Ministério Reformai
Publicidade:
Home | Biografia: William Ames

Biografia: William Ames

William Ames (1576-1633) nasceu em 1576 em Ipswich, Suffolk, região a leste de Ânglia onde o puritanismo havia “começado” pela primeira vez e onde a perseguição à coroa era menos eficaz. Seu pai era um comerciante que simpatizava com a causa puritana; sua mãe era parente do peregrino mais tarde colonizador de Plymouth, Massachusetts. Seus pais morreram e William foi acolhido por seu tio, Robert Snelling, de Oxford, que levou William para sua casa, e com paciência e generosidade cuidou de suas necessidades e educação.

Sua Educação

Ames escolheu o centro puritano de esnino, da Universidade de Cambridge, em vez de Oxford para o ensino superior. Cambridge foi dominada durante o tempo elisabetano e jacobino pelo ensino e pregação de Thomas Cartwright (1535-1603), William Perkins (1558-1602) e John Preston (1587-1628). Ames teve a boa providência de se aproximar de William Perkins, e o relacionamento deles não apenas cresceu como professor / aluno, mas também como amigos.

Ames recebeu seu diploma de bacharel em 1607 e foi prontamente convidado a se tornar um colega (professor) do Christ’s College. Ele chegou a concorrer ao domínio do colégio como sucessor de Edmund Barwell em 1609. Mas autoridades superiores da igreja estatal interferiram para impedir a eleição de um candidato não-conformista tão forte. Ames se recusou a usar vestes e falou contra o sinal da cruz administrada durante o batismo e outras cerimônias. Outro candidato foi escolhido e, aos olhos de Ames e de outros puritanos, o status da faculdade se deteriorou. Ames abriu mão de sua bolsa e nunca mais voltou à Academia Inglesa.

Ministério Pastoral

Ames , então abriu mão de se conformar aos pontos da igreja estatal e assumiu o pastorado, mas pouco tempo depois a perseguição começou a se intensificar sob o reinado de Jaimes I (Tiago I) e do arcebispo Bancroft. Particularmente, Ames foi procurado desde que traduziu o tratado de William Bradshaw, “Puritanismo inglês”, que expunha em termos difíceis as visões não-conformistas. Ames decidiu deixar a Inglaterra e ir para a Holanda.

Ames chegou à Holanda em 1610 para começar uma nova vida que lhe traria fama, conflito, morte de sua primeira esposa, insegurança financeira, interferência contínua das autoridades inglesas e sua própria morte aos 57 anos.

Sua Estadia na Holanda

Durante os primeiros anos de exílio, Ames se sustentou oferecendo seus serviços ministeriais a uma das várias grandes comunidades de ingleses que viviam na Holanda. Desde a perseguição mariana [Rainha Mary, a sanguinária] da década de 1550, os ministros não-conformistas ingleses no exílio sempre conseguiram encontrar emprego profissional, embora usualmente em nível inferior.

Apoiado pelo coronel Horatio Vere, um simpatizante puritano, Ames sucedeu John Burgess em 1611 (mesmo ano em que a versão KJV foi publicada pela segunda vez) como capelão da comunidade britânica em Haia. Ames cortejou a filha de Burgess e casou com ela, mas ela morreu logo depois e o deixou sem filhos. O longo braço do bispo e do rei alcançou o mar do Norte e Vere foi forçado a demitir Ames em 1618. Sua vida profissional continuou precária até sua nomeação para professor na jovem Universidade de Franeker, no norte da Holanda. Embora sua recomendação em 1619 pelo Sínodo da Holanda do Sul tenha sido recebida com entusiasmo pelos curadores da nova Universidade da Frísia, Ames não conseguiu entregar seu discurso de posse até 1622. As autoridades inglesas não pouparam esforços para impedir que ele assumisse o cargo e provavelmente teve sucesso se não tivesse sido a intervenção direta do príncipe holandês Moritz.

A Influência de William Ames

Apesar dessa variedade de infortúnios e dificuldades pessoais, a voz de Ames ainda era uma das mais influentes no desenvolvimento teológico das igrejas puritanas e reformadas na Inglaterra e na Holanda. Da discussão da política da igreja com John Robinson, ele se voltou para disputar com teólogos continentais. Todos os argumentos estavam relacionados ao arminianismo, a grande heresia teológica do século XVII. Logo após sua chegada à Holanda, Ames foi alistado ao lado do partido ortodoxo, que se mantinha firme contra a posição do falecido Jacobus Arminius/Jacó Armínio (1560-1609).

Ames, um Verdadeiro Calvinista

Os arminianos, ou Remonstrants, como eram mais conhecidos, se opunham ao calvinismo “rígido” das igrejas reformadas holandesas – uma “rigidez” também compartilhada entre os puritanos ingleses. Os Remonstrants argumentaram dois pontos principais: que o ser humano tem um papel significativo, senão um controle, na salvação e que Cristo morreu por todos os homens, não apenas pelos eleitos. No segundo ponto, Armínio havia feito um ataque especial a teoria da predestinação exposta por William Perkins, o respectivo tutor de Cambridge de Ames. Ames contra-argumentou em vários folhetos contra Jan Uitenbogaert, Simon Episcopius e especialmente Nicolaas Grevinchoven, um influente ministro dos Remonstrantes em Roterdã.

O “Coronis ad collationem Hagiensem”, ou “Um Toque Final a Conferência de Haia”, publicado em 1618 como uma forte afirmação dos ministros ortodoxos, apresentou vigorosamente a resposta amesiana aos Remonstrantes. No inverno de 1618-1619, todo o conflito arminiano chegou ao clímax durante o Sínodo de Dort, de onde vieram os teólogos reformados da Inglaterra, Holanda, França, Suíça e Alemanha [confira nossa série sobre o assunto, “Os Cânones de Dort”]. Ames serviu como consultor do moderador do Sínodo, que finalmente condenou a teologia arminiana.

Pensa-se de Ames que foi algum tipo de “destruidor” gigante nos debates teológicos. O que o perturbou nos Remonstrantes foi o fracasso destes em dar a soberania e o trabalho da salvação a Deus no lugar devido e primário na teologia; eles tinham, na mente de Ames, colocado o Todo-Poderoso a disposição do homem.

Ames como Professor

Ames começou feliz seu trabalho como professor de teologia em Franeker em 1622. Esses foram seus anos mais produtivos. Durante os anos em que lecionou nesta universidade, continuou a escrever contra a crise arminiana, embora se compadesse com os que estavam sendo desviados pela falsa doutrina.

Sua Viagem ao Novo Mundo que Nunca Ocorreu

No final da década de 1620, ele decidiu que deveria deixar a Universidade para o Novo Mundo. Ames havia recebido correspondência de seus amigos no Novo Mundo para se juntar a eles e trabalhar lá como pastor, professor, escola ou chefe de academia. Mas William Ames nunca navegaria para a Nova Inglaterra. Em vez disso, ele acabou em Roterdã, em 1632, para atender um chamado de uma congregação independente como co-pastor com seu amigo Hugh Peter. A igreja planejava abrir uma escola, tendo Ames como seu diretor. Mas em 1633 o rio Maas inundou e as casas dos membros da igreja, assim como a casa de Ames. Ames foi exposto a água fria e ar frio e contraiu uma febre alta que seu coração enfraquecido não suportava. A medicina e médicos foram inúteis; sua família e amigos observam seu espírito corajoso perseverar até o fim, poucos dias depois.

William Ames, um Servo de Deus

Assim, aquele que foi a maior influência no início da América nunca chegou lá. Ele pode ter sido o primeiro presidente de Harvard, em vez de Thomas Shepherd, mas “aconteça o que acontecer” não fazia parte do plano ordenado por Deus para sua vida. Segundo Daniel Neal, os primeiros móveis de Harvard foram os livros de Ames, o famoso professor de divindade de Franeker. Ele exerceu uma influência tão profunda sobre a teologia da Nova Inglaterra que foi citado mais do que Lutero ou Calvino juntos. Jonathan Edwards começou frequentemente com o pensamento do professor Franeker.


2019 ©Tradução por Elnatan Rodirgues. Para o uso correto deste recurso visite a nossa Página de Permissões.

William Ames

William Ames

William Ames (1576-1633) foi um teólogo e filósofo puritano. Passou boa parte de sua vida na Holanda e é conhecido por sua defesa a teologia calvinista.

Publicidade:

Assuntos: