Ministério Reformai
Publicidade:
 Rodrigues Studio
Home | Os Cânones de Dort (1): Introdução e Contexto

Os Cânones de Dort (1): Introdução e Contexto


Nesta série, vamos entender o que significou Os Cânones de Dort com o Dr. R. Scott Clark. Todo conteúdo está postado numericamente em ordem subsequentes, para ter amplo e completo entendimento em torno dos Cânones de Dort é necessário que siga as dispensações nas quais os artigos foram publicados aqui no site. Este texto é o primeiro artigo da série, visite todos os artigos da série clicando aqui.


Poucos dos nossos documentos confessionais reformados são tão valiosos, porém ainda tão negligenciados quanto os Cânones de Dort. Hoje, a maioria das pessoas que os conhece pensa neles como os chamados “Cinco Pontos do Calvinismo” ou TULIP: Depravação Total, Eleição Incondicional, Expiação Limitada, Graça Irresistível e Perseverança dos Santos.

Estranhamente, para muitos, especialmente para aqueles que se descrevem como jovens, inquietos e reformados, os “Cinco Pontos” se tornaram o todo e acabaram sendo tidos, em si, como a “teologia reformada”. A verdade é que há muito mais na teologia reformada do que os cinco pontos. De fato, é anacrônico e reducionista chamá-los de “Cinco Pontos do Calvinismo”. É anacrônico porque Calvino estava morto há 54 anos quando o Sínodo de Dort se reuniu na Holanda. É reducionista porque os Cânones nunca foram destinados a ser algo como uma declaração completa da fé Reformada.

Eles foram o produto da deliberação eclesiástica sobre a tentativa de alguns dentro da Igreja Reformada na Holanda fundamentalmente para revisar nossa doutrina da salvação. Os Cânones não falam sobre muitos outros tópicos da teologia, da piedade e da prática reformada. Além disso, o que as igrejas estavam defendendo era a Palavra de Deus como confessada pelas igrejas, e não as formulações de um único pastor, por mais significativo e influente que fosse, em Genebra. “Calvinismo” foi um apelido dado à teologia reformada por seus críticos luteranos. As igrejas e teólogos reformados se descreveram como reformados.

De fato, como Richard Muller observou há anos, até o acróstico TULIP é enganoso. Não reflete com precisão a ordem das doutrinas abordadas nos cânones, que seria: ULTIP. Nos “Cinco Pontos” não há cinco pontos distintos por causa da Terceira e Quarta Cabeças da Doutrina de um ponto, por assim dizer.

A única razão pela qual o Sínodo emitiu cinco pontos é porque os Remonstrantes (isto é, os Protestadores) publicaram seu protesto em cinco pontos, em 1610, cerca de um ano após a morte de Jacob Harmenzoon (Latin, Arminius – Jacó Armínio), o líder do movimento, em 1609. Os cinco pontos reformados foram apenas e sempre destinados a ser uma resposta específica, ponto a ponto, aos cinco pontos formulados pelos Remonstrantes (isto é, os arminianos).

Antecedentes

Um cânon é uma regra. Assim, os Cânones do Sínodo de Dort são as decisões do Sínodo em resposta às objeções arminianas. As questões, no entanto, não surgiram em 1609, com a morte de Armimínio. De fato, havia precursores de Armínio nas Ilhas Britânicas, mas foi um ministro nas igrejas reformadas, Armínio, que começou a formular revisões da teologia reformada.

Havia poucas informações sobre o jovem Jacob que teria sinalizado sua insatisfação com a Reforma Protestante. Como estudante de teologia em Genebra, estudou com Theodore Beza (1519 a 1605). Nascido em 1560, em Utrecht, ele cresceu na igreja reformada. Sua mãe foi martirizada pelos papistas quando Armínio tinha 15 anos. Ele era um estudante na famosa universidade de Leiden, onde a faculdade de teologia era reformada.1 De lá, ele estudou em Genebra com Beza, que lhe deu uma carta de recomendação quando ele terminou. Houve especulações de que ele discordava de Beza sobre o método filosófico e lógico. Armínio estava comprometido com o ramismo e Beza era mais tradicional, mas um dos amigos e estudantes de Beza, Caspar Olevianus (1536-1587), também era um método ramista, assim como vários teólogos reformados ortodoxos no período.

A disputa estudantil de Armínio não nos dá nenhuma evidência de qualquer insatisfação com a confissão reformada. Ele usou Genebra como base de onde fez viagens de estudo a uma variedade de escolas famosas para estudar com acadêmicos de várias origens. Parece provável que essas viagens combinadas com alguns de seus contatos, enquanto ele estava em Leiden, por exemplo, Caspar Koohaas (1536-1615). Este último foi ministro reformado em Leiden, que foi posteriormente disciplinado pelas igrejas reformadas por se recusar a assinar a Confissão Belga. Se ele foi influenciado por teólogos romanistas durante sua turnê pela Itália foi contestado, mas há alguma evidência para isso nos textos que ele designou quando ele começou a ensinar na faculdade de teologia em Leiden e em seus escritos.

Havia razões práticas para a oposição dos magistrados ao conflito religioso. Em 1555, Filipe II (1527-1598), que era devotadamente romanista, tornou-se “Lord dos Países Baixos” e no ano seguinte, rei da Espanha. Nos anos seguintes, ele conduziu uma campanha viciosa e cara na Holanda em sua tentativa de exterminar os protestantes, especialmente os reformados. Ele era tão dedicado a essa causa que ele faliu a Espanha 3 vezes em sua acusação. Os espanhóis martirizaram cerca de 12.000 cristãos reformados neste período. A partir de 1568, as províncias da Holanda se revoltaram contra o controle espanhol. Os magistrados holandeses queriam minimizar as diferenças religiosas e promover uma frente unida contra os espanhóis.

A Crise

Apesar da controvérsia ligada ao ensinamento de Armínio, ele foi chamado, em 1603, do pastorado para um cargo na faculdade de teologia da Universidade de Leiden. Este fato e o fato de que Armínio receberia uma posição de alto escalão na Universidade antes de sua morte, argumentam contra a narrativa arminiana de que Jacó foi vítima de calvinistas mesquinhos. De fato, sua nomeação foi controversa e os governadores da universidade – pelos modernos padrões americanos uma pequena faculdade – duas vezes encomendaram um membro do corpo docente, Franciscus Gomarus (1563-1641), para investigar as opiniões de Armínio. Ele suspeitava de Armínio de heterodoxia, mas ele nunca foi capaz de provar isso.

Armínio foi um professor cativante e persuasivo e, ao longo dos anos, acumulou seguidores entre os estudantes, que se tornaram pastores e espalharam seus ensinamentos na igreja. Ele morreu em 1609 e seus partidários procuraram substituí-lo por um teólogo ainda mais controverso, Conrad Vorstius (1569-1622), que estudou em Heidelberg, Herborn e Genebra, entre outros lugares. Ele era suspeito, no entanto, de abrigar simpatias socinianas. Gomarus ficou tão chateado com a nomeação que deixou a universidade. Em última análise, no entanto, Vorstius nunca assumiu sua posição na universidade.

Nesse caldeirão fervente de controvérsia, suspeita mútua e recriminação, surgiram os Cinco Pontos dos Remonstrantes, cristalizando as questões. Por toda a dúvida em torno do que Armínio estava dizendo, ficou claro o que os arminianos estavam ensinando. Parece improvável que o movimento tenha chegado a tal clareza tão rápida e inteiramente independente da influência de Armínio

  1. O primeiro artigo dos Remosntrantes confessou que Deus elege com base na fé e perseverança previstas. Eles disseram: “Deus…
    determinou salvar, de entre a raça humana que tinha caído no pecado – em Cristo, por causa de Cristo e através de Cristo – aqueles que, pela graça do Santo Espírito, crerem neste seu Filho e que, pela mesma graça, perseverarem na mesma fé e obediência de fé até o fim”.
  2. Segundo, eles confessaram que Cristo morreu “por todos e cada um dos homens, de modo que obteve para todos, por sua morte na cruz, reconciliação e remissão dos pecados; contudo, de tal modo que ninguém é participante desta remissão senão os crentes”.
  3. Terceiro, “é necessário que, por Deus em Cristo e através de seu Santo Espírito, seja gerado de novo e renovado em entendimento, afeições e vontade e em todas as suas faculdades (…)”. A controvérsia aqui foi o que os Remonstrantes não disseram, que a depravação humana é tal e que a verdadeira fé é tal que é somente o dom de Deus.
  4. Quarto, os Remonstrantes confessaram graça “não é irresistível”, confirmando a convicção reformada de que os Remonstrantes fizeram a cooperação humana da essência da justificação e da salvação.
  5. Quinto, eles disseram que o “Espírito Santo” e “Jesus Cristo os assiste através do seu Espírito em todas as tentações” e “estende a mão deles” àqueles que estão “prontos para o conflito…”. Aqui eles fizeram graça condicionado à nossa cooperação. Eles concluíram, de forma um tanto dissimulada, levantando uma questão sobre a perseverança. Eles sugeriram que seria possível que os verdadeiros crentes pudessem ser “capazes, por negligência, de abandonar novamente os primeiros inícios de sua vida em Cristo, de retornar novamente ao presente mundo maligno, de se afastar da sagrada doutrina que lhes foi entregue, de perder uma boa consciência, de se tornar desprovida de graça, isso deve ser mais particularmente determinado pelas Sagradas Escrituras antes de nós mesmos podermos ensiná-lo com toda a persuasão de nossas mentes”.2

Seu quinto ponto constituiu um sério desvio da doutrina da reforma da segurança. Encontrou apoio entre alguns dos ortodoxos luteranos, que haviam se afastado de Lutero nesse ponto. Constituiu um assalto direto à base da garantia, pois colocou o crente de novo em pé de obra (através da cooperação com a graça) para sua segurança. Confirmou que a intenção e o resultado dos Remonstrantes era de derrubar a doutrina da Reforma da salvação (justificação, santificação e glorificação) sola gratia , sola fide .


Notas:
[1] Um de seus professores em Leiden foi Lambert Daneau (c. 1535-c.90), conhecido por sua defesa da antiga física e uma astronomia heliocêntrica em face da física e da astronomia. Alguém se pergunta se, em vez do humanista Beza, foi o reacionário Daneau que contribuiu para a reação de Armínio à teologia reformada?
[2] Compare a declaração dos Remonstrantes sobre perseverança com a “Federal Vision Profession” (2007) sobre apostasia: “Afirmamos que a apostasia é uma realidade aterradora para muitos cristãos batizados. Todos os que são batizados no nome trino estão unidos a Cristo em Sua vida de aliança, e assim aqueles que caem dessa posição de graça estão realmente caindo da graça. Os ramos que são cortados de Cristo são genuinamente cortados de alguém, cortados de um corpo de convênio vivo. A conexão que um apóstata tinha a Cristo não era meramente externa.  Negamos que qualquer pessoa que seja escolhida por Deus para a salvação final antes da fundação do mundo possa cair e ser finalmente perdida. O eleito involuntariamente não pode apostatar.

2019 © Traduzido por Amanda Martins, revisado por Elnatan Rodrigues. Texto original em The Heidelblog, essa série pode ser encontrada em áudio (inglês) na Abounding Grace Radio.

R. Scott Clark

R. Scott Clark

Dr. Clark estudou na Universidade de Nebraska (EUA), no Westminster Seminary California e no St Anne's College , na Universidade de Oxford. É ministro das Igrejas Reformadas Unidas na América do Norte desde 1998.

Publicidade:
 Rodrigues Studio

Assuntos: