Ministério Reformai
Publicidade:
 Rodrigues Studio
Home | A Inabalável União da Santificação na Salvação

A Inabalável União da Santificação na Salvação

Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu. Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como ele é justo. Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo. Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus.

1 João 3:6-9

Existe Cristão Carnal?

Atualmente, existe um ensinamento que se tornou muito popular, e esse ensinamento anula na mente de muitos a verdade clara e inconfundível de 1 João 3, que nada mais é do que uma declaração sistemática do que encontramos de Gênesis a Apocalipse, a saber: um homem salvo pela graça de Deus será um homem santo. Um homem salvo da penalidade de seu pecado será um homem que busca dia a dia fugir da contaminação do pecado. E, no entanto, existe um ensino em nossos dias, que negou as implicações claras de 1 João 3.

A santidade bíblica não é uma experiência isolada, mas uma caminhada perpétua e contínua em conformidade com a vontade e a lei de Deus. Sempre que eu expus a doutrina da santidade deixei as evidencias bíblicas de que nenhum homem tem o direito de reivindicar que ele é um cristão, a menos que seja um homem santo e isso imediatamente fez com que muitas pessoas levantassem uma bandeira vermelha em minha frente. Você sabe o que tinha escrito nessa bandeira vermelha? “E sobre o cristão carnal?”. 

Eu já ouvi essa pergunta e não sei quantas vezes. No momento em que o Espírito de Deus começa a esfaquear as consciências dos homens que professavam conhecer Jesus Cristo, mas que não seguem no caminho da santidade, imediatamente eles procuram esconder-se atrás dessa doutrina inventada, popularmente conhecida como “o cristão carnal”. Prefiro usar uma palavra mais forte, e chamá-la Heresia Cristã Carnal, pois é realmente isso que é.

O Necessário Retorno às Escrituras

Agora, meu objetivo será procurar examinar essa doutrina à luz da Palavra de Deus, porque sinto em meu coração que você e eu fomos criados em uma geração em que essa doutrina foi popularizada, distorcida e divulgada em nossos círculos fundamentais. Agora, esse é o meu propósito, pois sinto que, pelo bem de suas almas, devo fazer isso. E eu estou pedindo a você que, quando chegamos à Palavra de Deus, com espírito infantil de ensino, venha como os bereanos que pesquisam as escrituras para ver se essas coisas são assim. E assim devemos procurar essas coisas em uma atitude de oração e pedir a Deus que nos ajude ao iniciarmos esse estudo que não é agradável, mas que é absolutamente necessário para o bem-estar de nossa alma.

Vamos orar: Pai nosso, agradecemos pela Tua Palavra que nos dá de conhecer a Verdade. Rogamos a Ti para que, nos aplicando às Escrituras para o nosso conhecimento e tendo um coração aberto para o nosso ensino, o Espírito Santo nos guie à verdade. Oramos para que possamos lidar com esse problema e confusão que causou estragos na igreja, para que o próprio Espírito Santo esteja presente para ser nosso professor e nos fazer ver Sua Verdade, e por Sua graça se curvar sob sua implicação. Pedimos em nome de Jesus; Amém.

Agora, para pensarmos sobre isso, quero, antes de tudo, responder à pergunta: Por quê essa doutrina é chamada de Doutrina Cristã Carnal? Você pode não conhecê-la por esse título, mas certamente você a reconhecerá por aquilo o que ela divulga. Então, quero que consideremos uma exposição dessa doutrina à luz das Escrituras. Agora, enquanto fazemos isso, não quero que façamos academicamente, não queremos fazer isso para tão somente obter mais informações.

Supõe-se que, de repente, foi anunciado em todos os rádios da sua região que várias pessoas na sua região foram atingidas por uma doença terrível, de tal natureza que mataria as pessoas dentro de um mês após a contratação. Mas os sintomas eram tão indiscerníveis para a pessoa comum que muitas pessoas podiam andar por ali, afligidas por essa terrível doença e, mesmo assim, não a reconhecerem. Qual seria sua atitude se anunciassem repentinamente que em todas as escolas e prédios públicos haveria palestras de médicos competentes para explicar os sutis sintomas desta doença para o seu esclarecimento e diagnóstico, como também para que você possa procurar ajuda para a cura? Se você fosse a uma reunião dessas, como receberia as informações? Você não ouviria apenas academicamente para aprender algo mais sobre esta doença. Você ouviria como uma questão de vida ou morte. Você ouviria com essa atitude; “devo ver se esses sintomas, dos quais o médico fala, estão de alguma forma, em qualquer forma ou forma, presentes na minha vida. Não devo dar à doença o benefício da dúvida! Devo descobrir a qualquer custo se sou infligido a esta doença e procurar o remédio adequado”. Você não ouviria isso como uma mera palestra sobre termos médicos. Você a ouviria como uma questão de vida ou morte. Este é o tipo de audiência que lhe imploro neste estudo.

Estou convencido de que existem homens e mulheres, meninos e meninas, cujas almas estão em perigo porque acreditaram nessa heresia. E, a menos que você permita que o Espírito Santo abra seus olhos, alguns de vocês podem perecer e acordar no inferno, pensando que você iria acordar no céu. Estou convencido disso! É a única razão pela qual estou buscando pela capacitação de Deus para lidar com esse assunto. Não é suficiente que eu ore por você e clame a Deus que o Espírito Santo abra os olhos de qualquer um que possa ser enganado sobre a salvação de suas almas; é minha responsabilidade pregar a verdade que o ajudará a ver seu pecado e expor o erro que o impediria de ver seu pecado. 

Nosso Senhor Jesus, que pregou a verdade positiva, também teve que tomar cuidado com a doutrina dos escribas e fariseus. Ele a chamou de fermento. Ele alertou as pessoas e o nomeou, e procurou impedir que seus discípulos se tornassem vítimas dele. É esse o motivo em que falo com você, e confio que este motivo será mantido diante de você constantemente.

Examinando a Falsa Doutrina

Agora, qual é a doutrina? A doutrina diz basicamente que existem três tipos de pessoas no mundo, e para afirmar isto eles geralmente se utilizam do texto de 1 Coríntios 2 e 3, onde você encontra essas três palavras: homem natural, homem carnal e homem espiritual. Essa é geralmente a maneira pela qual a doutrina é apresentada. Pessoas que nunca receberam Jesus Cristo são homens naturais. Eles são pecadores por natureza e por prática, estão mortos em seus pecados e não têm conhecimento de Deus. Isso é verdade; essa é a doutrina bíblica da depravação humana.

Então eles dizem que a próxima classe de pessoas é o homem carnal. Este é o homem ou mulher que recebeu Jesus como seu salvador, ele acredita que Cristo morreu na cruz por ele e, mesmo ele dizendo ter acreditado que foi feito um filho de Deus, você nunca sabe que ele é um filho de Deus porque, embora ele se diga ‘salvo pelo sangue de Jesus’, ele vive exatamente como o homem natural vive. Ele vive viciado nas coisas da carne, no mundo e em si mesmo. Você não consegue discernir o fruto do Espírito ou qualquer busca de santidade, mas ele continua dizendo que é salvo e regenerado, porque ele ‘aceitou Jesus’. Muitos o defendem, dizendo ainda ser errado julgá-lo, porque afinal de contas, ele ‘aceitou Jesus’. Em outras palavras, entendemos que ele é um homem que é salvo do inferno, mas que ainda não foi salvo de si mesmo. E então este é o homem carnal, o homem que é salvo, mas ainda vive como se não fosse salvo.

Depois, há o terceiro homem. Ele é o homem espiritual, aquele que não apenas foi salvo, mas aquele que recebeu a Cristo como seu Senhor depois que ele o recebeu como seu Salvador. Ele aprendeu a andar no Espírito e você pode ver evidências reais de Jesus Cristo vivendo sua vida nele. Este é o homem espiritual.

Mas quando você pergunta a eles, “bem, e esse homem carnal? E se ele morresse neste estado?”. Eles respondem: “Oh, bem, ele será salvo, assim como pelo fogo, ele perderá algumas recompensas, mas porque ele aceitou Jesus, ele irá para o céu”. E então, quando eles tentam lidar com esse homem carnal, eis o modo como eles lidam com isso: “não é certo que você seja carnal. Você não sabe que terá vergonha quando Jesus voltar? Você deveria ser um homem espiritual”. E eles apresentam a santidade como uma coisa muito agradável por meio da qual este homem terá recompensas se ele se tornar santo. Sendo assim, a santidade se torna um premio, mas nada essencial para a salvação. Para eles, a santidade não é uma prova essencial da salvação. Eles dizem ao homem carnal que ele deve ser santo, mas que ele realmente não precisa ser santo. A santidade é descartável, ou mero adereço do cristianismo, para eles. Se ele não é santo, ele pode perder algumas recompensas e algumas bênçãos aqui e agora, mas ele ainda vai esgueirar-se para o portão, e ele fará a glória. Essa é basicamente a doutrina cristã carnal. Creio que este é um retrato exato dessa doutrina: um homem que é salvo, mas ainda anda na carne.

As Graves Implicações da Falsa Doutrina

Agora, quais são os resultados do amplo ensino dessa doutrina? Quais foram os resultados da pregação dessa doutrina por um período de provavelmente pelo menos oito décadas, cerca de três gerações de cristãos em círculos fundamentais?

Uma Fé que não pode ser Testificada

Em primeiro lugar, há muitos que nomeiam o nome de Cristo em nossas igrejas fundamentais que estão convencidos em seu próprio pensamento de que são filhos de Deus, mas são pessoas que parecem estar em casa no reino do pecado. Eles confessam que há pecado e falha em suas vidas, mas fazem isso sem nenhum pesar. Eles alegam que 1 João 1:9 dá a promessa de perdão para aqueles que confessam os seus pecados. Mas tudo isso é um ritual sem coração cortado e seco que tem muito pouco significado, talvez nem tanto quanto o romanista sincero que confessa seus pecados ao padre. Agora, este primeiro resultado é o de produzir um povo que não faz ossos e não tem reservas em nomear o nome de Cristo, mas que parece estar perfeitamente à vontade no reino do pecado, que afirmam ser salvos do inferno, mas que convivem naturalmente com as obras do inferno e que não dão evidência de serem salvos do amor e da prática de seus pecados.

Uma Santidade Opcional

O segundo resultado no pensamento das pessoas, que tem sido uma coisa terrível, é que ele criou uma geração de pessoas convencidas de que a santidade de caráter, vida, pensamento e motivação, embora seja boa e louvável, é algo opcional. Eles não vêem a santidade como essencial absoluto para a genuína profissão cristã, mas é algo que pode ou não estar presente de acordo com o desejo e os caprichos espirituais do indivíduo.

A Salvação Não é Por Obras, Mas a Fé que Não Produz Obras é Morta

Agora, mantenho firmemente a verdade bíblica que foi posta em foco claro na Reforma, depois de estar enterrada há vários anos por causa dos ensinamentos de Roma; que um homem não é salvo por suas obras. Se de alguma forma pudéssemos viver uma vida perfeita por um bilhão de anos, isso não acrescentaria nem um pingo de mérito ao infinito mérito de nosso Senhor Jesus Cristo, e à absoluta suficiência de sua morte em nosso favor. Somos absolutamente salvos pela graça. Mas a mesma Bíblia que ensina que somos salvos pela graça também ensina que, quando um homem recebe o dom da graça, ele é transformado pelo Espírito Santo de amante do pecado para amante da justiça. De modo que a mesma escritura que diz pela graça sois salvos pela fé e que não é de vós mesmos, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Também afirma, que sem santidade ninguém verá o Senhor.

Nunca devemos sustentar a doutrina de que somos justificados pela graça através da fé às custas, ou de tal maneira que não enfrentaremos as implicações claras da doutrina bíblica da santidade. Pois a Bíblia diz que, a menos que um homem nasça de novo, ele não pode entrar no Reino dos Céus e também afirma muito claramente, sem santidade, que nenhum homem verá o Senhor.

As Consequências da Falsa Doutrina

Quais foram os resultados da separação dessas doutrinas? [Sabemos que a salvação não pode ser obtida pelos méritos do homem, pelas obras, mas também sabemos que fomos salvos pela graça para a produção das boas obras, da santidade. Assim, a santificação é um fruto que testifica a verdadeira salvação, e não a compra da salvação. Estas doutrinas precisam ser absolutamente entendidas, assim como as Escrituras nos esclarecem].

As Consequências nos Bancos das Igrejas

Não é possível separarmos a salvação da santificação e este tipo de quebra trouxe alguns resultados drásticos para a igreja. Muitos nos bancos estão convencidos de que são salvos, mas nunca foram transformados, nunca conheceram o Cristo que salva o crente da sua condição imunda. Eles conseguiram, de alguma maneira, enganar-se a crer que você pode receber Jesus sem sofrer uma reforma moral. Que é possível que o Filho Eterno de Deus habite em seu seio pela fé e ainda não experimente o que a Bíblia chama de nova criação. Multidões em seus pensamentos passaram a acreditar nisso.

As Consequências nos Púlpitos

Teve resultados drásticos no púlpito. Conheço homens que pregam nas plataformas da Conferência Bíblica em todo o país que têm medo de pregar o texto de 1 João 3. Os resultados dessa doutrina do cristão carnal fecharam a boca dos pregadores porque eles têm medo de expor os frutos e as marcas de um verdadeiro cristão, e dizer aos homens se eles não produzem os frutos do arrependimento que nunca tiveram. nascido de novo. Eles têm medo de fazê-lo! E essa doutrina pregada, crida e adotada é fácil, porque é o coração natural que a ama e produziu esses resultados em nossas igrejas fundamentais. 

Queridos, prefiro morrer clamando contra essa doutrina, ser chamado de tolo e morrer um fracasso aos olhos da minha geração do que pregar que um homem pode entrar no céu sem amar a Cristo, mas apenas ao seu próprio pecado. Não me importo se vejo um convertido. É verdade! E, meus queridos, meu coração anseia por alguns de vocês que estão lendo isso, porque ouviram essa doutrina, e você acredita e se apega a isso. E você nunca será salvo até estar pronto para abandonar a si mesmo, pois neste momento Deus o encontrará.

Resolvendo a Questão à Luz das Escrituras

Agora, em segundo lugar, nos convém examinar essa doutrina à luz das Escrituras. Apresentamos o que é essa doutrina, as três classes de pessoas, o homem natural, o homem carnal e o homem espiritual. Vimos alguns dos resultados dessa doutrina no pensamento das pessoas e na experiência real no banco da igreja e no púlpito. Agora, queremos procurar expor essa doutrina à luz das escrituras. E, ao fazê-lo, vamos manter diante de nós constantemente dois princípios, eles devem servir de guia para nós.

Princípios Básicos para Estudar as Escrituras

Sempre que você lidar com um problema nas Escrituras, mantenha esses dois princípios diante de você:

  1. Não há contradição nas Escrituras. Em outras palavras, Paulo não pode dizer algo que contradiga Tiago, porque o mesmo Espírito Santo que falou através de Paulo fala através de Tiago. O mesmo Espírito Santo que falou através de João falou através de Paulo; para que nunca possamos receber uma parte das Escrituras de tal maneira que nos faça fechar os olhos para outra parte das Escrituras. 

    A verdade de Deus é uma unidade, agora podemos não ser capazes de reconciliar tudo desse lado da glória; de fato, existem muitas perguntas que tenho, e tentei reconciliá-las e lutei com elas até que meu cérebro estivesse prestes a quebrar. E eu apenas tinha que dizer: Senhor, eu vejo através de um copo sombriamente, obrigado por ter visto, mas com certeza vejo sombriamente. Mas, embora não consigamos conciliar tudo, nunca devemos manter uma verdade, para que nos envergonhemos quando enfrentamos outra verdade. Se você se sente constrangido ao ler qualquer parte das Escrituras, não está entendendo corretamente outra parte das Escrituras. 

    Vamos manter esse princípio diante de nós. Em outras palavras, o que Paulo diz sobre as pessoas em Corinto serem carnais, ele certamente não pode contradizer o que João disse em 1 João 3, isto é, que aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado. O que quer que ele esteja dizendo, ele não pode contradizer essa afirmação clara!
  2. Você sempre interpreta uma passagem obscura à luz de uma passagem clara. Se você tem um problema sobre algo que é ensinado em 1 João, verifique suas referências cruzadas e você olha e diz que há outro versículo que lida com isso, isso é tão claro quanto o nariz no meu rosto!

    João diz que aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado, sua semente permanece nele. Agora isso é meio obscuro, o que é essa semente? Então nos voltamos para Tiago e Pedro, que dizem que a semente é a Palavra de Deus. Então, trouxemos as passagens claras para a passagem obscura e recebemos alguma luz! Agora vamos fazer o mesmo com esse assunto do cristão carnal.

A passagem em 1 Coríntios 3 não é uma passagem doutrinária. É uma passagem que trata de um problema específico em Corinto. Agora, se quisermos entender o que Paulo está ensinando em 1 Coríntios 3, vamos descobrir primeiro o que Paulo ensinou quando ele lidou com as grandes doutrinas de santidade, santificação e justificação. Vamos descobrir onde ele está dando uma palestra doutrinária. E o que quer que ele diga lá, vamos interpretar essa outra passagem à luz disso.

Estudando as Referências

Agora, você vai se voltar para Romanos 8, e quero que você siga de perto quando ler os versículos 1 a 14. E quero que observe duas ou três palavras que ocorrem constantemente. 

Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte. Porquanto o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne; Para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus. Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. E, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça. E, se o Espírito daquele que dentre os mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dentre os mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita. De maneira que, irmãos, somos devedores, não à carne para viver segundo a carne. Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis. Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esses são filhos de Deus.

Romanos 8:1-14

Agora, nesta passagem doutrinária do livro de Romanos, na qual Paulo está apresentando as grandes doutrinas da graça de Deus e da obra do Espírito; Eu quero que você note: Ele contrasta duas coisas constantemente, o reino da carne e o reino do Espírito. A mente carnal e a mente espiritual, e observe o que ele diz. Esses dois são mutuamente exclusivos. No versículo 5 ele diz que aqueles que estão atrás da carne, eles se importam com as coisas da carne, o desejo carnal, os desejos carnais. Aqueles que estão atrás do Espírito, as coisas do Espírito. De espírito carnal, a morte, um homem que é entregue aos seus apetites mais básicos e à carne, o fim disso é a morte. O fim do homem com espírito espiritual, vida e paz. A mente carnal está em guerra com Deus, não está sujeita a Deus, não pode estar. Os que estão na carne não podem agradar a Deus. Mas você diz, ‘pastor? Isso se refere ao homem que é salvo, mas que ainda vive na carne, e ele não pode agradar a Deus nesse estado. É isso? Veja o versículo 9, “Mas não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas se alguém não tem o Espírito de Cristo, ele não é dele”.

Você sabe o que Paulo está dizendo? Obtenha isso agora! Ele diz que um homem que vive no reino da carne não pode agradar a Deus. Se seus desejos e interesses básicos são esta vida e essa carne, ele não pode agradar a Deus. Mas Paulo diz que isso não é verdade para você SE o Espírito Santo habita em você, e quando você foi salvo, Ele veio habitar em você. E se Ele não veio habitar em você, você não é dEle. Mas Ele veio, você foi basicamente retirado do reino da carne e foi colocado no reino do Espírito, conseguem notar isso? Não sei se você sabe, mas isso me emociona. Duas esferas, duas, não três, de espírito carnal – morte, espírito de vida – vida. E então ele segue em frente no versículo 13, “se viverdes segundo a carne, morrereis”. As pessoas mais espirituais que conheço morrem, isso não está falando sobre morte física. Está falando sobre morte espiritual! Se você vive segundo a carne, você deve morrer. Mas se pelo Espírito mortificardes ou matardes os feitos da carne, vivereis. “(Pois) todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, eles (e somente eles) são filhos de Deus”.

Ah, mas você diz: ‘pastor, você quer dizer que um cristão nunca tropeça?’ Espere um minuto agora, vamos lidar com esse problema. Mas vamos entender isso primeiro. Não pule na minha frente. Você vê o que ele está dizendo? Temos duas esferas de existência, carne e Espírito. Temos dois destinos, a vida ou a morte, não três, dois graus dentro deles, sim, mas apenas duas esferas. Estude este capítulo, leia-o até o Espírito de Deus abrir seus olhos para isso.

Vamos agora para Gálatas 5, por um momento. Paulo está lidando novamente com as duas esferas de atividade e interesse. Agora, aqui está uma passagem doutrinária. Vamos interpretar o obscuro à luz do claro. Vamos interpretar à luz do fato de que não há contradição com o que Deus diz. Agora, começando com o versículo 16.

Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, fornicação, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.

Gálatas 5:16-24

Agora o que ele está dizendo? Observe com cuidado. Do que eu lhe disse antes, como também já lhe disse no passado, que aqueles que fazem tais coisas devem (perder algumas recompensas? Não! Então o que ele está dizendo?) Eles não herdarão o reino de Deus! Agora, Paulo diz: deixei isso claro para você. Eu lhe disse isso quando estava com você antes e vou lhe contar novamente. Os que são entregues à carne não herdarão o Reino de Deus.

Agora, ele vai fazer um contraste. “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, longanimidade, gentileza, bondade, fé, mansidão, temperança: contra tais não há lei.” Nesse momento, os pregadores da doutrina do cristão carnal irão parar para dizer: ‘agora, querido cristão carnal, você é salvo, nasceu de novo, mas não se entregou a nada além da carne e seria muito melhor se o fruto do Espírito estivesse em sua vida. Agora, entregue-se a Jesus como seu Senhor e comece a manifestar o fruto do Espírito em sua vida, e você receberá algumas recompensas’. Mas não é isso que Paulo diz. Observe o próximo versículo. Depois de nos dar duas esferas, as obras da carne e como elas são, então o fruto do Espírito e como é, observe agora o versículo 24. “E aqueles que são de Cristo (tempo passado) crucificaram a carne com as afeições e luxúria”. Ele não diz apenas aqueles que são espirituais. Todos os que pertencem a Jesus se separaram basicamente do reino da carne. Não perfeitamente, não completamente. É por isso que ele diz no próximo versículo: “Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito.” Mas, basicamente, ele diz que aqueles que pertencem a Jesus crucificaram a carne com as afeições e concupiscências.

Agora, amados, esses versículos significam o que parecem ensinar, e a doutrina do cristão carnal é uma heresia condenatória, ou eu tenho que arrancar página após página da Bíblia e distorcer o significado óbvio das Sagradas Escrituras. Isso eu não farei, e isso você não ousa fazer. Você é de Cristo? Você pertence a Ele? Depois, demonstre que a carne e os afetos foram basicamente crucificados e que o fruto do Espírito é manifesto.

“Mas, oh, às vezes na minha vida eu sei que é uma fruta amarga e outra bem madura e doce. Às vezes há até algumas maçãs podres penduradas na árvore”. Amado, se não há nada além de maçãs podres na árvore da sua vida, então você precisa ouvir o que Jesus disse. 

Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

Mateus 7:16-21

Este é o tempo oportuno de corrigirmos a nossa visão, porque essa situação está tão profundamente arraigada em nossos dias que parece claro que não há nada além da pura autoridade da Palavra de Deus, lendo-a e examinando-a, que a expurgará de nossas mentes. 

Volte por favor para Romanos aonde novamente Paulo está lidando neste livro doutrinário com as questões básicas de nossa lealdade. Observe agora o que ele diz no capítulo 6, versículo 15 e 16. “Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum. Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?”. Observe agora, duas esferas, “pecado para a morte e obediência para a justiça”. Mas então ele diz: “Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues” (v.17). Essa é apenas outra maneira de dizer que você se comprometeu com Cristo como ele foi oferecido no evangelho, e o que aconteceu? “E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça” (v.18). Somos libertos mais do que da condenação do pecado, mas também do domínio e da servidão ao pecado. O pecado que antes era o nosso senhor, já não mais tem o poder de nos dirigir. Antes nós amávamos ao pecado, obedecíamos e servíamos, mas agora estamos basicamente separados disso e fomos feitos servos da justiça. 

Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para santificação. Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. E que fruto tínheis então das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.

Romanos 6:19-22

“Falo segundo a maneira dos homens, por causa da enfermidade de vossa carne; pois, como entregastes a vossos membros servos à impureza, e iniqüidade à iniqüidade; agora, porém, rendem seus servos à justiça para a santidade. Pois quando sois servos do pecado, ficavam livres da justiça. Que fruto você teve então naquelas coisas de que agora tem vergonha? Pois o fim dessas coisas é a morte. Mas agora, sendo libertados do pecado e tornados servos de Deus, (isso é conversão), vocês têm seus frutos em santidade e no fim da vida eterna. ” “Falo segundo a maneira dos homens, por causa da enfermidade de vossa carne; pois, como entregastes a vossos membros servos à impureza, e iniqüidade à iniqüidade; agora, porém, rendem seus servos à justiça para a santidade. Pois quando sois servos do pecado, ficavam livres da justiça. Que fruto você teve então naquelas coisas de que agora tem vergonha? Pois o fim dessas coisas é a morte. Mas agora, sendo libertados do pecado e tornados servos de Deus, (isso é conversão), vocês têm seus frutos em santidade e no fim da vida eterna. ” “Falo segundo a maneira dos homens, por causa da enfermidade de vossa carne; pois, como entregastes a vossos membros servos à impureza, e iniqüidade à iniqüidade; agora, porém, rendem seus servos à justiça para a santidade. Pois quando sois servos do pecado, ficavam livres da justiça. Que fruto você teve então naquelas coisas de que agora tem vergonha? Pois o fim dessas coisas é a morte. Mas agora, sendo libertados do pecado e tornados servos de Deus, (isso é conversão), vocês têm seus frutos em santidade e no fim da vida eterna. ” vocês estavam livres da justiça. Que fruto você teve então naquelas coisas de que agora tem vergonha? Pois o fim dessas coisas é a morte. Mas agora, sendo libertados do pecado e tornados servos de Deus, (isso é conversão), vocês têm seus frutos em santidade e no fim da vida eterna. ” vocês estavam livres da justiça. Que fruto você teve então naquelas coisas de que agora tem vergonha? Pois o fim dessas coisas é a morte. Mas agora, sendo libertados do pecado e tornados servos de Deus, (isso é conversão), vocês têm seus frutos em santidade e no fim da vida eterna. ”

Pegue esse verso e compre agora. Conversão é uma mudança de mestre. Troco o mestre, o pecado, pelo novo mestre Cristo, que trabalhará em mim o caminho da justiça. O que é a fruta? O fruto é para a santidade e o fim da vida eterna. Ninguém recebe a vida eterna, senão no caminho da santidade, e nenhum homem pode ser santo até que se converta e mude de mestre pela graça de Deus. Não é isso que o livro diz? Mas nós lemos desta maneira. ‘Mas eu aceitei Jesus, mesmo servindo a carne, e tenho meus frutos no cristianismo carnal e, no final, a perda de algumas recompensas.’ Não vou matar minha amada Bíblia! Eu vou deixar Deus dizer o que ele diz e pregar do jeito que está escrito. E pregue por sua graça.

Você pergunta, pastor, o que 1 Coríntios 3 ensina? Vamos abordar isso na próxima lição. Então, eu vou terminar com esta exortação. Independentemente do que ensina, não pode contradizer 1 joão 3 onde João diz que aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado, ele nunca está em casa no reino do pecado. Por quê? Porque a Semente Divina está operando dentro dele, e se ele está em pecado como um filho de Deus, se tropeça, sente-se impuro e perturbado até voltar ao caminho da santidade. Ele tem um advogado com o Pai se ele tropeçar, sim, disse John. Se alguém pecar, temos um advogado com o Pai Jesus Cristo, o Justo, mas isso é para o homem cujo desejo básico é andar na Luz, andar em obediência e em todas essas outras marcas de nascença que João nos deu. Tudo o que Paulo nos ensina em 1 Coríntios. 3ele não pode contradizer 1 João 3 . Ele disse que nem mesmo se contradizia em Romanos 8, onde disse que existem apenas duas esferas, carne e Espírito, dois destinos, vida e morte. O filho de Deus é um habitado pelo Espírito, e essa habitação o separa da carne. Ele não pode contradizer Gálatas 5, onde diz que as obras da carne não terão herança no reino de Deus.

Aqueles que possuem o fruto do Espírito, aqueles que pertencem a Jesus, estão basicamente comprometidos com isso. Por tudo o que ele diz em 1 Coríntios. 3 , não vou contradizer o que ele diz em nenhum outro lugar. Você se atreverá a fazê-lo? Eu poderia numerar muitas passagens, o que coloca essa verdade adiante.

Peço a você, rapaz e moça, pai e mãe, se você não está avançando no caminho da santidade, se está satisfeito com sua atual medida de graça, é melhor tomar cuidado. Ouça-me pais, seus filhos tomaram uma decisão quando eram crianças. No entanto, você não vê nenhuma evidência do novo nascimento, mas está respirando com calma e diz: ‘oh, bem, eles não estão indo como deveriam, mas aceitaram Jesus’. Isso é verdade para você? Alguns de vocês pais me ouvem. Se seus filhos morrem hoje e acordam no inferno, e você não está preocupado com eles, e você não está implorando a Deus por eles, porque acredita nessa heresia condenável que eles são salvos, mas são carnais, por quê? Por quê?

Quero que meu filho cresça sabendo que, até que esteja no caminho da santidade, ele não é cristão. Eu quero que ele saiba que ele não pode ficar assim até que ele nasça de novo, eu quero que ele saiba que é pela graça, eu quero que ele saiba disso. Mas não quero criar um filho que pense que ele está salvo porque ele acenou com a cabeça para o que seu pai acredita e prega. Eu quero um garoto que saiba pela revelação do Espírito Santo e pela pregação fiel da Palavra, que até que o Espírito Santo santifique seu coração e lhe dê um coração que é santo, ele não tem motivos para afirmar que está salvo. Oh, que Deus tenha piedade de alguns de vocês, pais.

Alguns de vocês acreditam nisso ignorantemente, não estou repreendendo você. É o que você aprendeu. Mas agora você não tem mais motivos para acreditar. Alguns de vocês acreditaram de bom grado porque se enganaram e, se sabem que se seus filhos não têm a coisa real, terão que confessar que não a têm, porque não a têm. mais do que eles têm. É por isso que alguns de vocês, pais, acreditam nisso. Você não ousa dizer que seus filhos não são salvos porque dão tanto fruto quanto você. Essa greve teme seu coração? Faz o meu.

Eu tenho que dar uma conta para vocês, queridos, a quem Deus me enviou. Você continuará acreditando e confessando que é cristão enquanto estiver em casa no reino do pecado? Você poderia? Você continuará professando conhecer Jesus Cristo como seu salvador, embora nunca tenha se curvado a ele como seu Senhor? Então, meu amigo, a menos que Deus o desperte e o desvie desse curso, você continuará acreditando nessas coisas e continuando a julgar e, na eternidade, uma alma perdida. Deus conceda que hoje, reconhecendo o erro do seu caminho, você possa clamar a Deus por misericórdia. É uma coisa terrível para um homem ou mulher morrer nunca tendo ouvido a mensagem de Cristo e sair para a eternidade. É uma coisa terrível para uma pessoa ouvir a mensagem e nunca acreditar e sair para a eternidade. É três vezes terrível para uma pessoa ouvir a mensagem e acreditar em uma falsa verdade sobre essa mensagem, ou acreditar em uma doutrina falsa que permite que eles fiquem em casa em seus pecados enquanto professam pertencer a Jesus e depois saem para a eternidade. Eu acho que o inferno será mais tolerável para os demônios do que para aquelas pessoas que transformam a graça de Deus em uma licença para seus pecados, e transformam o sangue de Jesus em uma desculpa para realizar sua rebelião contra Deus sem nenhum medo de punição. Oh, que Deus te desperte e que Deus te perturbe. Amado, isso é uma coisa preocupante; Não estou falando de algo que está no campo certo na China em algum lugar. Isto está bem aqui. Eu acho que o inferno será mais tolerável para os demônios do que para aquelas pessoas que transformam a graça de Deus em uma licença para seus pecados, e transformam o sangue de Jesus em uma desculpa para realizar sua rebelião contra Deus sem nenhum medo de punição. Oh, que Deus te desperte e que Deus te perturbe. Amado, isso é uma coisa preocupante; Não estou falando de algo que está no campo certo na China em algum lugar. Isto está bem aqui. Eu acho que o inferno será mais tolerável para os demônios do que para aquelas pessoas que transformam a graça de Deus em uma licença para seus pecados, e transformam o sangue de Jesus em uma desculpa para realizar sua rebelião contra Deus sem nenhum medo de punição. Oh, que Deus te desperte e que Deus te perturbe. Amado, isso é uma coisa preocupante; Não estou falando de algo que está no campo certo na China em algum lugar. Isto está bem aqui.

Vamos nos curvar em oração, refletir sobriamente sobre nossos próprios corações e nos fazer esta pergunta. Estou em casa no reino do pecado? Estou à vontade no meu estado atual? Tendo viajado para um altar cinco ou dez anos atrás, respirei fundo desde que fiz o ritual? Eu tomei minha decisão todo-poderosa, portanto Deus deve me levar para o céu? Oh querido, que mentira.

2019 © Tradução por Amanda Martins. Para o uso correto deste recurso visite a nossa Página de Permissões.

Albert Martin

Albert Martin

Albert N. Martin foi pastor batista reformado por 46 anos da Trinity Baptist Church, em Montville, New Jersey. Hoje, Martin é aposentado do trabalho pastoral.

Publicidade:
 Rodrigues Studio

Assuntos: