Ministério Reformai
Publicidade:

Calvinismo por Benjamin B. Warfield

Devemos começar, penso eu, lembrando precisamente o que é o calvinismo. Pode ser bem resumido nessas três proposições. O calvinismo é (1) o teísmo que atinge os seus direitos. O calvinismo é (2) a religião no auge de sua concepção. O calvinismo é (3) o evangelicalismo em sua expressão mais pura e estável.

O Teísmo que atinge seus direitos

(1) Calvinismo, eu digo, é o Teísmo que atinge seus direitos. Pois em que a fé atinge os direitos, senão em uma visão teleológica do universo? Pois, embora existam os que são chamados deuses, quer no céu ou na terra, são deuses e senhores concebidos por homens, [porém] para o Teísta, pode haver um único Deus de quem são todas as coisas e para quem são todas as coisas. Você vê, já caímos na fórmula calvinista, “A vontade de Deus é a causa das coisas”. Você observará que o teísmo e o calvinismo têm pontos de afinidade, estão próximos uns dos outros; eu diria que eles são idênticos. Digo que o teísmo verdadeiro, consistente, tudo o que deve ser, já é, em princípio, o calvinismo; que o calvinismo em seu aspecto cosmológico nada mais é do que o teísmo em sua pureza [afirmação de um único Deus, de caráter pessoal e transcendente, soberano do universo]. Abandonar o calvinismo é cair, portanto, de uma concepção verdadeiramente teísta do universo. É claro, então, cair em qualquer grau de um teísmo puro em nossa concepção das coisas é simplesmente diminuir o Calvinismo. Onde quer que, em nossa visão do mundo, um teísmo imperfeito tenha se infiltrado, ali o calvinismo se tornou impossível.

A Religião [1] no auge de sua concepção

(2) O calvinismo eu disse que é religião no auge de sua concepção, pois, qualquer coisa que possa entrar na relação religiosa consciente – um sentimento vago de mistério, uma luta que se estende em direção ao infinito, um sentimento profundo de reverência, um agudo reconhecimento ou apreensão maçante de responsabilidade – certamente sua substância está em um senso de dependência absoluta de um Ser Supremo. O que eu digo é que a religião em sua substância é um senso de dependência absoluta de Deus e atinge o auge de sua concepção somente quando esse senso de dependência absoluta é completo e onipresente no pensamento, sentimento e vida. Mas quando esse estágio é alcançado, temos apenas o calvinismo.

Pois o que é calvinismo senão a expressão teísta da religião concebida como dependência absoluta de Deus? Onde quer que encontremos a religião em sua pureza, portanto, o calvinismo está implícito. Não digo, observe novamente, que uma abordagem ao calvinismo é rastreável lá, em menor ou maior medida. Eu digo, há o Calvinismo – implícito de fato, mas realmente presente. A fé em sua pureza é o calvinismo na vida, e você pode se afastar do calvinismo apenas nessa medida se afastando da fé; e você se afasta do calvinismo apenas na proporção em que você se afasta da fé em sua pureza. É, no entanto, extremamente fácil abandonar a religião no auge de sua concepção. Podemos assumir a atitude verdadeiramente religiosa de coração e mente por um momento; é difícil mantê-la e dar-lhe um domínio ininterrupto em nosso pensamento, sentimento e ação. A atitude de nossa alma em oração – essa é a atitude da fé em seu auge. Mas preservamos a atitude que assumimos em oração para com Deus, quando nos levantamos de joelhos? Ou nosso ‘Amém!’ corta imediatamente, e continuamos falando sobre nossos assuntos de um modo totalmente diferente? Agora, o calvinismo significa apenas a preservação, em todo o nosso pensamento e sentimento e ação, da atitude de total dependência de Deus que assumimos em oração. É a essência da religião que determina todos os nossos pensamentos, sentimentos e vontade. É, portanto, contígua à religião no auge de sua concepção. Onde quer que a religião, em qualquer medida, perca as rédeas da vida e nosso pensamento imanente tenha escapado de seu controle – o calvinismo tornou-se impossível.

O Evangelicalismo na mais pura expressão

(3) Eu também disse que o Calvinismo é o evangelicalismo em sua mais pura e única expressão estável. Quando dizemos evangelicalismo, dizemos [sobre] pecado e salvação. O evangelicalismo é uma concepção soteriológica, implica em pecado e salvação do pecado. Pode haver religião sem evangelicalismo. Podemos ir mais além: a religião pode existir concebivelmente no auge de sua concepção e o evangelicalismo estar ausente. Mas não nos pecadores. O evangelicalismo é a religião no auge de sua concepção, pois se forma no coração dos pecadores. Significa total dependência de Deus para a salvação. Implica, portanto, necessidade de salvação e um sentido profundo dessa necessidade, juntamente com um sentimento igualmente profundo de desamparo na presença dessa necessidade, e dependência absoluta de Deus para sua satisfação. Seu tipo é encontrado no publicano que feriu seu peito e gritou: “Deus, seja misericordioso comigo, pecador!” (Lc 18:13). Não há possibilidades de se salvar, de ajudar Deus a salvá-lo ou de abrir o caminho para Deus salvá-lo. Nenhum questionamento, mas [uma confissão]: “Eu sou um pecador, e toda a minha esperança está em Deus meu Salvador!” Agora isso é calvinismo; não alguma coisa parecida com o calvinismo ou uma abordagem para entrar no calvinismo, mas apenas o calvinismo em sua manifestação vital. Onde quer que esta atitude de coração seja encontrada e seja dada expressão em termos diretos e não ambíguos, existe o Calvinismo. Onde quer que esta atitude de mente e coração se afaste, por menor que seja a medida, o calvinismo se tornou impossível.

Para o calvinismo, neste aspecto soteriológico, é apenas a percepção, expressão e defesa da dependência absoluta da alma na livre graça de Deus para a salvação. Todas as suas caraterísticas são chamadas duras – sua doutrina do pecado original, sua doutrina da depravação total e toda a incapacidade da vontade humana para o bem; sua doutrina da eleição, ou, para colocar nas palavras daqueles que são contra, sua doutrina de predestinação e preterição, da própria reprovação – significam apenas isso e nada mais.

O calvinismo não faz um jogo com a livre graça de Deus. Está determinado a dar a Deus e somente a Deus a glória e toda a glória da salvação. Existem outros que não calvinistas, sem dúvida, que gostariam de fazer a mesma grande confissão. Mas eles fazem isso com reservas, ou justificam dolorosamente a elaboração de uma teoria tênue que confunde natureza e graça. Eles deixam armadilhas lógicas deste lado ou daquele, e a diferença entre armadilhas lógicas e outras armadilhas é que o viajante pode cair dentro de outras, mas só o homem comum [2] , só porque é uma mente simples, pode cair nelas. O calvinismo não deixa armadilhas lógicas e não faz reservas. Não tem nada a ver com teorias cuja função é explicar os fatos. Confessa, com um coração cheio de gratidão de adoração que a Deus e só a Deus pertence a salvação e toda a salvação; que Ele é, e somente Ele, que trabalha a salvação em todas as suas esferas. Qualquer diminuição, na menor medida desta grande confissão, é se afastar do calvinismo. Qualquer intrusão de qualquer mérito, ato ou disposição humana, ou poder, como fundamento, causa ou ocasião, no processo da salvação divina – seja no caminho do poder para resistir ou da capacidade de melhorar a graça, da abertura da alma para a recepção da graça, ou do emprego da graça já recebido – é uma brecha com o calvinismo.

A dificuldade humana em aceitar as verdades do calvinismo

O calvinismo é o lançamento da alma inteiramente na livre graça de Deus, a quem somente pertence a salvação. E, sendo tal a natureza do calvinismo, parece pouco necessário investigar do porquê que suas fortunas aparecem de tempos em tempos, e agora novamente em nosso tempo [3] sofrendo algum recuo. Isso não pode desaparecer na terra se o sentimento de pecado não sair do coração da humanidade pecadora – se o sentimento de Deus não desaparecer das mentes das criaturas dependentes – se o próprio Deus não perecer nos céus. Suas fortunas estão ligadas às fortunas do teísmo, religião, evangelicalismo; pois é apenas o teísmo, a religião e o evangelicalismo na mais pura concepção e manifestação. Na pureza de sua concepção e manifestação – existe a sede da dificuldade. É proverbialmente difícil reter, muito mais para manter a perfeição. E como exatamente essas coisas podem ser mantidas no seu auge? Considere as correntes de pensamento fluindo para cima e para baixo no mundo, tendendo – agora não digo para obliterar a percepção do Deus de todos; o naturalismo ateísta, o evolucionismo materialista ou panteísta – mas para obscurecer ou obscurecer nossa percepção da mão divina na sequência dos eventos e das questões das coisas. Considere o orgulho do homem, sua afirmação de liberdade, seu orgulho de poder, sua recusa em reconhecer a influência da vontade de outro. Considere a confiança arraigada do pecador em sua própria natureza fundamentalmente boa e sua capacidade total de realizar tudo o que pode ser justamente exigido dele.

É estranho que neste mundo, nesta época em particular, seja difícil preservar não apenas ativo, mas vívido e dominante, a percepção da mão determinante de Deus em toda parte, o senso de absoluta dependência dEle, a convicção de absoluta incapacidade de fazer até mesmo o mínimo para resgatar-nos do pecado – no auge de suas concepções? Não é o suficiente para explicar o recuo que o Calvinismo pode estar sofrendo no mundo hoje para apontar para a dificuldade natural – nesta era materialista, consciente de seus poderes recém-formados contra as forças da natureza e cheios do orgulho de realização e do bem-estar material – de guardar nossa percepção da mão governadora de Deus em todas as coisas, em sua perfeição; de manter nosso senso de dependência de um poder superior com força total; de preservar nosso sentimento de pecado, indignidade e desamparo em sua profundidade? Não é o recuo do calvinismo, na medida em que é real, apenas significante disto, que para nossa época a visão de Deus tornou-se um tanto obscurecida no meio de abundantes triunfos materiais, que a emoção religiosa em alguma medida deixou de ser a força determinante na vida, e que a atitude evangélica de completa dependência de Deus para a salvação não se recomenda prontamente a homens que estão acostumados a colocar mãos vigorosas em tudo o que desejam, e que não entendem por que não podem levar o céu também pela tempestade?

Tais sugestões podem parecer bastante gerais, talvez até um tanto indefinidas. Eles, no entanto, parecem-me incorporar a verdadeira e a totalidade da conta de qualquer recuo das fortunas que o Calvinismo possa estar sofrendo hoje. Em nossas filosofias atuais, seja evolucionismo monista ou pragmatismo pluralista, o teísmo está longe de chegar aos seus direitos. Nas atividades árduas de nossa vida materializada, a religião tem pouca oportunidade de se afirmar em sua pureza. Em nossa incansável afirmação de nosso poder e valor pessoal, o evangelicalismo cai facilmente em segundo plano. Em uma atmosfera criada por tal estado de coisas, como poderia o Calvinismo prosperar?

Podemos, é claro, insistir em um relato mais específico de suas fortunas esquecidas. Mas, ao tentar ser mais específico, o que podemos fazer senão destacar aspectos particulares da situação geral para observação especial? É possível, de fato, que a escolha de um desses aspectos possa dar clareza e apontar para o fato geral, e pode valer a pena, portanto, atender a um desses aspectos especiais por um momento.

Calvinismo é render a Deus os seus direitos em todas as esferas

Observemos então que o Calvinismo é apenas outro nome para o sobrenaturalismo [4] consistente na religião. O fato central do calvinismo é a visão de Deus. Seu princípio determinante é o zelo pela honra divina. O que se propõe a fazer é render a Deus os seus direitos em todas as esferas da atividade da vida. Nisso começa, se desenvolve e termina. É isso que é dito, quando se diz que é o Teísmo que se torna seu direito, já que nesse caso tudo o que acontece é visto como o resultado direto do propósito divino – quando se diz que é religião no auge de sua concepção, já que nesse caso Deus é conscientemente sentido como Aquele em quem vivemos, nos movemos e temos nosso ser – quando se diz que é o evangelicalismo em sua pureza, pois nesse caso nos lançamos como pecadores, sem reservas. , totalmente à mercê da graça divina. É esse sentido de Deus, da presença de Deus, do poder de Deus, da atividade que tudo permeia de Deus – sobretudo no processo de salvação – que constitui o calvinismo.

Quando o calvinista olha para o espelho do mundo, seja o mundo da natureza ou o mundo dos acontecimentos, sua atenção é mantida não pelo próprio espelho (com a construção astuta da qual as investigações científicas podem, sem dúvida, estar muito bem ocupadas), mas pelo rosto de Deus que ele vê refletido nele. Quando o calvinista contempla a vida religiosa, ele está menos preocupado com a natureza psicológica e as relações das emoções que surgem através da alma (com as quais os adeptos da nova ciência da psicologia da religião talvez não estejam se engajando); com a Fonte divina da qual eles brotam, o Objeto divino sobre o qual eles se apegam. Quando o calvinista considera o estado de sua alma e a possibilidade de resgatá-lo da morte e do pecado, ele não pode, de fato, ser cego para as respostas que ele pode dar pela graça divina, mas em Deus ele vê cada passo de sua recuperação para o bem e para Deus o Todo-poderoso trabalho da graça de Deus.

Calvinismo é ver Deus em tudo

O calvinista é, portanto, por eminência, o sobrenaturalista no mundo do pensamento. O mundo em si é para Ele um produto sobrenatural, não apenas no sentido de que, em algum lugar, longe antes de todos os tempos, Deus fez isso, mas que Deus está fazendo isso agora, e em todo evento que acontece. Em cada modificação do que é, isso acontece, Sua mão é visível, como através de todas as ocorrências, Seu “único propósito crescente ocorre”. O próprio homem é Seu – criado para a Sua glória, e tendo como um supremo fim de sua existência para glorificar seu Criador, e também para desfrutá-Lo para sempre [5]. E a salvação, em cada passo e estágio disso, é de Deus. Concebido no amor de Deus, forjado pelo próprio Filho de Deus em uma vida e morte sobrenatural neste mundo de pecado, e aplicado pelo Espírito de Deus em uma série de atos tão sobrenaturais quanto o nascimento virginal e a ressurreição do próprio Filho de Deus – é um trabalho sobrenatural por completo. Para o calvinista, assim, a Igreja de Deus é tão direta a criação de Deus quanto a primeira criação em si. Nesse sobrenaturalismo, todo o pensamento, sentimento e vida do calvinista está impregnado. Sem isso, não pode haver calvinismo, pois é justamente isso que é calvinismo.

Tempos sombrios: O homem no centro

Agora, o tempo em que vivemos, é tudo menos sobrenaturalista; é claramente hostil ao sobrenaturalismo. Sua característica mais marcante é justamente seu racionalismo profundamente enraizado e abrangente de pensamento e sentimento. Conhecemos a origem desse naturalismo moderno; podemos traçar sua história. O que é mais importante observar, no entanto, é que não podemos escapar de sua influência. Em sua ascensão, no final do século XVII, iniciou-se uma nova era, uma época em que os homens tiveram pouca consideração pelos direitos de Deus em sua absorção pelos direitos do homem. O deísmo inglês, o enciclopedismo francês, o iluminismo alemão – esses são alguns dos frutos que ele deu no progresso de seu desenvolvimento. E agora, finalmente, corre a semente em nossos próprios dias, o que arroga a si mesmo o nome do Novo Protestantismo – aquele Novo Protestantismo que repudia Lutero e todos os seus ardentes caminhos, e se volta mais por seu parentesco espiritual ao indiferentismo religioso de Erasmo. Ele invadiu com seu solvente toda forma de pensamento e toda atividade da vida. Ela nos deu uma filosofia naturalista (na qual todo “ser” é evaporado em “tornar-se”), uma ciência naturalista (cujo único objetivo é eliminar o design do universo); uma política naturalista (cujos primeiros frutos foi a Revolução Francesa, e cuja última pode muito bem ser um socialismo ateu); uma história naturalista (que dificilmente pode encontrar lugar para a personalidade humana entre as causas dos eventos); e uma religião naturalista, que diz: “Tire as mãos” para Deus – se de fato se preocupa em considerar se existe um Deus, se existe um Deus, se Ele é uma pessoa, ou se Ele é uma pessoa, se Ele pode ou se preocupará com os homens.

Vocês, que são ministros do evangelho, foram muito obstruídos por esse naturalismo do pensamento atual na acusação de seu chamado. Quantos daqueles a quem você levaria a mensagem da graça acha-se preocupado com um preconceito naturalista? Quem de seu conhecimento realmente coloca Deus como um fator no desenvolvimento do mundo? Quantas vezes você foi exortado a buscar um progresso “natural” para o curso dos acontecimentos da história? Sim, até mesmo para a história da redenção. Assim, mesmo na região de sua própria ciência teológica, uma nova Bíblia foi dada a você – não oferecida a você meramente, mas violentamente colocada sobre você, como a única Bíblia que um homem racional pode receber – uma nova Bíblia reconstruída com base no princípio de desenvolvimento natural, rasgado em pedaços e rearranjado sob o impulso de dominar para encontrar uma ordem “natural” de sequência para seus livros, e um curso “natural” de desenvolvimento para a religião cujos registros ela preserva. Mas por que parar com a Bíblia? Seu próprio divino Redentor foi reconstruído, nas mesmas linhas naturalistas. Por um século e meio agora – de Reimarus a Wrede – todas as resoluções de uma era preeminente para a erudição foram direcionadas para a tarefa de dar a você um Jesus “natural”. Por que falar aqui dos milagres do Antigo Testamento ou do Novo? Isto é o Milagre do Antigo Testamento e do Novo que é realmente trazido para a questão. Por que disputar o nascimento virginal e a ressurreição de Jesus? É a eliminação do próprio Jesus, como um simples homem dos seus dias – em nada, exceto, talvez, uma experiência religiosa invulgarmente vívida, diferenciada de outros camponeses galileanos de sua época – de que o frenesi naturalista de nossa época está assentado. E tão furiosamente a tarefa foi impelida, que a escolha que é colocada diante de nós no final do dia é, praticamente, entre nenhum Jesus ou um fanático, para não dizer um Jesus paranoico.

Nesta atmosfera anti-sobrenatural, é estranho que os homens achem difícil o sobrenaturalismo puro da confissão calvinista – que eles hesitem em sua firme confiança de que é Deus quem reina no céu e na terra, que nEle todos vivemos e nos movemos e temos o nosso ser – que é Ele, e não nós mesmos, que cria em nós todo impulso para o bem – e que somente o Seu braço todo-poderoso nos pode salvar do pecado e trazer à salvação de nossas almas indefesas? É estranho que também aqui os homens percorram a estrada larga e batida por muitos pés – que o portão calvinista parece estreito, de modo que poucos os encontram e o caminho calvinista é tão estreito que poucos são os que o atravessam?

Calvinismo é o Cristianismo

Mas não nos enganemos aqui. Pois aqui também o calvinismo é apenas cristianismo. O sobrenaturalismo para o qual o calvinismo se sustenta é o próprio sopro das narinas do cristianismo; sem isso, o cristianismo não pode existir. E não imaginemos que podemos escolher com respeito aos aspectos desse sobrenaturalismo que reconhecemos – que podemos, por exemplo, conservar o sobrenaturalismo na origem do cristianismo e renunciar ao sobrenaturalismo com o qual o calvinismo é mais imediatamente preocupado, o sobrenaturalismo da aplicação do cristianismo. Os homens não acreditarão que uma religião, cujo funcionamento natural é natural no mundo, possa ter exigido ser introduzida no mundo com pompa e exibição sobrenaturais. Esses sobrenaturais estão de pé ou caem juntos.

Um redentor sobrenatural não é necessário para uma salvação natural. Se pudermos salvar a nós mesmos; era grosseiramente incongruente que Deus descesse do céu para nos salvar, arrastando nuvens de glória com Ele como Ele veio. A lógica do sistema sociniano nos deu ao mesmo tempo um Cristo humano e uma religião auto-esotérica. A mesma lógica funcionará hoje e todos os dias até o fim dos tempos. É somente para uma salvação verdadeiramente sobrenatural que uma redenção verdadeiramente sobrenatural, ou um Redentor verdadeiramente sobrenatural, é exigida, ou pode ser acreditada. E isso nos revela o lugar real que o Calvinismo mantém nas controvérsias de hoje, e o serviço é render na preservação do cristianismo para o futuro. Somente o calvinista é o sobrenaturalista consistente, e apenas o sobrenaturalismo consistente pode salvar a religião sobrenatural para o mundo.

Calvinismo é crer numa salvação sobrenatural

O fato sobrenatural, que é Deus; o ato sobrenatural, que é milagre; o trabalho sobrenatural, que é a vontade revelada de Deus; a redenção sobrenatural, que é o ato divino do Cristo divino; a salvação sobrenatural que é a obra divina do Espírito divino – essas coisas formam um sistema, e você não pode extrair um item sem abalar o todo. O que o calvinismo particularmente afirma é o sobrenaturalismo da salvação, como a obra imediata de Deus, o Espírito Santo na alma, em virtude da qual somos feitos novas criaturas em Cristo nosso Redentor, e enquadrados nos filhos de Deus Pai. E é só ele que acredita vivamente no sobrenaturalismo da salvação, que não é fatalmente prejudicado em enfrentar os assaltos dessa cosmovisão anti-sobrenaturalista que se ostenta tão triunfalmente sobre nós. Escondê-lo de nós mesmos como podemos, derrota aqui encontra-se em frente ao caminho de todos os esquemas indiferentes e comprometendo construções. É isso que o falecido Dr. H. Boynton Smith quis dizer quando declarou categoricamente: “Uma coisa é certa: que a Infidel Science vai acabar com tudo, exceto a completa ortodoxia cristã. A luta será entre uma rígida ortodoxia e uma rígida infidelidade. Será, por exemplo, Agostinho ou Comte, Atanásio ou Hegel, Lutero ou Schopenhauer, JS Mill ou João Calvino”. Essa testemunha é verdadeira.

Não podemos ser sobrenaturalistas em nossos pensamentos e naturalistas em substância. Não podemos ser sobrenaturalistas em relação aos fatos remotos da história e naturalistas em relação aos eventos íntimos da experiência. Não podemos ser sobrenaturalistas em relação ao que ocorreu há dois mil anos na Palestina e simplesmente naturalistas em relação ao que ocorre hoje em nossos corações. Nenhuma forma de sobrenaturalismo cristão pode ser mantida em qualquer departamento da vida ou pensamento, a não ser que leve consigo o sobrenaturalismo da salvação. E um sobrenaturalismo consistente da salvação é apenas outro nome para o calvinismo.

Assim, o calvinismo surge para nossa visão como nada mais ou menos do que a esperança do mundo.


Notas:
[1] O termo “religião” sofreu grandes mudanças em seu significado, na época do autor (1851-1921) esse termo carregava um valor piedoso o que ficou perdido no tempo, sendo hoje uma palavra “religião” contendo um significado negativo.
[2] O autor por “homem comum” quer dizer pessoas que não possuem sólidas instruções ou conhecimentos bíblicas. Podemos, logo, entender que para Benjamin B. Warfield homens agraciados por conhecimentos sólidos das Escrituras não são comuns, isto é, eles estão a par da naturalidade e livres de serem enganados.

[3] B. B. Warfield é considerado um dos últimos de sua época (século XIX-XX) a defender a ortodoxia calvinista. Já nesse período a cosmovisão calvinista estava em declínio nas academias e igrejas.
[4] O termo “sobrenaturalismo” não deve ser confundido como “experiências sobrenaturais”, mas unicamente de crer um Deus Sobrenatural atuando ativamente em todas as esferas da vida.

[5] Catecismo Menor de Westminster, resposta da 1ª Pergunta.

2019 © Traduzido por Amanda Martins, revisado por Elnatan Rodrigues.

Benjamin Warfield

Benjamin Warfield

Benjamin B. Warfield (1851-1921) foi professor de teologia no Seminário Teológico de Princeton. Foi um dos grandes defensores da ortodoxia calvinista.

Publicidade: