Reformai
Publicidade:
Home | Biografia: Agostinho de Hipona

Biografia: Agostinho de Hipona7 min de Leitura

Publicidade:

Muitos estudiosos consideram Agostinho o teólogo mais influente de todos os tempos, e embora ele se tornasse uma poderosa figura pública da fé e um indivíduo que conhecia e amava a Deus pessoalmente, sua conversão inicial foi lenta e dolorosa. Ele nasceu (354 d.C.) em Tagaste ocupado pelos romanos, norte da África e foi criado no contexto e influência dos valores romanos.

Quando criança, Agostinho aprendeu histórias que idealizavam poder, honra e sucesso. Ele comenta esse estágio da vida em suas Confissões , dizendo a Deus: “naquela época eu acreditava que viver uma vida boa consistia em conquistar o favor daqueles que me elogiavam”. [1] Na adolescência, ele ficou obcecado por sexo, contando até mentiras sobre o quão sexualmente promíscuo ele era “para que ele não fosse menos corajoso por ser mais inocente”. [2] Ele estudou retórica e seus pais depositaram muita esperança em seu potencial sucesso. Ele se destacou neste ofício e sua crescente reputação alimentava continuamente seu orgulho. [3]

Diferentemente de Ambrósio e de Crisóstomo, Agostinho é proveniente de um meio social relativamente humilde, pois seu pai, Patrício, era um pequeno proprietário pertencente à classe dos curiales -notáveis provinciais esmagados pela responsabilidade coletiva em matéria fiscal (MARROU, 1957, p. 14). O seu pai investiu na sua educação liberal, vista no Baixo Império como um dos meios mais seguros de alcançar a carreira de magistério, ou magistratura, e além dessas, a da administração imperial e do poder. Os recursos paternos, contudo, não foram suficientes, Agostinho na obra Confissões nos relata que interrompeu os estudos por um ano, na idade dos dezesseis, só podendo retomá-los com a ajuda de Romaniano (MARROU, 1957, p. 15). Os seus estudos foram iniciados em Tagaste, onde aprendeu latim à força de muitos açoites, e odiou tanto o grego que jamais aprenderia para poder usar fluentemente. Foi enviado à escola próxima em Madaura e, em seguida, para Cartago, para estudar retórica (CAIRNS, 1990, p. 118). Entre os sete e os dezenove anos, Agostinho percorreu o ciclo completo dos estudos considerados então como normais.

Publicidade:

Logo, Agostinho começou a desenvolver um interesse em filosofia, o que levou ao início de sua longa e intencional busca pela sabedoria. O sistema filosófico que primeiro o atraiu foi o maniqueísmo por causa do sistema dualista, expresso em uma narrativa mística sobre a batalha entre o bem e o mal, respondeu às perguntas sobre a natureza do mal e deu a ele uma maneira de amenizar a culpa que ele sentia em seu coração por manter um relacionamento íntimo com uma mulher com quem não era casado. No entanto, depois de se encontrar com um proeminente professor maniqueísta e ouvir suas respostas inadequadas a perguntas sobre os meandros da doutrina maniqueísta, Agostinho começou a ver os buracos nesse sistema de pensamento. 

Após esse evento decepcionante, Agostinho voltou-se para o ceticismo filosófico e acreditou que os seres humanos eram incapazes de ter um conhecimento que estava além da dúvida. Nesse momento, seu amigo íntimo morreu, lançando-o em um poço de tristeza. Para escapar da dor, Agostinho mudou-se para Cartago para ensinar, mas ficou revoltado com o comportamento indisciplinado de seus alunos. Assim, quando lhe foi oferecido um cargo em Roma – e sua mãe desejava que ele fosse para Roma – ele aproveitou a oportunidade para ensinar entre os “civilizados e obedientes”. Isso também se provou ser uma decepção, pois seus alunos cultos também não tinham um senso de moralidade. Agostinho mudou-se para Milão para ensinar, deixando permanentemente os maniqueus para trás por seu novo ceticismo. 

Em Milão, Agostinho se tornou um catecumenato na igreja católica porque era a norma social. Ele foi atraído pelo neoplatonismo, que finalmente o permitiu conceber Deus como um ser espiritual, respondeu suas perguntas sobre a origem do mal e o levou a ler as cartas de Paulo. Ele buscou o êxtase platônico ou a unidade com o Bem, mas em seu pequeno vislumbre da realidade, percebeu que estava infinitamente longe de Deus e não podia alcançá-lo. [4]

Publicidade:

Agostinho começou a procurar maneiras de se aproximar de Deus. [5] Por meio dos testemunhos de vários cristãos, ele entrou em uma luta extrema com sua carne ao considerar o arrependimento. Ele procurou ajuda de amigos cristãos que ele respeitava. Depois de ouvir suas histórias, Agostinho começou a se odiar e como havia desperdiçado tantos anos em busca de sabedoria sem nunca ter se arrependido de verdade. Ele havia dito a si mesmo que estava adiando o arrependimento porque não estava completamente convencido do cristianismo, mas na realidade estava. Esse ódio se transformou em raiva. Enquanto ele estava angustiado com seu arrependimento, ele ouviu uma voz de criança que lhe dizia para “tomar e ler”. Naquele momento, ele pegou as cartas de Paulo e leu Romanos 13:13 e percebeu que era tudo o que precisava saber para se arrepender de seu pecado. Agostinho finalmente renunciou ao seu pecado e se lançou na misericórdia de Deus.

Andemos honestamente, como de dia; não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja.

Romanos 13:13

Após sua conversão, Agostinho abandonou sua carreira e foi batizado. Embora ele apenas quisesse ser monge, ele logo se tornou padre e bispo. Ele ganhou destaque através de sua pregação, escrita e oposição a heresias como o donatismo e o pelagianismo, que ele via como formas de orgulho espiritual, e deixou um legado de enfatizar a humilde na dependência da graça de Deus.

[1] Agostinho, Confissões, 31.
[2] Ibid., 36.
[3] Ibid., 45.
[4] Ibid., 125ff.
[5] Ibid., 137.

Publicidade:

2020 © Para o uso correto deste recurso visite a nossa Página de Permissões.

Publicidade:
Agostinho de Hipona

Agostinho de Hipona

Agostinho de Hipona (354-430) foi um dos mais importantes teólogos dos primeiros séculos. Conhecido por ser um grande defensor da soberania divina na salvação do homem e por sua obra "Confissões".

Publicidade: