Ministério Reformai
Publicidade:
Home | O Chamado Eficaz

O Chamado Eficaz



“Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia.”
(João 6:44)

Vamos considerar o caminho maravilhoso e a maneira pela qual o Senhor atrai as almas dos pobres pecadores para Jesus Cristo, e você descobrirá que Ele o faz (1) gradualmente, (2) congruentemente (concordante e consistente), (3) poderosamente, (4) eficazmente, e (5) finalmente.

Primeiro, esta obra abençoada é realizada pelo Espírito gradualmente. Traz a alma pouco a pouco a Cristo, na maneira e na ordem do evangelho: iluminação, convicção, remissão (compulsão, arrependimento), preparando o caminho para Cristo. Então a fé une a alma a Cristo. Sem humilhação, não pode haver fé: “(…) vós, porém, vendo isto, nem depois vos arrependestes para o crer” (Mt 21:32). É o fardo do pecado que leva a alma a Cristo para o descanso: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mt 11:28). Mas sem convicção, não pode haver arrependimento, nem humilhação. Aquele que não está convencido de seu pecado e miséria nunca se arrepende nem lamenta por isso. Nunca houve uma lágrima de verdadeiro arrependimento que caiu do olho de um pecador não convencido. E sem iluminação, não pode haver convicção; pois o que é convicção, senão a aplicação da luz que está no entendimento ou mente de um homem ao seu coração e consciência? (At 2:37) Nesta ordem, portanto, o Espírito (ordinariamente) atrai almas para Cristo.

Em segundo lugar, Ele atrai os pecadores a Cristo congruentemente, de forma muito agradável e cabível à natureza do Homem. Então Ele fala: “Atraí-os com cordas humanas, com laços de amor” (Os 11: 4). Não como os animais são atraídos, mas como os homens são inclinados e forjados ao cumprimento por convicção racional de seus julgamentos e poderosa persuasão de suas vontades. As mentes dos pecadores são naturalmente cegas pela ignorância (2 Co 4:3-4) e suas afeições enfeitiçadas às suas luxúrias (Gl 3:4). Embora seja assim, não podem prevalecer argumentos ou súplicas para afastá-los dos caminhos do pecado para Cristo.

O caminho, portanto, que o Senhor leva para conquistá-los e atraí-los para Cristo é retificando suas falsas apreensões e mostrando-lhes infinitamente mais bem em Cristo do que na criatura e em suas concupiscências, sim, satisfazendo seus entendimentos de que há bondade suficiente em Jesus Cristo para quem Ele está chamando.

Em terceiro lugar, os desígnios do Pai são muito poderosos. “O braço do SENHOR” é revelado nesta obra (Is 53: 1). Foi uma palavra poderosa que fez a luz brilhar na escuridão, e não menos poder é necessário para fazê-la brilhar em nossos corações (2 Co 5:14). Aquele dia em que a alma está disposta a vir a Cristo é chamado “o dia do seu poder” (Sl 110:3). A Escritura expressa a obra da conversão por meio de uma tríplice metáfora: A da ressurreição dos mortos (Rm 4:4), a da criação (Ef 2:10) e a da vitória ou conquista (2 Co 10 4-5). Todos estes estabelecem o poder infinito de Deus nesta obra, pois não menos que o poder todo-poderoso é requerido para cada um deles; e se você examinar estritamente as noções distintas, encontrará o poder de Deus cada vez mais ilustrado em cada uma delas. A alma que o Pai atrai, luta e resiste o máximo que pode, porém, ainda assim ela virá, sim, e corresponderá de bom grado também, quando o poder de atração de Deus estiver sobre ela. Os autoconflitos, ao contrário, farão com que a alma se encontre distraída e despedaçada – as esperanças e medos, os encorajamentos e desencorajamentos, eles a farão confusa. Mas a graça vitoriosa conquista finalmente toda a oposição e, certamente, se considerarmos quão profunda é a alma enraizada pela inclinação natural e pelo longo costume continuado no pecado, quão extrema [hostil] é aos caminhos da piedade e mortificação estrita! Como Satanás – aquele inimigo [odioso], aquele homem forte armado – fortalece a alma para defender sua possessão contra Cristo e se entrincheirar na compreensão, vontade e afeições por preconceitos enraizados contra Cristo e santidade, é uma maravilha de maravilhas ver uma alma abandonar todas as suas luxúrias amadas, interesses e carinhos carnais e vir voluntariamente sob o jugo de Cristo!

Em quarto lugar, o chamado de Deus é eficaz. Há de fato um trabalho comum e ineficaz sobre os hipócritas e apóstatas, chamados nas Escrituras de “nuvem da manhã” e “orvalho da madrugada” (Os 6:4). Estes podem acreditar por um tempo e finalmente desaparecer (Lc 8:13). Suas vontades podem ser vencidas pela metade, podem ser tiradas a meio caminho de Cristo e retornam novamente. Assim foi com Agripa: “Por pouco não me persuades a fazer-me cristão!” (Atos 26:28). Mas nos eleitos de Deus, é eficaz: suas vontades não é apenas ‘por pouco’, mas totalmente persuadidas a abraçar a Cristo e abandonar os caminhos do pecado, não importa quão agradáveis, proveitosos e queridos sejam para eles. O Senhor não apenas atrai as almas para Cristo: “Todo o que o Pai me dá virá a mim” (Jo 6:37).

É confessado que, ao atrair os eleitos para Cristo, pode haver, e frequentemente há, muitas pausas, paradas e [atrasos]. Eles têm convicções, afeições e resoluções agitando-se neles, que, como as primeiras flores, parecem ser mordidos e morrem novamente. Há frequentemente (em jovens especialmente) uma aparência esperançosa de graça. Eles fazem votos de evitar pecados e executar deveres. Eles às vezes têm grandes despertares sob a Palavra. Eles são observadores para se aposentar para meditação e oração. Eles se deleitam em estar na companhia dos cristãos. [Mas] depois de tudo isso, luxúrias e vaidades juvenis são encontradas para sufocar e sufocar esses esperançosos inícios, e a obra parece estar – pode levar alguns anos – em uma pausa. No entanto, finalmente, o Senhor torna-se vitorioso sobre toda a oposição e a coloca em seu lugar, com poder sobre seus corações.

Em quinto lugar, para concluir, aqueles a quem o Pai atrai a Cristo, Ele os atrai finalmente e para sempre. “Porque os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento” (Rm 11:29). Os crentes são assim; quanto a Deus, o doador, Ele nunca se arrepende de ter chamado Seu povo para a comunhão de Seu Filho Jesus Cristo.

Há um tempo em que os cristãos são atraídos a Cristo, mas nunca haverá um tempo em que sejam afastados de Cristo (Jo 10:29). Não há como arrancá-los da mão do pai. Era comum um provérbio nos tempos primitivos, quando eles expressavam uma impossibilidade, diziam: “Você pode logo arrancar um cristão de Cristo?”. Quando Cristo fez essa pergunta aos discípulos “Quereis vós também retirar-vos?”, disse Pedro em nome de todos eles: “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna” (Jo 6:67-68). Aqueles que são assim atraídos fazem com todo o propósito de coração apegar-se ao Senhor.


De The Whole Works of the Reverend John Flavel, Vol. 2 (London; Edinburgh; Dublin: W. Baynes and Son; Waugh and Innes; M. Keene, 1820), 74-75.

2019
© Traduzido por Amanda Martins, revisado por Elnatan Rodrigues. Áudio por Sérgio Cavazonni.

John Flavel

John Flavel

John Flavel (1630-1691) foi ministro presbiteriano inglês de linhagem puritana, autor de diversas obras teológicas.

Publicidade: