Reformai
Publicidade:
Home | Bucer e Calvino e a Tutoria Pastoral

Bucer e Calvino e a Tutoria Pastoral8 min de Leitura

Publicidade:

A história é familiar: um teólogo jovem e brilhante concorda em pastorear uma igreja dividida por facções e precisando de reforma. Em pouco tempo, no entanto, ele mergulhou em controvérsias e conflitos ao tentar implementar mudanças. A congregação aprecia sua pregação, às vezes, mas seu chamado ao discipulado parece muito zeloso e até extremo. Suas tentativas de reorganizar a igreja para uma melhor assistência pastoral são enfrentadas com oposição, e a controvérsia teológica surge quando ele responde a falsos ensinamentos com severidade, aumentando a preocupação dos outros líderes.

No segundo ano, o jovem pastor impulsiona a prática da disciplina na igreja – e isso prova ser demais. E assim o jovem pastor é demitido e a igreja fica pior do que antes.

Esta é a história de algum jovem, inquieto e reformado? Talvez um zeloso seminarista que tenha encontrado alguns materiais do 9Marks (Saiba mais através do livro “9 Marcas de uma Igreja Saudável”, Editora Fiel) e rapidamente tenha procurado implementá-los em sua igreja?

Publicidade:

Na verdade, esta é a história de João Calvino.

QUANDO CALVINO FOI DESPEDIDO

Persuadido pelo ardente Farel a permanecer em Genebra, Calvino começou a lecionar e a pregar lá em setembro de 1536. Pouco sabemos sobre suas atividades durante sua primeira estada em Genebra, mas seu ensinamento daquela época mostra seu zelo contra o ensino não-reformado (73). e seu intransigente apelo para que todos os cristãos deixem a Igreja Católica Romana (78). Em fevereiro de 1538, Calvino e Farel compareceram perante o conselho genebrês para pressionar pelo direito de praticar a excomunhão. Seu pedido foi rejeitado. Decepcionado, Calvino escreveu a Bullinger: “Não conseguimos garantir que o fiel e santo exercício da excomunhão eclesiástica seja resgatado do esquecimento em que caiu” (79).

Não muito tempo depois, o relacionamento de Calvino com o conselho havia se deteriorado tanto que ele os denunciou do púlpito como o “conselho do diabo” (80). Rejeitando a liturgia do concílio, Calvino recusou-se a administrar a comunhão a toda a cidade. Em abril de 1538, Calvino (não Farel) foi identificado como o principal causador de problemas, privado de seu ministério e obrigado a deixar Genebra.

Publicidade:

A reputação de Calvino foi baleada. Seu amigo du Tillet, que originalmente recomendara Calvino a Farel, escreveu-lhe em setembro de 1538: “Duvido que você tenha tido sua vocação de Deus, tendo sido chamado apenas por homens. . . que te expulsaram dali, assim como te receberam por sua exclusiva autoridade. ”(93)

Estas e muitas outras acusações feriram Calvino profundamente. Sua confiança em seu chamado foi abalada e ele vagou por um período sem um claro senso de direção (84). Ele nunca pastorearia novamente?

BUCER E ESTRASBURGO

Contudo, na gentil providência de Deus, no verão de 1538, Calvino chegou a Estrasburgo e lá encontrou um mentor em Martin Bucer. Bucer imediatamente reconheceu o que deu errado: “Sua conduta intransigente criara discórdia desnecessária. Declarar as exigências absolutas do Evangelho era imperativo, pois não havia discordância, mas os reformadores experientes também entendiam algo mais que Calvino ainda não compreendera: construir uma igreja exigia flexibilidade e paciência ”(92).

Publicidade:

Mas Calvino não era realmente necessário em Estrasburgo, então Bucer imediatamente o colocou sob sua asa para ensiná-lo a ser um pastor (86). Sob o discipulado de Bucer, Calvino concordou em pastorear uma congregação de refugiados franceses, e lá ele implementou a liturgia de Bucer, pregou e aprendeu com seu exemplo enquanto interagia com outros magistrados. Sob essa influência, a teologia de Calvino aprofundou-se e ampliou-se e ele adotou o entendimento de Bucer sobre a igreja primitiva como modelo para a organização da igreja (89).

Mas o discipulado de Calvino por Bucer não era meramente intelectual ou acadêmico. Envolveu toda a sua vida: “Bucer colocou-se a fora para Calvino em todos os aspectos: forneceu alojamento em sua própria casa, apresentou-o ao seu círculo de amigos e finalmente encontrou uma casa com um jardim onde eles poderiam facilmente se encontrar e conversar. . . . Bucer foi verdadeiramente uma figura paterna ”(89). Bucer até encorajaria Calvin a se casar – e ele ajudou a encontrar sua esposa (87)!

Por meio de sua amizade, Calvino aprendeu não apenas como ser um pastor melhor, mas também cresceu como cristão com paciência e humildade. Deus usaria esses três anos em Estrasburgo para mudar Calvino e prepará-lo para o que estava por vir.

Publicidade:

SEU RETORNO A GENEBRA

Em 1541, o conselho em Genebra votou para chamar Calvino de volta para ser seu pastor, e embora Calvino estivesse mortificado com o pensamento, ele ouviu o encorajamento de Bucer e concordou em retornar. Nos 23 anos seguintes, Calvino se entregou à igreja em Genebra, e apesar da constante oposição e sofrimento, seu ministério fiel continuaria a moldar o protestantismo até nossos dias atuais.

O relacionamento de Calvino com Bucer nos fornece um exemplo útil de formação pastoral. Simplificando, a sala de aula não é suficiente para treinar pastores. Então, se você é um jovem que aspira ao ministério, então mais importante do que escolher um seminário é encontrar uma igreja onde você possa servir sob um pastor que investirá em você.

E se você já terminou o seminário, então antes de pular direto para um pastorado de chumbo, talvez procure um assistente ou um pastor associado com um pastor mais experiente, que vai te ensinar como ser um pastor. Para complementar sua formação teológica, considere uma residência ou estágio pastoral que esteja enraizado na igreja local.

Publicidade:

E finalmente, se você é um pastor experiente, então Bucer deveria ser um modelo para você. Existem outros jovens pastores em sua cidade que você pode começar a orientar quando começarem no ministério? Você está procurando rapazes talentosos e aspirantes para trazer sob sua asa, encorajá-los e equipá-los para o ministério? Como você pode usar sua experiência para servir outros pastores a fim de que a igreja mais ampla de Jesus Cristo seja abençoada?

Treinar pastores não é algo que podemos relegar aos seminários. De fato, de acordo com o Novo Testamento, ele está embutido na descrição do trabalho pastoral (2 Tm 2: 1-2).

Calvino nunca esqueceu o impacto de Bucer em sua vida. Em 1551, ao saber da morte de Bucer, Calvino escreveu a Farel: “Recebi a última carta do piedoso Bucer. Que coração! O que um homem foi! Devemos nos alegrar em nossa tristeza pelo fato de um homem que gosta tanto de nós ter viajado para Deus ”(89–90). Que seja dito de todos os pastores que se doam para equipar a próxima geração de pastores.

Publicidade:
Image
Publicidade:
Image

[i] Todas as referências são tiradas de Bruce Gordon, Calvin (New Haven: Yale University Press, 2009).

2019 © Traduzido por Elnatan Rodrigues, texto original em Historicaltheology.org

Publicidade:
Image
Publicidade:
Image
Geoff Chang

Geoff Chang

Geoff Chang é pastor associado da Igreja Batista Hinson em Portland, Oregon (EUA). E frequentemente escreve artigos abordando diversos temas para o blog historicaltheology.org.

Publicidade:
Image