Reformai
Publicidade:
Home | Os Cânones de Dort (12): Somente Nós Pecamos e Somente Deus Salva

Os Cânones de Dort (12): Somente Nós Pecamos e Somente Deus Salva(14 min de Leitura)


Nesta série, vamos entender o que significou Os Cânones de Dort com o Dr. R. Scott Clark. Todo conteúdo está postado numericamente em ordem subsequentes, para ter amplo e completo entendimento em torno dos Cânones de Dort é necessário que siga as dispensações nas quais os artigos foram publicados aqui no site. Este texto é o sexto artigo da série, visite todos os artigos da série clicando aqui.


A doutrina ensinada ha muitos séculos

De acordo com seus críticos, incluindo os Remonstrantes, a grande falha da doutrina reformada da expiação é que ela é muito exclusiva. Isso, no entanto, não é como as igrejas reformadas apresentaram seu entendimento das Escrituras. Sua nota de abertura sob o Segundo Título de Doutrina (“Concernente à Morte de Cristo e a Redenção do Homem assim”) foi sobre a graça de Deus em salvar pecadores ao custo da vida do Filho de Deus.

A doutrina de que, na expiação, Deus pretendia salvar seus eleitos, não é uma peculiaridade reformada. É uma doutrina dominante que foi sustentada por alguns dos maiores mestres da tradição cristã, entre eles Agostinho, Próspero da Aquitânia, Gottschalk, Pedro, o Lombardo, Tomás de Aquino, Tomás de Bradwardine, Gregório de Rimini, bem como Calvino e todo o de Tradição reformada. Deve-se também lembrar que a natureza da controvérsia sobre a extensão da expiação mudou um pouco desde o surgimento do Arminianismo, os Remonstrantes e a resposta do Sínodo de Dort (1618–19). Nas discussões antes de Dort, muitas vezes encontramos os elementos da doutrina da expiação definitiva, mas como a questão não é tão focalizada como no início do século 17, as respostas não são tão detalhadas como foram depois. Esta é a natureza do desenvolvimento da doutrina cristã, a controvérsia freqüentemente produz precisão teológica.

Publicidade:

Agostinho de Hipona, o maior de todos os pais da igreja, ensinou muitos dos elementos da expiação definitiva e foi o primeiro grande defensor da eficácia e particularismo da graça de Deus. Em sua controvérsia com Pelágio e mais tarde os semipelagianos, Agostinho, é claro, rejeitou a doutrina do livre arbítrio em favor da predestinação absoluta e com sua doutrina da predestinação ele também ensinou que Jesus não morreu por todos os homens.

Agostinho tinha um quadro de apoiadores, entre eles um teólogo francês que vivia em Marselha na época da eclosão da controvérsia semipelagiana em 426. De 431-34, ele escreveu vários livros contra os semipelagianos. Próspero foi explícito que Cristo foi crucificado apenas para aqueles que lucrariam com a sua morte. 

Alguns pensam que ele suavizou um pouco nos anos seguintes a 432, que ele não conseguia conciliar aquelas passagens nas Escrituras nas quais Deus se revela como desejando a salvação de todos, com suas noções anteriores de dupla predestinação. Porém ele ensinou (450) que os pecadores rejeitam a graça divina, e eles são os rejeitados de Deus. Aqueles que de fato creem, entretanto, são os eleitos. Somente aqueles que são eleitos têm fé, porque Deus a deu a eles.

Publicidade:

Parece que eles interpretaram mal seu argumento incipiente sobre o que mais tarde viria a ser chamado de “A Oferta Gratuita do Evangelho”.  Deus parece desejar aquilo o que Ele mesmo não decretou: a salvação de todos.  Alguns Ele ignora e alguns Ele elege para a fé. Mas a prova de que Ele estava ensinando uma versão seminal da oferta gratuita é que em várias das mesmas passagens em que Ele afirma a vontade universal de salvar, Ele imediatamente passa a discutir a pregação. Da mesma forma, quando Ele diz que Cristo morreu por todos os homens, Ele deixou claro que todos são iguais a “pecadores”, de modo que Ele não estava ensinando a expiação universal.

Em meio à controvérsia sobre a natureza da soberania de Deus, Godescalc de Orbais defendeu Agostinho vigorosamente e sofreu por isso. Ele ensinou que existem dois “mundos”, aquele que Cristo comprou com Seu sangue e aquele que Ele não possui. Portanto, quando a Escritura diz que Cristo morreu pelo “mundo” (por exemplo, João 3:16), é extensiva a todos aqueles que Cristo realmente redimiu, mas não inclui todos os que já viveram. Da mesma forma, aquelas passagens que parecem dizer que Cristo morreu por todos, em todos os tempos e lugares, devem apenas ser entendidas como se referindo a todos os eleitos. Assim, ele viu 1 João 2:2 não como uma passagem problemática, mas como um texto-prova para a expiação definida.

O ensino do Lombard sobre a expiação é mais famoso por seu uso da distinção entre a suficiência da morte de Cristo e Sua eficiência. Embora não sejam familiares para muitos de nós hoje, desde sua publicação no final do século 12 até o final do século 16, as Sentenças de Pedro foram o texto teológico mais importante no mundo de língua latina. Estudantes de teologia até obtiveram graus de bacharelado e mestrado nas sentenças.

Publicidade:

No Livro 3, página 20, ele ensinou que a morte de Cristo foi “suficiente” para redimir todos, mas é “eficiente” apenas “para os eleitos”. Essa distinção, embora não seguida por todos os teólogos ocidentais após Lombard, foi adotada pela maioria até que o movimento nominalista (por exemplo, William de Ockham, m. 1347).

Em sua grande obra, Summa Theologiae, Thomas também deixou muito claro que ele adotou a distinção suficiente / eficiente de Lombard, mas também ensinou sem ambiguidade que Cristo morreu efetivamente apenas pelos eleitos.

Não é nossa alegação de que todos em todos os lugares sustentaram essa doutrina, mas a doutrina da expiação definida foi amplamente defendida e ensinada por alguns dos teólogos cristãos mais importantes da história da igreja. Não achamos que isso seja conclusivo, mas esse fato ajuda a contextualizar a discussão da doutrina.

Publicidade:

A doutrina no Sínodo

A estrutura da doutrina da expiação ensinada pelo Sínodo é essencialmente a de Atanásio (296–373), em sua grande obra Sobre a Encarnação da Palavra e Anselmo de Cantuária (1033–1109) em sua grande obra, Cur Deus Homo ( Por que o Deus-Homem ): São os humanos que pecam, mas só Deus pode salvar, portanto, foi necessário que Deus Filho se encarnasse para salvar seu povo.

No Sínodo de Dort, em suas opiniões , os Remonstrantes rejeitaram a doutrina Atanásio e Anselmiana de que Cristo realmente realizou a redenção para o Seu povo e a doutrina Agostiniana de que o Espírito aplica eficazmente a redenção àqueles por quem Ele cumpriu a justiça de Deus e morreu. Em seu lugar, eles propuseram:

O preço da redenção que Cristo ofereceu a Deus Pai não é apenas em si e por si suficiente para a redenção de toda a raça humana, mas também foi pago por todos os homens e por cada homem, de acordo com o decreto, a vontade e a graça de Deus Pai; portanto, ninguém está absolutamente excluído da participação nos frutos da morte de Cristo por um decreto absoluto e antecedente de Deus.

Publicidade:

Aqui eles se dirigiram diretamente e rejeitaram a distinção tradicional entre suficiente (a morte de Cristo é suficiente para satisfazer a todos) e eficiente (a morte de Cristo foi destinada aos eleitos), mas afirmaram que Cristo realmente morreu por “todos os homens” e “todo homem.” Os Remonstrantes eram (e permanecem) universalistas inequívocos em relação à expiação. Em sua opinião, Deus ordenou por toda a eternidade tornar a salvação disponível a todos condicionalmente. Nisto, na análise reformada, os Remonstrantes transformaram a graça de Deus em obras. Eles dizem que Cristo não disse ter morrido incondicionalmente, que é a essência da graça (ou seja, favor divino), mas para todos – desde que façam sua parte. Lembre-se de que o pano de fundo de sua doutrina de expiação universal é sua doutrina de eleição condicional com base na fé e fidelidade previstas (boas obras e perseverança).

Isso é o que os Remonstrantes confessaram em 1610:

ART II. Que, de acordo com isso, Jesus Cristo, o Salvador do mundo, morreu por todos os homens e por todo os homen, de forma que ele obteve por todos eles, por sua morte na cruz, a redenção e o perdão dos pecados; ainda que ninguém realmente desfruta deste perdão de pecados, exceto o crente , de acordo com a palavra do Evangelho de João 3:16 e na Primeira Epístola de João 2:2.

Publicidade:

Para as revisões Remonstrantes, as Igrejas Reformadas responderam:

ART I. Deus não é apenas extremamente misericordioso, mas também extremamente justo. E sua justiça requer (como ele se revelou em sua Palavra) que nossos pecados cometidos contra sua majestade infinita sejam punidos, não apenas com castigos temporais, mas com castigos eternos, tanto no corpo como na alma; da qual não podemos escapar, a menos que seja dada satisfação à justiça de Deus.

De acordo com os reformados, o que os Remonstrantes estavam realmente ensinando é que ao morrer por “todos” e “todo” Cristo não morreu por ninguém em particular.

Publicidade:

Enquanto tentavam reconfigurar a teologia reformada para torná-la mais razoável, mais palatável para aqueles que se sentiam ofendidos pela doutrina tradicional, eles transformaram o pacto da graça incondicional e uma certa expiação em um pacto de obras. De acordo com os Remonstrantes, o que Cristo fez na cruz foi ganhar o direito de fazer uma nova aliança condicional:

Rejeitamos os erros dos que ensinam: Que não era o propósito da morte de Cristo que Ele confirmasse a nova aliança da graça por meio de Seu sangue, mas apenas que adquirisse para o Pai o mero direito de estabelecer com o homem tal uma aliança como lhe aprouver, seja pela graça ou pelas obras.

Os Remonstrantes estavam andando de uma forma muito diferente dos Reformados, cuja doutrina da expiação estava focada no favor de Deus para com os pecadores. Nós dizemos:

Publicidade:

ART II. Uma vez que, portanto, somos incapazes de ter essa satisfação em nossas próprias pessoas, ou de nos livrar da ira de Deus, Ele se agradou em Sua infinita misericórdia em dar seu Filho unigênito por nossa garantia, que foi feito pecado, e tornou-se uma maldição por nós e em nosso lugar, a fim de satisfazer a justiça divina em nosso favor.

Quando dizemos “fiança”, estamos repetindo Hebreus 7:22, que caracteriza Jesus como nossa fiança (ἔγγυος). Esta é a linguagem da aliança de redenção. Deus Pai deu um povo ao Filho, que se comprometeu a ser o fiador por eles, o fiador ou o Patrocinador da nova aliança. Em outras palavras, Jesus não morreu para tornar a salvação possível para aqueles que cumprem os termos de uma nova aliança de obras, mas para cumprir sua salvação, que é graciosamente aplicada na providência de Deus a todos aqueles por quem Cristo morreu. Cristo realmente suportou a ira de Deus por todo o Seu povo e foi apenas por misericórdia (para que não recebessem a justiça devida a eles) e pela graça, o livre favor de Deus para com eles em Cristo.

Crente, você foi salvo pelo sangue do cordeiro e não porque Cristo tornou a salvação possível para aqueles que fazem a sua parte!

Publicidade:

2019 ©Traduzido por Amanda Martins. Extraído do original em The Heidelblog, essa série pode ser encontrada também em Abounding Grace Radio. Para o uso correto deste recurso visite a nossa Página de Permissões.

R. Scott Clark

R. Scott Clark

Dr. Clark estudou na Universidade de Nebraska (EUA), no Westminster Seminary California e no St Anne's College , na Universidade de Oxford. É ministro das Igrejas Reformadas Unidas na América do Norte desde 1998.

Publicidade:
Publicidade:
  • Como Funciona
        • Classificações

        • Principais Assuntos

        • Encontre

        • Recomendamos

        • Lista de Assuntos

        • Arquivos

        • Busque

          Digite uma palavra-chave…

  • Assine
  • Artigos
  • Assuntos
  • Autores
  • Downloads
  • Podcast
  • Séries
AdBlock Detectado

Parece que você está usando uma extensão de navegador de bloqueio de anúncios. Fazemos uso de publicidade em nossa plataforma para nos ajudar com os custos da plataforma e da nossa equipe. Por favor, insira nosso site na lista de permissão em sua extensão. Você pode assinar um dos nossos planos e ter acesso sem publicidade e muitos outros benefícios.

Conteúdo protegido por direito autorais.