Reformai
Publicidade:
Home | Credo Apostólico: História e Autoridade

Credo Apostólico: História e Autoridade(23 min de Leitura)

Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso, Criador do céu e da terra;
E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor;
Que foi concebido pelo Espírito Santo, nasceu da virgem Maria;
Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu ao Hades; [1]
Ressuscitou no terceiro dia;
Subiu ao céu e está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso;
Donde virá para julgar os vivos e os mortos.
Creio no Espírito Santo;
Na santa igreja universal, [2]
Na comunhão dos santos;
Na remissão dos pecados;
Na ressurreição do corpo
Na vida eterna.
Amém.

Credo dos Apóstolos

Negar qualquer parte do Credo do Apóstolo é ignorar os ensinamentos cruciais da igreja cristã. Embora a igreja cristã não afirme que os credos e as confissões podem substituir ou complementar a própria Bíblia, é importante saber que o próprio credo do apóstolo está apenas reiterando o que os próprios apóstolos ensinaram.

A Origem do Credo dos Apóstolos

A igreja primitiva não tinha credos definidos sistematicamente como temos hoje. Os ensinamentos cristãos foram transmitidos por meio da pregação dos santos. A igreja primitiva ensinava o que está basicamente no credo dos apóstolos, mas eles nunca tiveram uma forma escrita de seu ensino e o chamaram de “O credo dos apóstolos”. Não foi até heresias e divisões na igreja que quaisquer credos foram estabelecidos.

O primeiro credo estabelecido que foi aceito pela igreja como um todo foi o Credo Niceno. O Credo Niceno foi estabelecido pela igreja Ecumênica em 325 d.C. O credo dos apóstolos foi estabelecido pouco depois.

Publicidade:

“O Antigo Credo Romano”

De acordo com o livro “Documentos da Igreja Cristã”, de Henry Bettensons:

“De Epiphanius, lxxii. 3 (PG xliii. 385 D). O credo de Marcelo, bispo de Ancira, entregue a Júlio, bispo de Roma, c. 340. Marcelo havia sido exilado de sua diocese por influência ariana e passou quase dois anos em Roma. Ao partir, ele deixou esta declaração de sua crença.

Rufinus, sacerdote de Aquileia, Exposito in Symbolum, c. 400 (PL xxi. 335 B), compara o credo de Aquiléia com o credo romano que ele acreditava ser a regra de fé composta pelos apóstolos em Jerusalém, que havia sido mantida como um credo batismal na Igreja Católica Romana. Esse credo difere daquele de Marcelo apenas em pequenos detalhes.

1. Eu acredito em Deus Todo-poderoso [Ruf. o Pai todo poderoso]
2. E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor
3. Que nasceu do Espírito Santo e da Virgem Maria
4. Que foi crucificado sob Pôncio Pilatos e foi sepultado
5. E no terceiro dia ressuscitou dentre os mortos
6. Quem ascendeu ao céu
7. Senta-se à direita do Pai
8. De onde Ele vem para julgar os vivos e os mortos
9. Creio no Espírito Santo
10. Na Santa Igreja
11. Na remissão dos pecados
12. Na ressurreição da carne
13. Na vida eterna. [Ruf. omite.]” [3]

Henry Bettenson mostra ainda que a versão moderna do Credo dos Apóstolos não foi encontrada escrita até,

Publicidade:

“Um credo galicano do século VI. [Extraído de um sermão (psuedo-agustinus, 244) de Cesarius, bispo de Arles, 503-543.]” [4]

Embora não haja nenhuma representação escrita verificável por palavra do Credo dos Apóstolos antes de 340 d.C., podemos ter certeza de que o Credo dos Apóstolos é a representação mais precisa da Fé Cristã na forma de um credo. Os ensinamentos dentro do credo dos apóstolos podem ser rastreados até a própria Bíblia e por meio dos pais da igreja primitiva.

O ensino do Credo dos Apóstolos transmitido por meio dos Santos

A origem do Credo dos Apóstolos pode ser traçada a partir do Novo Testamento, dos próprios apóstolos e dos escritos dos pais da igreja primitiva. Todas as citações dos Pais da Igreja Primitiva vêm de “Os Pais da Igreja Primitiva”, de Philip Schaff (1819-1893).

Publicidade:
O Credo dos ApóstolosProvações Escriturísticas
Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso
Is 63:16, Mt 6:9, 23: 9, Lc 11: 2
Criador do céu e da terraGn 2: 4, Ex 31:17, Sl 89:11-13, At 4:24, 14:15, Ef 3: 9
E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso SenhorSl 2:7, Jo 1 1-4, 14, 3:16, 16:28, At 13:33, Hb 5: 5, 1 Jo 4:9
Que foi concebido pelo Espírito Santo, nascido da Virgem MariaIs 7:14, Mt 1:20-23, Lc 1: 30-35, Jo 1:14, Gl 4:4, 1 Jo 4:2
Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultadoIs 53: 4-5, Jo 19:18, At 4:10, 27, 1 Tm 6:13,
Desceu ao HadesSl 16:10, At 2:24, 27, 13: 33-37, Ef 4: 8-10, 1 Pe 3:19
Ressuscitou no terceiro dia
Mt 27:40, 67, Mc 8:31, 10:36, Jo 20: 19-20, 25-29, At 2:32, 3:15, 4:33, 1 Co 15: 12-22, Gl 1:1
Subiu ao céuLc 24:51, At 1:9-11, Ef 4:8-10, Hb 4:14, 9:24 
Está sentado à direita de Deus Pai Todo-PoderosoSl 110:1, Mc 16:19, At 2:33, 5:31, 7:55-56, Hb 12:2, Hb 8:1, 1 Pe 3:21-22
Donde virá para julgar os vivos e os mortosJo 5: 2-23, At 10:42, Rom 14:10, 2 Co 5:10, 2 Tm 4:1, 1 Pe 4:4-5
Creio no Espírito SantoEz 39:29, Jo 14:26, At 2:17, 13: 2, 1 Co 2:10-11, 12:13, Hb 3:7-9
Na santa igreja universalAt 9:31, 1 Co 1:1-2, 2 Co 1:1, 1 Tm 3:15, Hb 12:22-25, 1 Pe 1: 1
Na comunhão dos santosAt 2:42, Rm 12: 4-13, 15: 26-27, 1 Co 1:9, 2 Co 8: 3-4, Fp 2:1-4, 1Jo 1: 3
Na remissão dos pecadosNe 9:17, Mc 11:26, Mt 6:12-15, Lc 6:37-38, Cl 1: 13-14, 2:13-14, Ef 1:7
Na ressurreição do corpo
Ec 12: 7, Mt 22: 31-32, Mc 12: 18-27, Lc 20:27-37, Rm 8:23, 1 Co 15: 38-56, 2 Co 4:14
Na vida eterna. Amém.Dn 12:2, Mt 25:31-33, Lc 16:22-23, Jo 5:28-29, Rm 6:22-23, Gl 6: 7-8, Tt 3:5-7

Podemos ver, estudando o Credo dos Apóstolos, que o Credo foi derivado da própria Bíblia. Mas não é apenas o Credo derivado da Bíblia, este Credo fornece uma base precisa para o desenvolvimento de toda a Teologia Cristã: Cristologia, Soteriologia, Eclesiologia e Escatologia, que é a base de toda Teologia Sistemática que conhecemos hoje. O Credo dos Apóstolos formula o “argumento” para a Fé Cristã/Católica dando uma base sólida para construir sua filosofia de vida.

O Credo dos Apóstolos levou ao desenvolvimento de outras declarações sólidas de fé de anos de Apologética (a defesa da fé). A Confissão de Fé de Westminster e virtualmente todas as Confissões e credos estão enraizados no Credo dos Apóstolos. A apologética é uma parte central da fé cristã/católica. No início da Igreja, os apóstolos gastaram muito de seu tempo contrariando diversos pontos de vista que se opunham ao significado original dos apóstolos. O apóstolo Paulo escreve,

Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.

Gálatas 1:8

O apóstolo Paulo estava constantemente tendo que explicar o evangelho novamente por causa das pessoas espalhando pontos de vista contrários. O Credo dos Apóstolos se desenvolveu por meio de argumentos contra aqueles que não aderem ao ensino apostólico original. Todos os santos que seguiram os ensinamentos bíblicos dos apóstolos permaneceram firmes em sua fé em guardar aquele ensinamento que se encontra no credo dos apóstolos.

Publicidade:

A Regra de Fé ou da Verdade

Os santos ensinaram o que chamaram de “Regra de fé”, que é essencialmente o credo dos apóstolos. A base do Cristianismo e do Evangelho é a Regra de Fé que se encontra no Credo dos Apóstolos.

Apóstolo Pedro

A maior parte do credo dos apóstolos é encontrada no sermão do apóstolo Pedro em Atos:

“Homens israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis; A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos; Ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela; Porque dele disse Davi: Sempre via diante de mim o Senhor, Porque está à minha direita, para que eu não seja comovido; Por isso se alegrou o meu coração, e a minha língua exultou; E ainda a minha carne há de repousar em esperança; Pois não deixarás a minha alma no inferno, Nem permitirás que o teu Santo veja a corrupção; Fizeste-me conhecidos os caminhos da vida; Com a tua face me encherás de júbilo. Homens irmãos, seja-me lícito dizer-vos livremente acerca do patriarca Davi, que ele morreu e foi sepultado, e entre nós está até hoje a sua sepultura. Sendo, pois, ele profeta, e sabendo que Deus lhe havia prometido com juramento que do fruto de seus lombos, segundo a carne, levantaria o Cristo, para o assentar sobre o seu trono, Nesta previsão, disse da ressurreição de Cristo, que a sua alma não foi deixada no inferno, nem a sua carne viu a corrupção. Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas. De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis. Porque Davi não subiu aos céus, mas ele próprio diz: Disse o Senhor ao meu Senhor:Assenta-te à minha direita, Até que ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés. Saiba pois com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.” [5]

Publicidade:

Santo Inácio de Antioquia

Os ensinamentos do santo Inácio de Antioquia continham as partes essenciais do credo dos apóstolos dentro deles. Sua epístola de Inácio aos Magnesianos foi escrita durante o primeiro século. Inácio disse,

“Estas coisas [dirijo-me a vocês], meus amados, não que eu saiba que algum de vocês esteja em tal estado; mas, como menos do que qualquer um de vocês, desejo guardá-los antecipadamente, para que não caiam nas armadilhas da vã doutrina, mas para que possam, antes, atingir uma plena certeza em Cristo, que foi gerado pelo Pai antes de todos os tempos, mas depois nasceu da virgem Maria sem qualquer relação com o homem. Ele também viveu uma vida santa e curou todo tipo de doença e enfermidade entre o povo, e operou sinais e maravilhas para o benefício dos homens; e para aqueles que haviam caído no erro do politeísmo, Ele tornou conhecido o único Deus verdadeiro, Seu Pai, e sofreu a paixão e suportou a cruz nas mãos dos judeus assassinos de Cristo, sob Pôncio Pilatos, o governador, e Herodes o rei. Ele também morreu e ressuscitou, e subiu aos céus para Aquele que O enviou, e está assentado à Sua direita, e virá no fim do mundo, com a glória de Seu Pai, para julgar os vivos e os mortos, e retribuir a cada um segundo para suas obras. Aquele que conhece essas coisas com plena segurança e acredita nelas é feliz; da mesma forma que agora vocês amam a Deus e a Cristo, na plena certeza de nossa esperança, da qual nenhum de nós jamais pode ser desviado!” [6]

Santo Irineu

Irineu explica como o ensino do evangelho (encontrado no Credo dos Apóstolos) está preservando a tradição antiga em seus escritos Contra as heresias entre 182 e 188 d.C.

Publicidade:

“Ao que muitas nações daqueles bárbaros que acreditam em Cristo concordam, tendo a salvação escrita em seus corações pelo Espírito, sem papel ou tinta, e, preservando cuidadosamente a tradição antiga, crendo em um Deus, o Criador do céu e da terra, e todas as coisas nele, por meio de Cristo Jesus, o Filho de Deus; que, por causa de Seu amor insuperável para com a Sua criação, condescendeu em nascer da virgem, Ele mesmo unindo o homem por Si mesmo a Deus, e tendo sofrido sob Pôncio Pilatos, e ressuscitado, e tendo sido recebido em esplendor, entrará glória, o Salvador dos que são salvos, e o Juiz dos que são julgados, e enviando para o fogo eterno aqueles que transformam a verdade e desprezam Seu Pai e Seu advento. Aqueles que, na ausência de documentos escritos, acreditaram nesta fé, são bárbaros, no que diz respeito à nossa língua; mas com respeito à doutrina, maneira e teor de vida, eles são, por causa da fé, muito sábios; e eles agradam a Deus, ordenando suas conversas com toda a justiça, castidade e sabedoria.” [7]

Tertuliano

Tertuliano, por volta de 208 d.C., escreveu “A Prescrição Contra os Hereges”, onde expõe os fundamentos do que é encontrado no Credo dos Apóstolos ou “A Regra de Fé”.

“Agora, no que diz respeito a esta regra de fé – para que possamos, a partir deste ponto, reconhecer o que é que defendemos – é, você deve saber, o que prescreve a crença de que há um só Deus e que Ele não é outro senão o Criador do mundo, que produziu todas as coisas do nada por meio de Sua própria Palavra, antes de tudo enviado; que esta Palavra é chamada de Seu Filho, e, sob o nome de Deus, foi vista “de diversas maneiras” pelos patriarcas, ouvida em todos os tempos nos profetas, finalmente trazida pelo Espírito e pelo Poder do Pai à Virgem Maria se fez carne em seu ventre e, nascendo dela, saiu como Jesus Cristo; daí em diante Ele pregou a nova lei e a nova promessa do reino dos céus, operou milagres; tendo sido crucificado, Ele ressuscitou ao terceiro dia; (então) tendo ascendido aos céus, Ele se assentou à destra do Pai; enviou, em vez de Si mesmo, o Poder do Espírito Santo para liderar os que crêem; virá com glória para levar os santos ao desfrute da vida eterna e das promessas celestiais, e para condenar os ímpios ao fogo eterno, depois que a ressurreição de ambas as classes tiver acontecido, junto com a restauração de sua carne. Esta regra, como será provado, foi ensinada por Cristo, e não levanta entre nós outras questões além daquelas que as heresias introduzem, e que tornam os homens hereges junto com a restauração de sua carne. Esta regra, como será provado, foi ensinada por Cristo, e não levanta entre nós outras questões além daquelas que as heresias introduzem, e que tornam os homens hereges junto com a restauração de sua carne. Esta regra, como será provado, foi ensinada por Cristo, e não levanta entre nós outras questões além daquelas que as heresias introduzem, e que tornam os homens hereges.” [8]

Publicidade:

Novaciano, um Presbítero Romano

Escrito de Novaciano após a heresia de Sabélio, que apareceu em 256 d.C., escreveu “Um Tratado de Novaciano sobre a Trindade”. Este tratado contém a defesa da trindade e os fundamentos do Credo dos Apóstolos.

“A regra da verdade exige que, antes de mais nada, creiamos em Deus Pai e Senhor Onipotente; isto é, o Fundador absolutamente perfeito de todas as coisas, que suspendeu os céus em elevada sublimidade, estabeleceu a terra com sua massa inferior, difundiu os mares com sua umidade fluente e distribuiu todas essas coisas, tanto adornadas quanto abastecidas com seus instrumentos apropriados e adequados.” [9]

Pois João diz: “O Verbo se fez carne e habitou entre nós”; para que, razoavelmente, nosso corpo esteja Nele, porque de fato o Verbo tomou sobre Ele a nossa carne. E por esta razão o sangue fluiu de Suas mãos e pés, e mesmo de Seu lado, para que Ele pudesse ser provado ser um participante de nosso corpo, morrendo de acordo com as leis de nossa dissolução. E que Ele ressuscitou na mesma substância corpórea em que morreu, é provado pelas feridas daquele mesmo corpo, e assim Ele mostrou as leis de nossa ressurreição em Sua carne, em que Ele restaurou o mesmo corpo em Sua ressurreição que Ele tinha de nós. [10]

Publicidade:

Pois da mesma forma que Isaías diz: “Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e poreis o seu nome Emanuel, que é, interpretado, Deus conosco”; então o próprio Cristo diz: “Eis que estou convosco, até à consumação do mundo”. [11]

Ou que Ele deveria se sentar à destra do Pai: “Disse o Senhor ao meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que eu coloque os Teus inimigos como o banco dos Teus pés”. Ou quando Ele é apresentado como o possuidor de todas as coisas: “Pede-me e eu te darei os gentios por tua herança e os confins da terra por Tua possessão”. Ou quando Ele é mostrado como Juiz de todos: “Ó Deus, dá ao Rei o Teu julgamento e a Tua justiça ao Filho do Rei.”. [12]

Eusébio de Cesaréia

Eusébio de Cesaréia compartilhou com o conselho de Nice o credo de suas igrejas que eles usaram em 325 d.C. O Credo de Eusébio de Cesaréia, que ele apresentou ao conselho, e que alguns supõem ter sugerido que o credo finalmente foi adotado. (Encontrado em sua epístola à diocese; vide: Santo Atanásio e Teodoreto.)

Publicidade:

Cremos em um só Deus, Pai Todo-Poderoso, Criador das coisas visíveis e invisíveis; e no Senhor Jesus Cristo, pois ele é o Verbo de Deus, Deus de Deus, Luz da Luz, vida de vida, seu Filho unigênito, o primogênito de todas as criaturas, gerado do Pai antes de todos os tempos, por quem também tudo foi criado, que se fez carne para nossa redenção, que viveu e sofreu entre os homens, ressuscitou no terceiro dia, voltou para o Pai, e um dia voltará em sua glória para julgar os vivos e os mortos. Cremos também no Espírito Santo. Acreditamos que cada um desses três é e subsiste; o Pai verdadeiramente como Pai, o Filho verdadeiramente como Filho, o Espírito Santo verdadeiramente como Espírito Santo; como também disse nosso Senhor, quando enviou seus discípulos para pregar: Ide e ensinai todas as nações e batizai-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. [13]

São Jerônimo

Por volta do ano 398 ou 399, São Jerônimo diz:

“No símbolo da nossa fé e esperança, que foi entregue pelos Apóstolos, e não está escrito com papel e tinta, mas nas tábuas carnudas do coração, depois da confissão da Trindade e da unidade da Igreja, todo o símbolo do dogma cristão termina com a ressurreição da carne.” [14]

Publicidade:

Os ensinamentos do Credo dos Apóstolos são historicamente corretos com os ensinamentos dos Apóstolos e contêm o próprio evangelho.



[1] Hades é a expressão original empregada no Credo dos Apóstolos. Hades é a palavra grega que traduz a palavra hebraica “sheol”. A versão latina do Credo usa a palavra “inferno”. “Desceu ao Hades” expressa o sentido oposto de “ressurgido dentre os mortos”. Outra interpretação afirma que a expressão representa os tormentos infernais da ira de Deus que Cristo sofreu na cruz.
[2] Também usado “igreja católica” e “igreja cristã”.
[3] Section II Creeds, Chapter I Apostles Creed, pag. 23
[4] Ibid
[5] Atos 2:22-36, ACF – Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil
[6] A Epístola de Inácio aos Magnesianos, Capítulo XI. — I
[7] Contra as Heresias: Livro III, Capítulo IV.-2
[8] I. A prescrição contra os hereges. Capítulo XIII
[9] Um Tratado de Novaciano sobre a Trindade, Capítulo I
[10] Ibid, Capítulo X
[11] Ibid, Capítulo XII
[12] Ibid, Capítulo IX
[13] Primeiro Concílio Ecumênico. O Primeiro Conselho de Nice. O Credo Niceno.
[14] Para Pamáquio contra João de Jerusalém, parágrafo 28

Texto original, “The history and authority of the Apostles Creed”, encontrado em Apostles Creed, por James Richardson. Citações escriturísticas a partir da ACF (Sociedade Trinitariana do Brasil) 2020 © Traduzido por Elnatan Rodrigues. Para o uso correto deste recurso visite a nossa Página de Permissões.

Publicidade:
James Richardson

James Richardson

James Richardson é fundador e criador do Apostles-Creed.org, Richardson é um grande pesquisador e estudante da História da Igreja, especialmente os pais da Igreja, Confissões e Credos.

Publicidade:
Publicidade:
  • Como Funciona
        • Classificações

        • Principais Assuntos

        • Encontre

        • Recomendamos

        • Lista de Assuntos

        • Arquivos

        • Busque

          Digite uma palavra-chave…

  • Assine
  • Artigos
  • Assuntos
  • Autores
  • Downloads
  • Podcast
  • Séries
AdBlock Detectado

Parece que você está usando uma extensão de navegador de bloqueio de anúncios. Fazemos uso de publicidade em nossa plataforma para nos ajudar com os custos da plataforma e da nossa equipe. Por favor, insira nosso site na lista de permissão em sua extensão. Você pode assinar um dos nossos planos e ter acesso sem publicidade e muitos outros benefícios.

Conteúdo protegido por direito autorais.