Ministério Reformai
Publicidade:
Home | A Vida como um Vapor

A Vida como um Vapor

Faz um pouco mais de dois anos desde o meu ataque cardíaco (21 de março de 2017). Sem aviso, caí no chão da cozinha inconsciente. Não me lembro de nada que tenha acontecido depois disso até cinco dias depois, quando me encontrei em um quarto de hospital. Perguntei o que aconteceu e alguém disse: “Você morreu três vezes”. Meu coração parou e foi ressuscitado em três ocasiões diferentes.

Eu gostaria de poder dizer que, naquele momento, eu disse algo espiritual; em vez disso, respondi: “Eu sou exatamente como Buck!” Todos apenas olharam fixamente, até que eu me expliquei: “Eu sou exatamente como Buck. Você sabe, a doninha da Era do Gelo que disse: “Eu morri, mas depois vivi!” Então todos riram.

Durante a minha internação, a dor nas minhas costelas foi intensa devido à ressuscitação cardíaca. Para adicionar a isso, os neurorreceptores danificados no meu cérebro (por falta de oxigênio) me fizeram sentir como se minha pele estivesse em chamas. Os menores movimentos resultaram em dor intensa. Devido a uma perda de minha memória de curto prazo, quase enlouqueci minha esposa fazendo as mesmas perguntas repetidas vezes. Ela começou ocasionalmente me chamando de “Dory” e “Rain Man”.

Com o passar dos dias, tive muito tempo para refletir: “Se eu tivesse morrido (ou ‘ficado morto’), quais teriam sido os meus arrependimentos? O que eu teria mudado? O que devo mudar agora que Deus prolongou minha vida? ”

A primeira coisa é amor. Eu me arrependi de não ter amado mais. Não estou escrevendo sobre mero sentimentalismo ou um amor equivocado que impede alguém de falar a verdade. Estou me referindo a um servo como Cristo, amor por minha família, irmãos e irmãs em Cristo, e o mundo incrédulo – até mesmo meus inimigos. Nessa única coisa, todos os mandamentos de Deus são cumpridos; no entanto, é uma tarefa impossível à parte de uma mente renovada na Palavra e cheia do Espírito Santo. Não é estranho? Não me arrependi de ter pregado muito pouco nas ruas ou de ter passado muito pouco tempo no meu escritório. Me arrependi de ter jogado muito poucos jogos de tabuleiro com minha filha de nove anos (ela adora jogos de tabuleiro).

A segunda coisa é a oração intercessora. Eu ouvi muitos pregadores antigos dizerem que nenhum ministro em seu leito de morte se arrepende de ter orado muito – apenas que ele orou muito pouco. Estudar nunca foi uma tarefa difícil para mim. No dia seguinte ao meu retorno do hospital, estudei e escrevi por várias horas; de fato, passei a maior parte do ano passado sozinha no meu estudo. De fato, requer mais disciplina pessoalmente negar-me a alegria de estudar do que me forçar a estudar. As excelências de Deus provocam o coração regenerado para aproximar-se Dele e pensar muito Dele. Em contraste, a oração intercessora é trabalho para mim. Mais enfaticamente, é guerra – guerra com minha carne, com o relógio, com o diabo. Como minha carne odeia orações de intercessão, jejuns e vigílias noturnas! Quantas vezes minha carne venceu meu melhor entendimento, me levando de volta para a cama ou para a mesa ou até para o meu escritório! Sim, minha carne escolherá até mesmo o estudo da Bíblia sobre a oração de intercessão! Mas é no armário de orações e na noite observa que a escuridão é vencida, que Cristo ganha terreno no coração, que as almas são redimidas e que as batalhas são vencidas.

As orações dos santos de Deus ascendem da terra como um fraco e débil clamor. Mas quando o incenso do céu é adicionado a eles, eles retornam à terra com o poder do trovão, relâmpago e terremotos (Apocalipse 8: 3-5 ). Por que então eu não corro para o armário, para a vigília noturna, para os tempos de separação? Que Deus me ajude e passe os nossos dias na terra acreditando, perseverando e prevalecendo a oração intercessora!

A terceira e última coisa que vou mencionar é o foco. Comecei meu ministério na cidade, montanhas e florestas do meu amado Peru – viajando de cidade em cidade, pregando na rua e treinando pastores e evangelistas que nunca tiveram a oportunidade de estudar em um instituto bíblico. Estes eram homens muito mais dignos do que eu, que trabalhavam e sofriam e realizavam tanto com tão pouco; homens que trabalhavam na pobreza, sofrimento e anonimato. Esses homens são a razão pela qual HeartCry existe. Eles sempre tiveram meu coração acima de todos os outros assuntos de ministério, e é para eles que eu tenho a intenção de retornar. Quantas vezes em uma conferência na América do Norte eu sentei na plataforma com uma infinidade de professores muito mais instruídos do que eu jamais serei? Por que eu estou aqui, em meio a tantos professores proeminentes quando poderia estar em alguma selva remota ou cordilheira, onde há tão poucos, se é que existe algum?” Por favor ore por mim e pela equipe da HeartCry para que possamos “queimar” e “queimar” pelos não alcançados e também para aqueles que trabalham com tão pouco.

Eu ainda planejo pregar em algumas conferências e igrejas nos Estados Unidos, mas (se Deus quiser) eu darei a maior parte do resto da minha vida para dirigir a HeartCry (Sociedade Missionária), pregando onde Cristo não é chamado, e treinando e escrevendo material para o pastores e evangelistas nesses lugares.


Texto original no inglês em Heart Cry Missionary. 2019 © Traduzido por Elnatan Rodrigues, revisado por Alex Lima.

Paul Washer

Paul Washer

Paul Washer é um pastor batista reformado, missionário, escritor; fundador da “Sociedade Missionaria HeartCry”, que apoia o trabalho missionário em mais de 30 países.

Publicidade:

Assuntos: