Reformai
Publicidade:
Home | Encorajamento para o Cansado no Cuidado Mútuo

Encorajamento para o Cansado no Cuidado Mútuo(7 min de Leitura)

Uma das minhas coisas favoritas que gosto de fazer é cuidar de outras pessoas. Eu adoro ver o rosto de uma pessoa se alegrar com alívio quando ela percebe que alguém está cuidando dela ou compartilhando seu fardo, seja uma garota em nosso grupo de jovens lutando com um problema da vida, um cliente na biblioteca [onde trabalho] se intrigando com uma questão de sua pesquisa ou um idoso membro da família lutando com tarefas domésticas. Eu geralmente aproveito a oportunidade para ajudar alguém, mas de vez em quando fico cansada – minha lista mental de pessoas que preciso verificar, responder a e-mails ou arranjar tempo para fazer uma tarefa parece fora de controle, e então começo a pensar sobre o quanto gostaria de poder ser mais voluntária, doar mais ou orar mais por aqueles que estão fora da minha comunidade, e então me sinto impotente. Não sei por que isso continua me surpreendendo,

Em 1673, Owen proferiu um sermão intitulado “Revesti-vos de Amor” [1] em Colossenses 3:14, que diz: “e, acima de tudo, revesti-vos da amor, que é o vínculo da perfeição”. De acordo com Owen, esta passagem ensina que o amor é “a principal graça e dever que é exigido e esperado dos santos de Deus, especialmente quando eles estão engajados na comunhão da igreja”. [2] Assim, Owen começou a descrever a natureza e a importância desse amor evangélico.

No meio da explicação de Owen, vemos o quão profundo, amplo e inspirador é o amor cristão, ele fez uma pausa para responder a uma pergunta: como pode um crente amar a igreja inteira desta forma sendo uma pessoa tão limitada? Em sua resposta, ele argumenta que os crentes devem amar a igreja inteira, estar prontos para amar quando surgir a oportunidade e fazer parte de uma igreja local, que é o contexto imediato de amados irmãos na fé. Na verdade, poder cuidar uns dos outros regularmente é uma das principais razões pelas quais Cristo instituiu a igreja local. 

Publicidade:

O impulso desta seção no sermão de Owen não é sobre limitações, mas o oposto. Embora Owen considere a questão, ele realmente a usa como uma oportunidade para intensificar seu ponto principal. Assim, ele afirma que amar a igreja é “indispensavelmente necessário” e que, se alguém não ama a igreja, não é um verdadeiro cristão. Ele também descreve o amor verdadeiro como algo que é habitual, radical, pronto, não dissuadido por obstáculos, igualmente dado a todos, sentido interiormente como uma “preocupação” pelo “bem deles” e levando a ações externas como “oração, compaixão, deleite , e alegria, de acordo com o seu estado e condição exigir.” [3] Uma frase especialmente comovente diz:

Se houver o amor verdadeiro em qualquer um de nós, que seja intensificado e aproveitado por cada oportunidade, ele irá superar as dificuldades, por meio de raciocínios, apelos de carne e osso, para o exercício de si mesmo.

John Owen | Obras, 9:256, 257

Além disso, Owen obstrui qualquer diminuição do escopo do amor, descrevendo seu objeto como “todo o corpo místico de Cristo” e “todos os discípulos de Cristo em todo o mundo”. [3]

No entanto, apesar da profundidade e amplitude desse amor cristão, Owen não acha que amar os outros, especialmente na igreja e por meio dela, seja algo impossível de fazer. Apesar de lamentar que todos tenham a “tendência de esfriar o amor”, ele esclarece que Cristo sabiamente providenciou tudo que uma pessoa precisa para cumprir seu mandamento de amar seus irmãos na fé. [4]  Em suas palavras, Cristo “não nos deixará indecisos sobre como, onde ou quando o exerceremos; mas nos dirigiu para um caminho particular para isso.” [5]  Este caminho particular é a igreja local, onde Cristo colocou “objetos contínuos e imediatos” de amor bem na frente dos rostos dos crentes, “como se víssemos [cada pessoa] deitada nos braços de Cristo”. [6] Owen conecta o cumprimento do mandamento de amar tão intimamente à igreja local que ele argumenta que se alguém não ama as pessoas em particular em sua igreja local, então não pode afirmar que ama a igreja de forma alguma. Aqui, ele diz diretamente a seus ouvintes:  

Publicidade:

Eu declaro a esta congregação neste dia, eu testemunho e testifico a vocês, que a menos que este amor cristão seja praticado, não livremente e em geral, mas entre nós mutuamente uns para com os outros, nunca devemos prestar conta com alegria a Jesus Cristo, nem jamais realizaremos a grande obra de edificação entre nós. E se Deus se agrada em dar este espírito entre vocês, não tenho nada a temer, exceto a mera fraqueza e depravação de meu próprio coração e espírito.

John Owen | Obras, 9:263

No geral, Owen vira de cabeça para baixo o problema de um ser humano finito que ama a igreja inteira, mostrando que este não é um fardo que leva à ansiedade de encontrar uma maneira de amar a todos, mas uma oportunidade de amar aqueles que estão em seu contexto imediato. 

Assim, para cuidadores cansados, Owen diz para não olhar para as necessidades do mundo inteiro, sentindo-se oprimido e frio, mas olhe para aqueles que Deus colocou em sua vida e persevere em cuidar deles, encontrando o desejo, a energia e sabedoria que você precisa para fazer isso em Cristo, o cuidando principalmente de suas almas e da sua própria.


[1] O sermão de Owen, “Revesti-vos do Amor“, está disponível no Reformai.
[2] Owen,  Obras, 9: 256, 257. 
[3]  Ibid.
[4]  Ibid.
[5]  Ibid.
[6]  Ibid.

Publicidade:

Texto publicado originalmente em inglês em Historical Theology por Jenny-Lyn de Klerk © 2020, Traduzido por Elnatan Rodrigues. Para o uso correto deste recurso visite nossa Página de Permissões.

Jenny-Lyn de Klerk

Jenny-Lyn de Klerk

Jenny-Lyn é assistente do projeto puritano no Regent College em Vancouver (@puritanjenny) e escreve para o blog jennylynsandra.wordpress.com. Ela está doutorando em teologia histórica no Midwestern Baptist Theological Seminary (EUA).

John Owen

John Owen

John Owen (1616-1683), considerado um dos maiores teólogos dentre os puritanos e da história cristã. Owen foi um pastor congregacional do século XVII e suas obras são marcadas com profundidade, rigor e autoridade.

Publicidade:
Publicidade:
  • Como Funciona
        • Classificações

        • Principais Assuntos

        • Encontre

        • Recomendamos

        • Lista de Assuntos

        • Arquivos

        • Busque

          Digite uma palavra-chave…

  • Loja
  • Assine
  • Artigos
  • Assuntos
  • Autores
  • Downloads
  • Podcast
  • Séries
AdBlock Detectado

Parece que você está usando uma extensão de navegador de bloqueio de anúncios. Fazemos uso de publicidade em nossa plataforma para nos ajudar com os custos da plataforma e da nossa equipe. Por favor, insira nosso site na lista de permissão em sua extensão. Você pode assinar um dos nossos planos e ter acesso sem publicidade e muitos outros benefícios.

Seja PremiumMuitos conteúdos exclusivos para você!

Aprofunde-se na Teologia Reformada com conteúdos edificantes e bíblicos! No plano anual você paga menos de R$ 10,00 por mês (33% OFF). Aproveite!

Conteúdo protegido por direito autorais.