Reformai
Publicidade:
Home | Doutrina da Eleição Incondicional em Clemente de Roma

Doutrina da Eleição Incondicional em Clemente de Roma(8 min de Leitura)


Neste artigo John Gill demonstra que a doutrina da eleição incondicional não é algo “inventado” pelos reformadores, mas que é uma doutrina que sempre existiu na História da Igreja, inclusive, fora mencionada pelos pais dela.

Clemente de Roma [35-100], viveu nos tempos dos apóstolos e é, por Clemente de Alexandria [1], chamado de apóstolo. Ele é o mesmo Clemente do qual o apóstolo Paulo expõe em Filipenses 4:3 [2] como sendo um de seus companheiros de trabalho. Ele escreveu uma epístola em nome da igreja de Roma para a igreja em Corinto, em meados do ano 69 [3], que é o primeiro período da antiguidade ao lado dos escritos dos apóstolos existentes, sendo escrito quando alguns deles ainda estavam vivos, Clemente escreve antes do apóstolo João escrever suas Epístolas e o livro do Apocalipse, e enquanto o templo de Jerusalém ainda estava intacto. Nesta epístola existem várias coisas relacionadas a doutrina da eleição incondicional.

I. Em Concordância com a Doutrina Apostólica

Deus opera todas as coisas segundo o conselho de sua própria vontade (Efésios 1:11), que seus propósitos permanecerão, e que tudo o que ele determinou acontecerá, Clemente diz que “Quando Ele quiser, e como Ele quer, Ele faz todas as coisas, e que nenhuma das coisas que são decretadas por Ele, passará, ou não será cumprida: o que mostra o seu senso de dependência de todas as coisas sobre a vontade de Deus e da imutabilidade de seus decretos em geral” [4].

Publicidade:

II. Número Determinado de Eleitos

Ele não somente faz referências a pessoas como sendo eleitas de Deus, mas também expõe a existência de um certo, especial e peculiar número de eleitos determinados por Deus. Falando sobre o cisma e a sedição na igreja em Corinto, ele apresenta os eleitos como sendo o que era “muito impróprio, e deveria estar longe de serem eleitos de Deus” [5].

E em outro lugar citando o Salmo 18:26, ele diz: “Juntemos, portanto, aos inocentes e justos que são os predestinados por Deus”. [6] E em outro lugar, ampliando o elogio da graça e do amor, ele diz: “O amor não conhece a confusão, não é sedicioso, o amor opera todas as coisas em harmonia, todos os eleitos de Deus são perfeitos no amor” [7], o que concorda com o que o apóstolo diz (que somos escolhidos para sermos santos e irrepreensíveis diante de Deus, Efésios 1:4).

Além disso, Clemente elogia os membros da igreja de Corinto escrevendo que “dia e noite, sustentáveis combate em favor da fraternidade, a fim de conservar íntegro, por meio da misericórdia e da consciência, o número dos eleitos de Deus”. [8] E em outro lugar ele diz, que “Deus escolheu o Senhor Jesus Cristo e nós incondicionalmente por meio dEle, para sermos um povo peculiar”. [8]

Publicidade:

III. Mesmos Termos Paulinos

Considerando que o apóstolo Paulo, escrevendo aos Efésios, diz:

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor.

Efésios 1:3-4

Concluímos, daí, que desde toda a eternidade houve uma preparação de bênçãos espirituais; e em concordância, Clemente, nosso escritor apostólico, tem essas mesmas belíssimas palavras: “Reflitamos, portanto, irmãos, sobre a matéria de que fomos feitos; como e quem éramos, quando entramos no mundo; de que túmulo e de que trevas, aquele que nos formou e criou nos introduziu no mundo que lhe pertence. Ele preparou seus benefícios antes que tivéssemos nascido.” [9]

IV. A Vontade Soberana de Deus

Este autor muito antigo diz claramente que as bênçãos especiais e espirituais da graça são peculiares aos eleitos de Deus; e que é a firme e inalterável vontade de Deus, que seus eleitos participem delas: particularmente o arrependimento e a remissão dos pecados: por ter mencionado essas palavras no Salmo 32:1-2:

Publicidade:

Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano.

Salmos 32:1-2

Ele observa que esta benignidade é inerente aos predestinados, “os que são escolhidos por Deus por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor”. [11]

E em outro lugar tendo tomado conhecimento de algumas instâncias, declarações e exortações gerais, encorajando os homens ao arrependimento, ele sugere que o plano de Deus aqui foi trazer ao arrependimento aqueles a quem Ele ama; Suas palavras são estas:

Portanto, Ele (isto é, Deus), desejando que todos os seus amados devam participar do arrependimento, confirmado por sua vontade soberana.

Carta de Clemente aos Coríntios, p. 20.

Ou seja, Deus , não querendo , como o apóstolo Pedro diz, que qualquer um de seus amados pereça, mas que todos eles venham ao arrependimento (2 Pedro 3:9), ele argumenta que seria por meio de um decreto imutável, que eles deveriam chegar ao arrependimento; e, portanto, faz uso das declarações e exortações acima como meio para trazê-las para Ele.

Publicidade:

V. A Escolha Soberana de Deus em Cristo

Como as Escrituras sempre atribuem o ato de eleição a Deus e não os homens, e representam isso como sendo feito em Cristo e através de Cristo (Efésios 1:4-5); que Ele foi escolhido pela primeira vez como cabeça, e os eleitos como membros do corpo dEle; então Clemente fala de Deus como aquele que escolheu o Senhor Jesus Cristo, e nós por ele: “(…) dos eleitos como escolhidos incondicionalmente através de Jesus Cristo, nosso Senhor” [12], e exorta os homens para vir a Deus em santidade, levando-lhe “mãos puras e imaculadas, amando o nosso amável e misericordioso Pai, o que é aquele que nos fez parte dos eleitos e de si mesmo” [13].


Notas:
[1] Stromat. 50: 4, p. 516.
[2] Euseb. Eccl. Hist. 50: 3, c. 15; Hieron. Catálogo. Roteiro. Eccl. s. 25.
[3] Fabricii Bibl. Graec. 50: 4, c. 5, p. 175.
[4] Epist. ad corinth. 1: p. 64.
[5] Epist. ad Corinth.ip 2.
[6] Ibid. p. 104.
[7] Epist. ad corinth. 1: p. 64.
[8] Ibid. p. 6.
[9] Ibid. p. 130.
[10] Epist. ad corinth. 1: p. 88.
[11] Ibid. p. 114.
[12] Episi. ad corinth. p. 130, 114.
[13] Ibid. p. 66

Retirado de ” The Cause Of God And Truth”, John Gill. Citações escriturísticas a partir da Almeida Corrigida Fiel (ACF). 2019 © Traduzido por Elnatan Rodrigues; revisado por Amanda Martins; áudio por Sérgio Cavazonni. Para o uso correto deste recurso visite nossa Página de Permissões.

Publicidade:
John Gill

John Gill

John Gill (1697-1771) foi pregador e autor de diversas obras teológicas. Gill é conhecido por seu estudo aprofundado das Escrituras e grande dedicação na exposição bíblica.

Clemente de Roma

Clemente de Roma

Clemente de Roma (010-100) foi discípulo e, mais tarde, companheiro e colaborador do apóstolo Paulo. O apóstolo fala dele na carta aos Filipenses (cap.4.3).

Publicidade:
Publicidade:
  • Como Funciona
        • Classificações

        • Principais Assuntos

        • Encontre

        • Recomendamos

        • Lista de Assuntos

        • Arquivos

        • Busque

          Digite uma palavra-chave…

  • Assine
  • Artigos
  • Assuntos
  • Autores
  • Downloads
  • Podcast
  • Séries
AdBlock Detectado

Parece que você está usando uma extensão de navegador de bloqueio de anúncios. Fazemos uso de publicidade em nossa plataforma para nos ajudar com os custos da plataforma e da nossa equipe. Por favor, insira nosso site na lista de permissão em sua extensão. Você pode assinar um dos nossos planos e ter acesso sem publicidade e muitos outros benefícios.

Conteúdo protegido por direito autorais.