Ministério Reformai
Publicidade:
 Rodrigues Studio
Home | O Calvinista Inconsistente

O Calvinista Inconsistente

Ser capacitado para formar um julgamento claro, consistente e abrangente das verdades reveladas nas Escrituras é um grande privilégio; mas aqueles que o possuem estão expostos à tentação de pensar muito alto de si mesmos e demais nos outros, especialmente naqueles que não apenas se recusam a adotar seus sentimentos, mas se aventuram a se opor a eles. Vemos poucos escritos controversos, ainda que excelentes em outros aspectos, mas somos tentados por esse espírito de auto-superioridade. Se ficarmos atentos ao que se passa em nossos corações, podemos sentir esse espírito trabalhando dentro deles, em mil ocasiões; embora na medida em que prevalece, faz com que de fato acusemos de ignorância e inconsistência os demais.

Não conheço nada melhor como um meio de corrigir esse mal do que uma consideração séria da incrível diferença entre nosso julgamento adquirido e nossa experiência real; ou seja, a partir do momento em que um conhecimento adquirido não influencia a nossa conduta, ele é vão. Isso pode confirmar para nós a verdade e a propriedade da observação do apóstolo:

E, se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber.

1 Coríntios 8:2

Não que sejamos insensíveis ao fato de o Senhor nos ter ensinado o que antes ignorávamos; nem é possível que assim o sejamos; contudo, se estimarmos nosso conhecimento por seus efeitos e o valorizarmos mais do que é experimental e operacional (que é o padrão adequado para experimentá-lo), acharemos tão fraco e ineficaz que dificilmente mereceria qualquer credibilidade.

Quão firmemente, por exemplo, somos convencidos de que Deus é onipresente! Por maiores que sejam as dificuldades que acompanham nossas concepções deste ponto, a própria verdade é controvertida por poucos. É geralmente reconhecida por pessoas não despertadas e devo acrescentar, com muita frequência esta é uma surpresa até para os crentes. Se os olhos do Senhor estão em todo lugar, quão forte deve ser esse guarda sobre a conduta daqueles que professam ouvi-lo. [O temor a Deus deve ser a principal característica do cristão, pois se ele de fato conhece a Deus e O reconhece presente em todas as coisas, então ele teme a Deus].

A Inconsistência do Saber na Ausência da Confiança

Sabemos como somos frequentemente afetados quando na presença de um companheiro; se ele é alguém de quem dependemos, ou que é consideravelmente nosso superior na vida, quão cuidadosos somos em compor nosso comportamento e evitar o que pode ser considerado impróprio ou ofensivo! Mas, mesmo no exercício da oração, pela qual professamos aproximar-nos do Senhor, a consideração de que os Seus olhos estão sobre nós tem pouco poder para atrair a nossa atenção, ou para impedir que nossos pensamentos vaguem como o olho do tolo até os confins da terra. O que devemos pensar de uma pessoa que, sendo admitida na presença do rei, nos negócios de maior importância, se distrai e se retira no meio de seu discurso, para perseguir uma borboleta? Este é um exemplo de fraqueza que revela as inconsistências do coração. Eles não são totalmente ignorantes sobre o pecado e a dependência humana, sobre a Santidade diante da qual devem se curvar, todavia, desafiando seu melhor julgamento, sua atenção é desviada dAquele que deveriam buscar, para as mais pequenas coisas. Eles não são capazes de perceber a seriedade de estar diante do Trono, antes falam como se estivessem falando ao vento.

Além disso, se nosso senso de que Deus sempre está presente fosse, em boa medida, responsável pela convicção de nosso julgamento, seria o suficiente para nos livrar de muitos medos importunos e infundados, com os quais somos assediados! Pois Ele diz: “Não temas, eu estou contigo;” . Ele promete ser um escudo e um guarda para aqueles que confiam nEle, mas, embora professemos acreditar em sua Palavra e esperar que Ele seja nosso protetor, raramente nos consideramos seguros, mesmo no caminho do dever. Há poucas razões para nos valorizarmos pelo conhecimento dessa verdade incontestável, quando ela não tem mais influência efetiva e habitual em nossa conduta.

A Inconsistência do Saber na Ausência do Verdadeiro Conhecimento

Da mesma forma, a doutrina da soberania de Deus, embora não seja totalmente aceita em todos os meios cristãos como a que citamos anteriormente, não é menos totalmente aceita por aqueles que são chamados calvinistas. Zelosamente lutamos por esse ponto em nossos debates com os arminianos; e algumas vezes estamos prontos para pensar que alguém deve ser suficientemente robusto para contestar o direito do Criador de fazer o que Ele quiser com o que é seu. Embora apenas nos envolvamos na defesa da eleição da graça e tenhamos uma esperança confortável de que somos nós mesmos desse número, parecemos tão convencidos, pelos argumentos que as Escrituras nos oferecem em apoio da verdade, que dificilmente podemos deixar de acusar nossos adversários de obstinação e orgulho perverso, por se oporem a ela.

Sem dúvida, o fundamento dessa oposição está no orgulho do coração humano, mas esse princípio do mal não se limita a nenhum partido; e as ocasiões frequentemente surgem, quando aqueles que disputam a soberania divina são praticamente mais influenciados por ela do que seus oponentes. Essa doutrina que confessamos conclui tão fortemente a submissão à vontade de Deus, em todas as circunstâncias da vida, como o faz com que concordemos em seu propósito de ter misericórdia. Então, se cremos na soberania, não deveríamos agir como tolos.

Nós confessamos crer verdadeiramente na soberania de Deus quando aplicamos esta doutrina em nossas vidas. Quando somos exercitados com pobreza, com grandes perdas ou cruzamentos deveríamos saber que Deus tem o direito de fazer o que Ele quiser com o que é dEle e, em confiança, dar graças. Quando outras pessoas passam por tais aflições, é este o argumento que usamos “Mas, ó homem, quem és o que replica contra Deus? deve a coisa formada dizer àquele que a formou: Por que me fizeste assim?” , entretanto se realmente cremos nisto, deveríamos aplicá-lo em nossas adversidades. A ausência disso é uma prova clara de que nosso conhecimento é mais nocional do que experimental. Que inconsistência é que, embora pensemos que Deus é justo e retido em ocultar aos outros as coisas que pertencem à sua paz eterna, devemos achar tão difícil submeter-nos às suas dispensações em assuntos de importância indescritivelmente menor!

A Verdadeira Piedade é Atuante no Calvinismo

Mas as nomeações do Senhor, para aqueles que o temem, não são apenas soberanas, mas sábias e graciosas. Ele conectou o bem deles à sua própria glória e está comprometido, por promessa, a fazer com que todas as coisas funcionem juntas em proveito próprio. Ele escolhe para o seu povo melhor do que eles poderiam escolher; Ele não esconde nada dos Seus e se algo não competiu a Ele ainda revelar, então é assim melhor para nós e para a Sua glória. Assim, as Escrituras ensinam, e assim professamos crer. 

Satisfeitos com esses princípios, não temos como sugerir novos motivos de paciência e consolo a nossos irmãos que estão aflitos; podemos assegurar-lhes, sem hesitação, que se eles estão interessados ​​nas promessas, suas preocupações estão em boas mãos; que as coisas que atualmente não são alegres, mas dolorosas, no devido tempo produzirá os frutos pacíficos da justiça, e que suas provações são tão certamente misericordiosas quanto seus confortos. Podemos provar a eles, a partir da história de José, Davi, Jó e outros exemplos registrados nas Escrituras, que, apesar de quaisquer aparências escuras presentes, certamente será bom para os justos; que Deus pode e fará consertar as coisas tortas; e que ele frequentemente produz o maior bem a partir desses eventos que estamos aptos a considerar maus. É dessa forma que o calvinismo produz a piedade verdadeira e sem igual, na verdadeira convocação, satisfação e consolação.

A partir daí, podemos inferir não apenas a pecaminosidade, mas a loucura de encontrar falhas em qualquer uma de suas dispensações. Podemos dizer-lhes que, na pior das hipóteses, os sofrimentos da vida atual não são dignos para ele em comparação com a glória que será revelada; e que, portanto, sob as maiores pressões, eles deveriam chorar tanto quanto aqueles que esperam em pouco tempo que todas as suas lágrimas sejam enxugadas. 

A Nossa Fraqueza deve Fazer com que Olhemos ao Outro com Misericórdia

Mas quando o caso é nosso, quando somos perturbados por todos os lados, ou tocados na parte mais tenra, quão difícil é sentir a força desses raciocínios, embora saibamos que eles são fiéis a uma demonstração! Então, a menos que sejamos dotados de força renovada do alto, somos tão propensos a reclamar e desanimar como se pensássemos que nossas aflições surgiram do chão, e o Senhor tivesse esquecido de ser gracioso.

Eu poderia continuar mostrando a diferença entre nosso julgamento, quando mais esclarecido, e nossa experiência real, com respeito a toda verdade espiritual. Sabemos que não há proporção entre o tempo e a eternidade, entre Deus e a criatura, o favor do Senhor e o favor ou a carranca dos homens; e, no entanto, com frequência, quando essas coisas são levadas a uma competição acirrada, somos obrigados a manter-nos firmes no caminho do dever; sem o novo suprimento de graça, certamente deveríamos falhar no tempo da provação, e nosso conhecimento não teria outro efeito senão tornar nossa culpa mais imperdoável. 

Parece que temos certeza de que somos criaturas fracas, pecadoras e falíveis, como somos, existimos e, no entanto, somos propensos a agir como se fôssemos sábios e bons. Em uma palavra, não podemos negar que grande parte do nosso conhecimento é, como eu o descrevi, como a luz da lua, destituída de calor e influência; e, no entanto, dificilmente podemos deixar de pensar muito em nós mesmos por conta disso.

Sim, que enigma, que pobre criatura inconsistente é um crente! Ele conhece o Senhor; ele se conhece. Seu entendimento é esclarecido para apreender e contemplar os grandes mistérios do evangelho. Ele tem apenas ideias do mal do pecado, da vaidade do mundo, das belezas da santidade e da natureza da verdadeira felicidade. Ele já foi “trevas, mas agora ele é luz no Senhor”. 

Ele tem acesso a Deus por Jesus Cristo; a quem ele está unido e em quem ele vive pela fé. Embora os princípios que ele recebeu sejam estimulados pela ação do Espírito Santo, ele pode fazer todas as coisas. Ele é humilde, gentil, paciente, vigilante, fiel. Ele se alegra com as aflições, triunfa sobre as tentações, vive dos predicados da glória eterna e não conta sua vida como querida, para que possa glorificar a Deus, seu Salvador, e terminar seu curso com alegria. Mas a força dele não é dele; ele é absolutamente dependente e ainda é cercado de enfermidades e sobrecarregado com uma natureza depravada. Se o Senhor retira o Seu poder, ele se torna fraco como outro homem e cai, como uma pedra afunda na terra por seu próprio peso. Seu conhecimento inerente pode ser comparado às janelas de uma casa, que pode transmitir a luz, mas não pode retê-la. Sem comunicações renovadas e contínuas do Espírito da graça, ele é incapaz de resistir à menor tentação, de suportar a menor provação, de prestar o menor serviço da maneira correta, ou mesmo de pensar em um bom pensamento. 

Ele sabe disso e, no entanto, muitas vezes esquece. Mas o Senhor o lembra com frequência, suspendendo a assistência sem a qual ele não pode fazer nada. Então ele sente o que é, e é fácil prevalecer sobre agir em contradição com seu melhor julgamento. Essa experiência repetida de sua própria fraqueza ensina-o gradualmente onde reside sua força; que não está em nada que ele já tenha alcançado, ou possa chamar de seu, mas na graça, poder e fidelidade de seu Salvador. Ele aprende a cessar o seu próprio entendimento, a ter vergonha de seus melhores esforços, a se odiar em pó e cinzas e a se gloriar apenas no Senhor.

Saber Sobre Deus não é o mesmo que Conhecer a Deus!

A partir daí, podemos observar que os crentes que têm o maior saber não são, portanto, necessariamente os mais espirituais. Alguns podem andar de maneira mais honrosa e confortável com dois talentos do que outros com cinco. Aquele que conhece experimentalmente sua própria fraqueza, e depende simplesmente do Senhor, certamente prosperará, embora suas realizações e habilidades adquiridas possam ser apenas pequenas; e aquele que tem os maiores dons, o julgamento mais claro e o conhecimento mais extenso, se concede altos pensamentos a suas vantagens, corre o risco iminente de enganar e cair a cada passo; pois o Senhor não sofrerá por aquele que gosta de se gabar ao invés de reconhecê-Lo. Ele guiará os mansos com os Seus olhos, e encherá os famintos de coisas boas; mas ao que está cheio de si mesmo Ele não tem espaço para preencher. É uma máxima invariável no Reino de Deus, que todo aquele que se exalta, será humilhado; mas quem se humilhar será exaltado.


2019 © Tradução por Amanda Martins. Para o uso correto deste recurso visite a nossa Página de Permissões.

John Newton

John Newton

John Newton (1725-1807) foi um ministro Anglicano. Tendo vivido antes de sua conversão à fé cristã como um traficante de escravos, Newton tornou-se um grande defensor na Inglaterra do fim da escravidão, influenciando o abolicionista William Wilberforce.

Publicidade:
 Rodrigues Studio

Assuntos: