo as Suas promessas ao Seu povo. Deus fez muitas promessas ao Seu povo pela sua preservação e libertação, e Deus cumpriu estas promessas. Agora a fidelidade de Deus é um ramo da Sua santidade. Portanto, porque Ele manifestou Sua fidelidade nesta obra, Moisés e as outras pessoas exaltam Seu nome por este grande título, “glorificado em santidade”. É de grande utilidade para nós que a fidelidade de Deus seja um ramo de Sua santidade. Se você comparar duas Escrituras, você achará isso. Isaías 55:3 é aquele em que Deus diz: “porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi”. E esta Escritura é citada em Atos 13:34: “Eu lhe darei as misericórdias de Davi”. É assim que lemos, mas no original é “as coisas santas e fiéis de Davi”. Assim, quando Deus vem para mostrar misericórdia de acordo com a Sua Palavra, Ele manifesta a glória de Sua santidade, e é de uso admirável ao povo de Deus para fortalecer sua fé.

Você ouviu que a glória de Deus é Sua santidade. Agora uma parte desta santidade é a fidelidade dele em cumprir as promessas dele para o povo dele. Portanto, concerne a Deus, como Ele ama a Sua própria glória, ser fiel no cumprimento de Suas promessas, e Deus olha para Sua própria glória [no cumprimento de sua fidelidade]. Seus confortos são queridos para você e sua preservação é querida para você, mas a glória de Deus é mais cara para Ele. Sim, a glória de Deus é mais preciosa para Ele do que sua alma ou seu estado eterno pode ser para você. O topo da glória de Deus é Sua santidade, e Sua santidade consiste nisso, por um lado, em Sua fidelidade às Suas promessas.

A Excelência de Deus

Agora, para a aplicação disso. A partir disso, você pode observar se já entendeu ou não Deus corretamente. Deixe-me colocar esta pergunta para você: o que é essa excelência de Deus? Falamos muito da excelência de Deus e todos dizemos que amamos a Deus, nos deleitamos em Deus e bendizemos a Deus. Mas agora, o que há em Deus que atrai o seu coração para Ele e faz com que a sua alma ame o seu Deus, abençoe o seu Deus e se delicie com o seu Deus? O que? Será que Deus vai mostrar misericórdia a você, perdoar seu pecado, salvar sua alma e levá-lo para o céu? Estas são coisas pelas quais devemos amar e bendizer a Deus, mas deve haver mais. É a própria pessoa de Deus que deve tomar nossos corações, e deve ser a pessoa de Deus em Sua excelência, e o que é isso? Sua Santidade!

O brilho da infinita santidade de Deus já brilhou em seu coração e atraiu o seu coração para Ele? E o seu coração já saltou ao ver o brilho de Sua santidade? É por isso que você o ama? Se assim for, você conhece a Deus corretamente e seu coração foi corretamente atraído para Ele. Davi diz: “A tua palavra é muito pura; portanto, o teu servo a ama” (Sl 119:140). A tua palavra é muito pura, por isso o teu servo a ama. Você pode dizer isso? “Ó Senhor, Tu és Puro, Tu és Santo e, portanto, teu servo te ama. A tua palavra é santa e a tua adoração é santa, e os teus servos são santos, e as tuas ordenanças são sagradas e, portanto, os teus servos amam tudo isso”. Se a beleza da santidade de Deus é aquilo que atrai o teu coração em amor a Deus, proporcionalmente, será a beleza da santidade em todas as coisas sagradas que atrairão seu coração para amar e se deleitar nelas. Então você olhará para Seus santos como gloriosos em santidade, sobre Sua adoração e Palavra e ordenanças tão gloriosas em santidade, e assim seu coração será atraído para eles. No Salmo 33:21, você vê como os santos de Deus se regozijaram no Senhor e tiveram seus corações atraídos para Ele por causa de Sua santidade, … “Pois nele se alegra o nosso coração; porquanto temos confiado no seu santo nome”. Confiar no Santo Nome de Deus é aquilo que faz com que nossos corações se regozijem nEle.

Em segundo lugar, a partir disso, o povo de Deus deve confortar-se grandemente em Deus, pois eles têm que lidar com Ele como um Deus santo. Embora eles encontrem muita falta de santidade no espírito dos homens com quem conversam, não há nada em Deus a não ser a santidade, sim, a própria beleza e glória da santidade. Irmãos, é uma coisa deliciosa, sim, uma coisa rara e abençoada, encontrar um amigo que tem um coração limpo e puro, que não tem mistura nele, que é santo em seus fins e em seus objetivos, que tem um espírito livre da astúcia. Que regozijo há quando um amigo que tem um coração puro e limpo, livre de astúcia, pode encontrar-se com outro como ele e pode se unir em todos os pontos! Mas que prazer é, então, encontrar um Deus que é infinito em pureza e santidade, em quem não há mistura alguma! Deus se deleita em nós porque temos apenas algumas gotas da Sua santidade. Oh, como devemos nos alegrar Nele, então, quem é infinito em santidade?

Quando lidamos com homens, nem sempre achamos que eles sejam o que esperávamos. Muitas vezes nos encontramos com homens de excelentes partes e dons, mas quando nos tornamos íntimos deles, não encontramos seus caminhos e espíritos adequados à eminência e excelência dessas partes e dons. Este é um grave vexame para os santos, quando eles olham para os homens que são eminentes e excelentes e esperam encontrar uma proporção de espírito adequado para eles, mas em vez disso eles encontram uma abundância de sujeira em seus espíritos. Embora isso possa incomodá-lo, abençoe o seu Deus nisto, quando você tiver que lidar com Deus, você não encontrará nada além de santidade nEle. Você O encontrará trabalhando de acordo com Sua excelência, pois eu lhe disse que era a natureza da santidade de Deus. É a perfeição da Sua vontade, pela qual Ele opera todas as coisas adequadas à Sua eminência e excelência. O homem tem uma excelência nele, mas nem sempre a graça em seu coração o faz adequadamente. Mas Deus sempre trabalha adequado à Sua eminência e excelência. Agora, quando nossos corações são ressuscitados com a visão da excelência de Deus e pensamos que sempre encontraremos Deus trabalhando de acordo com sua santidade, que conforto isso é para uma alma graciosa contra todo o mal que encontra nos espíritos dos homens.

Para maior conforto dos santos, se Deus é glorioso em santidade, assim também os santos são gloriosos em santidade. Lembre-se do primeiro ponto: como não há ninguém como Deus, também não há ninguém como o Seu povo [tratado na primeira parte do artigo]; como o deus de um homem é, ele também é. Aquilo que pode fazer um Deus infinito e glorioso deve tornar um pobre verme uma criatura gloriosa. É verdade que aquilo que fará um pobre homem glorioso não fará um rei glorioso, mas aquilo que fará um rei glorioso deve fazer um mendigo glorioso. Agora a santidade coloca um brilho e uma glória sobre a própria natureza divina, sobre o Deus infinito, de modo que, se você a possui, deve colocar uma glória sobre você.

Portanto, é observável que a comunicação da santidade de Deus para nós é expressa de uma maneira diferente do que Ele nos comunica qualquer outro atributo. Quando Deus comunica seu conhecimento a nós, não se diz que compartilhamos da natureza divina com isso, com Seu poder e coisas semelhantes. Mas quando Ele comunica Sua santidade para nós, dizemos que somos feitos participantes da natureza divina. A santidade dos santos é o mesmo que a santidade de Deus, por assim dizer, um feixe da natureza divina. Então a Escritura diz em Hebreus 12:10: “Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade”. Anote: “Sua santidade”. Isso coloca uma maravilhosa glória e excelência em nós, pois nos capacita a trabalhar e viver como Ele, por sua santidade. Como eu disse antes, Ele trabalha para si mesmo como seu fim final, adequado à sua própria excelência.

Então os santos vêm trabalhar para Deus de acordo com sua medida como seu fim final, adequado à infinita excelência do próprio Deus. Eles vivem como Deus vive e trabalham como Deus trabalha, e assim estão preparados para ter comunhão com Deus. A vida de uma planta torna imprópria a comunhão com animais, a vida de animais não tem comunhão com homens, nem homens com a vida de Deus. Agora a santidade é a maior vida de todos os seres, sendo a vida de Deus. Portanto, torna-se apto para a comunhão com Deus, pois na comunhão deve haver a mesma vida.

Comunhão com Deus é ser santo como Deus

Portanto, nenhuma criatura pode ter comunhão com Deus que não vive a mesma vida que Deus, mas se você participar da santidade, você vive a vida que Deus faz e, portanto, está apto a ter comunhão com o próprio Deus.
Além disso, coloca não apenas uma glória sobre sua pessoa, mas sobre tudo o que você tem e faz. Isso santifica tudo. Como o ouro foi santificado pelo altar, as ações e os caminhos muito naturais da providência comum de Deus são santificados para o povo de Deus. Há um brilho sobre todo o bem que eles desfrutam em virtude daquela santidade que Deus coloca neles. Assim como a santidade de Deus põe um brilho sobre todos os Seus atributos, a santidade nos santos coloca um brilho em suas partes, nomes, propriedades e conversas com os outros. Há uma beleza sobre todos pela santidade. Se um homem de excelentes partes não tem santidade, não há brilho e beleza nele; mas pegue um homem que tenha partes capazes e santidade também, o brilho então aparece nele!

Santidade é o princípio da vida eterna, o começo da vida eterna no coração, e aquilo que certamente crescerá para a vida eterna. A santidade é o objeto apropriado do deleite de Deus. Deus não se deleita em outras coisas no homem senão na sua santidade.

Santidade é aquilo que separa a criatura de Deus e a vida eterna. Há uma separação dupla de uma criatura para Deus. Você tem a expressão no Salmo 4:3: “Sabei, pois, que o Senhor separou para si aquele que é piedoso; o Senhor ouvirá quando eu clamar a ele”. Ele é separado passivamente, e então ele tem um princípio ativo para se separar para Deus. Deus, em Sua eleição eterna, separa aqueles que Ele pretende salvar para Si mesmo. “Aqui estão aqueles”, diz Deus, “que separei da massa comum da humanidade para magnificar as riquezas da Minha graça e viver comigo por toda a eternidade”.

Se Deus olhasse do céu para um homem ou mulher na congregação e dissesse: “Seja do conhecimento de todos que eu, desde a eternidade, separei um homem e uma mulher para glorificá-los comigo para sempre”, todos olhariam para tal homem ou mulher como criaturas gloriosas. Mas agora saiba que, se Deus carimbou a imagem de Sua santidade sobre você, você tem tanta honra de Deus como se Ele tivesse falado assim de você e, em alguns aspectos, mais. Pois se Deus declarasse que desde toda a eternidade você foi separado da criatura para Deus, isso seria glorioso; mas quando Deus colocou em você um princípio de Seu próprio Espírito para capacitá-lo a se separar e consagrar a si mesmo e tudo o que você tem a Deus, isso é mais. No outro você é passivo, mas nisso você é ativo.

Há mais mal na impiedade do que na reprovação. Os homens têm medo da reprovação, que Deus os separe da eternidade para magnificar a glória da Sua justiça sobre eles, e isso é realmente terrível. Mas enquanto você percebe isso como terrível, você está ativo naquilo que é mais terrível. Pela imundícia e maldade de seu coração e vida, você se separa ativamente para a eterna ira e miséria. O outro é passivo e você só é separado, mas na maldade do seu coração você é ativo e se separa. Santidade é a dedicação da criatura a Deus, a separação dela de todas as outras coisas a Deus por um princípio ativo. Por outro lado, o pecado é a separação da criatura por um princípio ativo de Deus para toda a miséria.

Como a santidade faz com que o nome de Deus seja reverenciado, assim a santidade nos santos coloca um respeito reverente sobre eles nas próprias consciências dos homens iníquos. Tome o mais vil dos homens maus. Embora eles gritem contra você, se você andar de maneira estrita, sua caminhada próxima com Deus ganhará respeito e reverência de seus corações, apesar de seus corações serem maus. A razão pela qual o povo de Deus não ganha respeito e estima é porque eles não andam estritamente. Muitos homens se enganam. Eles acham que o rigor é desprezado e condenado e, portanto, eles começam a diminuir e diminuir em sua caminhada exata. Mas isso os torna não-estimados, e é justamente com Deus que deveria ser assim.

Onde há santidade de Deus, há sua glória

A redução da santidade ajuda você a ganhar mais respeito? Não, ande mais de perto com Deus e você terá respeito da consciência dos homens. Faça o que puder, você irá irritar sua luxúria, mas você convencerá suas consciências. Em seu humor mais sério, dirão: “Oh, que minha alma estivesse na alma desse homem!” Com que frequência eles dizem isso em seus leitos de morte! Santidade coloca uma excelência e glória em coisas baixas e médias. Na Lei, a glória colocava num pedaço de madeira, ou couro, ou latão, quando era consagrado a um uso sagrado. Essa foi a ordenança de Deus. Deus colocou isto, não o homem. Para um homem pensar que é no poder de sua vontade fazer de Deus uma criatura, ou que outros em referência a Deus deveriam estimar uma criatura mais do que o que Deus colocou nela é um grande erro. Que eu deveria colocar uma excelência divina naquilo que só tem uma excelência natural, seria grande ousadia de minha parte, mas se a ordenança de Deus é assim, então há uma glória colocada sobre ela, como no templo. Por ser dedicado a Deus por instituição divina, a própria madeira, latão e tudo tinham uma excelência sobre ele. Se a santidade cerimonial coloca tal excelência em um pedaço de couro, então o que a imagem de Deus coloca sobre a alma imortal!

Um outro uso é este: se Deus é glorioso em santidade, então certamente Deus manterá a santidade no mundo. Esta é uma razão, entre outras, porque este título é dado a Deus, porque Ele trabalhou para a Sua igreja. Deus honrará as suas próprias ordenanças e adoração e manterá santos os que são os Seus santos. “Guarda-me, ó Senhor”, disse Davi, “porque eu sou santo, e não darás o teu santo para ver a corrupção”. Se você é o santo de Deus, Ele não o deixará ao poder da corrupção. Ele defenderá você e manterá você. Portanto, diz o salmista no Salmo 68:35: “Ó Deus, tu és tremendo desde os teus santuários; o Deus de Israel é o que dá força e poder ao seu povo. Bendito seja Deus!”.

Existiria algo injurioso para o povo de Deus quando ele estiver no caminho de Sua santa adoração? Deus será terrível de seus lugares santos para tal. Estas expressões são contra os inimigos de Deus, porque é a santidade de Deus e o povo da santidade de Deus que eles se colocam contra. Que todos os homens prestem atenção ao que fazem ao se opor aos santos e aos caminhos da santa adoração de Deus, pois Deus manterá a santidade. Portanto, diz respeito a todos nós para honrar a santidade e para estabelecer a glória da santidade de Deus, tanto quanto pudermos no mundo. Vamos todos trabalhar para sermos santos como nosso Pai celestial é santo. Façamos do Salmo 90:17 a nossa oração, que a beleza do Senhor nosso Deus esteja sobre nós. Oh, cresça mais em santidade, que é a beleza de Deus. Converse muito com Deus para que você seja santo. Quando Moisés estava quarenta dias na montanha conversando com Deus, ele desceu com o rosto resplandecente, e certamente aquelas pessoas que conversam muito com Deus terão seus rostos brilhando com santidade. Há muito a ser tido conversando com Deus que é um Deus santo.

Nossa santidade testemunha a santidade de Deus

Mostre a beleza da santidade em sua conduta de forma que os outros possam dizer que se um raio de santidade é tão agradável em uma pessoa, então quão glorioso em santidade é o próprio Deus! Lembro-me do que um pagão disse sobre o Deus dos cristãos quando viu sua coragem. Ele disse que o Deus dos cristãos é um grande Deus. Vamos andar tão santamente diante dos outros que eles possam ler a santidade em nossa conduta e ser forçados a dizer que o Deus deste povo é um Deus santo. Especialmente olhe para o seu coração, para limpá-lo quando você se aproximar deste Deus santo nesta santa adoração. Então trabalhe para santificar o Seu Nome. Olhe para os seus pés. Não entre na sua imundície na presença de um Deus tão santo.

É uma expressão notável de Josué em Josué 24:19, quando as pessoas dizem: “Serviremos ao Senhor, pois Ele é o nosso Deus”. Josué disse: “Não podereis servir ao Senhor, porquanto é Deus santo, é Deus zeloso”. É como se ele dissesse: “É uma outra maneira de servir ao Senhor, não é como vocês pensam, pois vocês têm que lidar com um Deus Santo. Adoração externa não servirá a Ele”.

É a prova de que as pessoas não conhecem a Deus quando podem deixar seu serviço a Deus de maneira tão fácil. A visão de Deus colocaria você em outro quadro. Se você conhecesse a Deus em Sua santidade, você consideraria o serviço a Deus como o maior de todos os serviços. Você serviria um Deus santo. Como I Samuel 6:20 diz: “Quem pode estar diante deste Deus santo?” Se você soubesse que Deus é um Deus santo, seu coração seria tomado pelo temor e admiração, e você diria: “Quem pode estar diante deste Deus santo?”. Salmos 89:7 diz: “Deus é muito formidável na assembleia dos santos, e para ser reverenciado por todos os que o cercam”. Deus deve ser mantido em reverência por todos os homens, mas se você se aproximar dEle, então você deve trabalhar para santificar seu coração. Como você pode vir diante do brilho e da beleza da santidade de Deus com imundícia impureza em seu coração? Jó 13:11 é um texto notável, Sua excelência não te deixará com medo? Você já ouviu falar que a santidade de Deus é Sua excelência, então eu digo a você que tem que lidar com Ele, Sua excelência não fará com que você tenha medo? Você está consciente de sua impureza, e você entra na presença de um Deus santo e não teme e treme diante dEle? Oh, que coração ousado você tem que pode entrar na presença de um Deus Santo com um coração tão impuro e não tremer diante disso! Seria de admirável utilidade em todos os nossos tratos com Deus ter claras apreensões de Sua santidade.

A adoração a Deus deve ser pura

Trabalhai para magnificar a Deus desta maneira. Como Deus é glorioso em santidade, coloque-O em Sua glória, mantendo Sua adoração pura. É uma coisa especial que Deus olha, que nos preocupamos com o que fazemos ao profanar Sua adoração. As ordenanças de Deus são a beleza da Sua santidade. Portanto, devemos trabalhar para nos tornar puros e limpos para elas. É aquilo que Deus ordena a Sua igreja, para manter santos os vasos do Seu santuário, e essas são as ordenanças. Em Êxodo 20:24-25 diz: “Deus lhes dá a tarefa de fazer dele um altar, mas Deus diz: Se me fizeres um altar de pedra, não o edificarás de pedra lavrada, porque se levantares a ferramenta sobre ele você poluiu isto”.

“O que, dirão eles, teremos um altar de pedra grosseira? Não devemos polir e torná-lo fino e suntuoso? Isso não tornará mais atraente de se olhar?” “Não”, diz Deus, “se você erguer uma ferramenta sobre ela, polui”. Estamos aptos a pensar que tais e tais misturas de homens e tais e tais cerimônias tornariam a adoração de Deus gloriosa, mas isso é um grande erro.

É uma coisa normal para as prostitutas pintarem seus rostos. Eles não se contentarão com sua beleza natural, mas serão mais pomposas em seus trajes do que as matronas castas. É assim com a prostituta da Babilônia. Quão gloriosos eles estão em toda a sua adoração? Que coisas estranhas eles têm para levar os sentidos para fora, não tendo a pureza da adoração de Deus? Certamente essas coisas contaminam a adoração de Deus. Compare dois textos para isso. Isaías 44:9: “Todos os artífices de imagens de escultura são vaidade, e as suas coisas mais desejáveis são de nenhum préstimo; e suas próprias testemunhas, nada vêem nem entendem para que sejam envergonhados”. Ezequiel 7:20 diz: “E a glória do seu ornamento ele a pôs em magnificência, mas eles fizeram nela imagens das suas abominações e coisas detestáveis; por isso eu lha tenho feito coisa imunda”. Mas quando Deus fala de suas próprias ordenanças, Ele diz que Ele estabeleceu a beleza de Seu ornamento em majestade.

Oh, a adoração de Deus na simplicidade e formosura do evangelho! É o ornamento de Deus, a beleza do seu ornamento e a beleza do seu ornamento em majestade! Quais frases estão aqui? Esta é a adoração de Deus, mas se o homem misturar alguma coisa sua na adoração de Deus, é detestável para Deus. Portanto, se honrarmos e magnificarmos a Deus em Sua santidade, mantenhamos Sua adoração pura, pois a santidade se torna a adoração de Deus para sempre.

A santidade de Deus deve lhe humilhar

A consideração disto deve nos humilhar e nos envergonhar pelo restante da falta de santidade que está em nossos corações. A visão da santidade de Deus fez Isaías clamar, em Isaías 6:5: “Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos”. Certamente não há nada no mundo que tenha o poder de humilhar o coração tanto quanto a santidade de Deus. Seu coração é corretamente humilhado pelo pecado quando você o vê como aquilo que é oposto à natureza pura de Deus. Eu não sou apenas incomodado pelo meu pecado, porque temo que traga o inferno junto com ele, mas porque eu tive uma visão da infinita santidade de Deus e da pureza de Sua natureza. Eu tenho uma natureza tão imunda e oposta à sua infinita santidade. Por este meio examine seus corações se sua humilhação está certa ou não. É um bom argumento quando a infinita santidade de Deus fez você ver sua impureza e, sobre isso, humilhou você.

Por fim, o que precisamos todos nós é termos o Senhor Jesus Cristo. Se Deus é glorioso em santidade, todos nós deveríamos dizer: “Quem pode estar diante de um Deus tão Santo?”. Não fosse pela santidade do bendito Mediador que fica entre o Pai e nós, e apresenta Sua infinita satisfação ao Pai por nossos pecados, e veste-nos com a Sua justiça, ai, ai de nós! Se você pudesse imaginar que todas as excelências do céu e da terra foram colocadas em uma criatura, exceto a santidade, se aquela criatura tivesse apenas a menor gota de impureza nela, Deus odiaria eternamente aquela criatura. Se não houvesse um Mediador entre aquela criatura e Deus, Deus deixaria eternamente Sua ira sobre ela, pois Deus é tão glorioso em santidade que Ele infinitamente odeia a imundície. Nós nos perguntamos quando ouvimos sobre a grande miséria ameaçada a homens perversos, mas não nos admiraríamos se conhecêssemos a santidade de Deus.

Deus odeia infinitamente o pecado, enviando instantaneamente todos os anjos que caíram em cadeias de trevas eternas e se recusou a entrar em conversas ou a se reconciliar com eles. Agora, qual é a razão que, embora tenhamos tanta impureza em nós, Deus se agrada de ser reconciliado conosco, e nos admite em Sua presença e nos dá esperança de ver Seu rosto com alegria por toda a eternidade? É isso: porque nós temos um Mediador e eles não têm nenhum. Se não fosse por isso, poderíamos chorar correntes de sangue dos nossos olhos e Deus nos odiaria e abominaria. Sua ira eternamente nos tomaria.

Portanto, embora você possa se alegrar com a santidade inerente, que seus corações estejam particularmente sobre a perfeita santidade de Jesus Cristo e ofereçam isso a Deus. Embora você tenha muita impureza em si mesmo e em seus deveres (para o que é para nós oferecermos dever ao Deus santo), deixe isto o consolar. Você não tem que lidar com Deus em si mesmo, mas através de Cristo, e nele você tem liberdade para vir. Você pode olhar para o rosto de Deus com ousadia. Este é o grande mistério da piedade revelado no evangelho, que, apesar da infinitude da santidade de Deus, há um meio para nós, criaturas contaminadas, olharem para este Deus com alegria. Esse mistério é somente ensinado no evangelho. Embora os homens agora pensem que podem vir e clamar a você, e você vem ver sua impureza, seu coração afundará em eterno desespero. Você não será capaz de suportar a contemplação de Deus então. E se você não está familiarizado com Deus neste caminho de reconciliação, você será desfeito para sempre. Portanto, estude o mistério do evangelho. Faça uso de Cristo para que a glória da santidade de Deus não seja para o seu terror, mas para o seu conforto.


2019 © Traduzido por Amanda Martins, revisado por Elnatan Rodrigues. Para o uso correto deste recurso visite nossa Página de Permissões.

Jeremiah Burroughs

Jeremiah Burroughs

Jeremiah Burroughs (1600-1646) foi um ministro congregacional puritano no século XVII. Burroughs foi um dos membros da Assembleia de Westminster, além de ter sido autor de diversas orbas teológicas.

Publicidade: