Ministério Reformai
Publicidade:
Home | Os Deveres Mútuos dos Maridos e Esposas

Os Deveres Mútuos dos Maridos e Esposas

Pessoas ímpias e egoístas em todos os lugares entram em todos os tipos de relacionamentos com o desejo de servir a si mesmos e agradar a sua própria carne sem saber ou se importar com o que é exigido deles. Seu desejo é pela honra, lucro ou prazer que o relacionamento lhes proporcionará, mas não pelo que Deus e o próximo exigem ou esperam deles (Gn 2:18 , Pv 18:22). Sua mente está preocupada apenas com o que eles devem ter e não com o que eles serão e farão. [1]

Eles sabem o que querem que os outros façam por eles, mas não se importam com o seu dever de fazer pelo próximo. É assim que acontece com muitos no casamento.

Devemos estar muito preocupados em saber quais são os deveres em nossos casamentos. E como podemos agradar a Deus em nossos relacionamentos. Estude e faça a sua parte, pois Deus certamente fará a sua.

Dever I

O primeiro dever dos maridos é amar suas esposas [e as esposas a seus maridos]:

“Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela (…) Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. Porque nunca ninguém odiou a sua própria carne; antes a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja; (…) Assim também vós, cada um em particular, ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido.” (Efésios 5:25, 28, 29, 33)

Algumas instruções para manter o amor são:

  1. Escolha um bom cônjuge em primeiro lugar. Um cônjuge que é verdadeiramente bom e gentil. Cheio de virtude e santidade ao Senhor. [2]
  2. Não se case até que tenha a certeza de que você esteja disposto e apto para amar completamente.
  3. Não seja apressado, mas saiba de antemão todas as imperfeições que podem colocá-lo em tentação para desprezar seu futuro cônjuge.
  4. Lembre-se de que é ordenado que você ame alguém que abandonou todo mundo por você. Alguém que está contente em ser sua companheira em seus trabalhos e sofrimentos, e ser uma participante em todas as coisas com você, e que deve ser sua companheira até a morte. [4]
  5. Lembre-se de que as mulheres são normalmente criaturas afetuosas e apaixonadas, e como elas amam muito a si mesmas, elas esperam muito amor de sua parte.
  6. Lembre-se de que você está sob o comando de Deus; e negar o amor conjugal a sua esposa é negar um dever que Deus impôs severamente sobre você. Obediência, portanto, deve comandar seu amor.
  7. Lembre-se de que você é “uma só carne”; você a tem feito abandonar pai e mãe para apegar somente a você. [5]
  8. Observe melhor as qualidades de sua esposa do que os defeitos dela. Não deixe que a observação de suas falhas faça com que você esqueça ou ignore suas virtudes. [6]
  9. Não coopere para aumentar as imperfeições de seu cônjuge, isso poderá te frustrar;
  10. Perdoe-as conforme os ensinos do Senhor. Considere a fragilidade do sexo. Considere também suas falhas pessoais e o quanto que sua esposa deve suportá-la. [7]
  11. Não incite o mal do seu cônjuge, mas faça com que o melhor neles seja exaltado. [8]
  12. Supere-a em amor; e então ela amará você, é amando que você se torna amável. O amor causará amor, como o fogo amolece o fogo. Um bom marido é o melhor meio para fazer uma esposa virtuosa e amorosa. [9]
  13. Viva diante dela como um cristão celestial prudente, humilde, amoroso, manso, negando a si mesmo, paciente, inofensivo e santo. [10]

Dever II

O marido com sua esposa deve viver como um, em unidade. (1 Co 7:2-5)

“Mas, por causa da fornicação, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.” (1 Coríntioa 7:2-5)

Dever III

Abomine não só o próprio adultério, mas tudo o que leva a fragilidade e a violação dos votos do casamento.

Razões: Mt 5:31, 3; 19:9; João 8, 4-5; Hb 13,4 ; Pv 22.14 ; Os 4:2-3; Pv 2.17; 1 Co 6:15, 19; Ml 2:15; Pv 6:32, 35; Dt 23:2; Lv 21:9; 18:28; Nm 25:9; Jr 5,7-9

Dever IV

Marido e mulher devem deleitar-se com o amor e companhia mútua, e com a vida um do outro. Quando o marido e sua esposa sentem prazer um com o outro, isso os une no dever, ajuda-os com fervor a cumprirem suas vocações no matrimônio e a suportar os fardos um do outro; e isso é muito importante para o conforto do casamento.

“Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade. Como cerva amorosa, e gazela graciosa, os seus seios te saciem todo o tempo; e pelo seu amor sejas atraído perpetuamente.” (Provérbios 5:18-19)

Dever V

É seu dever solene viver em quietude e paz. Para evitar todas as ocasiões de raiva e discórdias ferozes.

a. Instruções mostrando a grande necessidade de evitar a dissensão
  1. O dever de sua união matrimonial exige a unidade. Você não pode concordar com sua própria carne?
  2. A divisão com seu cônjuge causará dor e transtorno para sua vida … Assim como você não deseja ferir a si mesmo e é rápido em cuidar de suas próprias feridas; então você deve tomar conhecimento de qualquer ruptura na paz do seu casamento e rapidamente procurar curá-lo. 
  3. Combata a frieza amorosa, as intrigas faz com que sua esposa se torne indesejável a você, em sua mente. A ferida afasta o coração um do outro; estar em laços conjugais enquanto seus corações estão separados é atormentador. Interiormente são como advesários, enquanto exteriormente se passam por marido e mulher, transformando seu lar em uma prisão. [11]
  4. A dissensão entre o marido e a esposa perturba toda a vida da família; eles são como bois desunidos para o trabalho, nenhuma obra pode ser realizada apesar de todos os esforços.
  5. Torna-te grandemente incapaz para a adoração a Deus; vocês não são capazes de orar juntos nem discutir as coisas celestes juntos, nem podem ser ajudantes mútuos para as almas uns dos outros. [12]
  6. Dissensão torna impossível gerenciar sua família adequadamente. [13]
  7. Suas dissensões irão expô-los à malícia de Satanás e lhe dar a vantagem para muitas e muitas tentações. [14]
b. Instruções para evitar dissensões
  1. Mantenha vivo o seu amor um pelo outro. Ame seu cônjuge com ardor e fervor. O amor suprimirá a ira; você não pode ser amargo sobre pequenas coisas com alguém que você ama muito; muito menos você vai descer para palavras duras, indiferença ou qualquer forma de abuso. [15]
  2. Tanto o marido como a esposa devem mortificar seu orgulho e seus sentimentos fortes e egoístas. [16] Estes são os sentimentos que causam intolerância e insensibilidade. Você deve orar e trabalhar por um espírito humilde, manso e quieto. Um coração orgulhoso é perturbado e provocado por toda palavra que parece atacar sua auto-estima. [17]
  3. Não se esqueça de que ambos são pessoas doentes, cheios de enfermidades; e, portanto, devem esperar o fruto dessas enfermidades um no outro; e não fique surpreso com isso, como se você nunca tivesse sabido antes. Decida ser paciente um com o outro; lembrando-se de que vocês são pecadores, portanto frágeis e imperfeitas, e não como anjos, ou como irrepreensíveis e perfeitos. [18]
  4. Lembrem-se ainda que vocês são uma só carne; e, portanto, não fiquem mais ofendidos com as palavras ou falhas um do outro, do que você ficaria se fosse sua própria falha. Fique irado com seu cônjuge por seus defeitos na medida que você s eira consigo mesmo por suas falhas pessoais. Tenha tal ira e desprazer em sua falha, e trabalhe para que se livrar dela; mas não de maneira que agrave ainda mais a parte doente. Isso transformará a ira em compaixão e fará com que você administre a cura. [19]
  5. Concordem de antemão, que quando um de vocês estiver zangado e aborrecido, o outro deve silenciosamente e gentilmente suportar até que a parte zangada e aborrecida chegue à sua sanidade. [20]
  6. Tenha um olho no futuro e lembre-se de que você deve viver junto até a morte, e deve ser o companheiro da vida um do outro, e o conforto da vida um do outro, e então você verá como é absurdo discordar e perturbam um ao outro. [21]
  7. Tanto quanto for possível, evite todas as ocasiões de ira e brigas sobre os assuntos de suas famílias. [22]
  8. Se você está com tanta raiva que não consegue se acalmar, pelo menos, controle sua língua e não fale palavras ofensivas e insultuosas, pois isso acende o fogo e aumenta a chama; [Não aumente sua ira enquanto você apenas alimenta sua vingança carnal]. Fique em silêncio, e você muito mais cedo retornará à sua serenidade e paz. [23]
  9. Responda ao seu cônjuge calmamente e racionalmente em uma discussão, fale com cuidado e e seja convincente em suas palavras. Geralmente, algumas advertências sóbrias e graves se revelam como água para a panela fervente. Diga a sua esposa ou marido zangado: “Você sabe que isso não deveria estar acontecendo entre nós; o amor deve ser nosso descanso nos conduzindo ao arrependimento. Deus não aprova isso, e nós não aprovaremos isso. Esse estado de espírito é contrário a uma santa oração, e essa linguagem é contrária a uma santa oração; nós devemos orar juntos; não façamos nada contrário à nossa oração; água doce e amargo não vêm de uma só primavera”, etc. Algumas palavras calmas e condescendentes da razão podem parar a torrente e reviver a razão que a paixão havia vencido. [24]
  10. Quando vocês agirem pecaminosamente em relação ao seu cônjuge, confessem seus pecados um ao outro; e peçam perdão um ao outro, e unam-se em oração a Deus pelo perdão; e isto atuará como um preventivo em você da próxima vez: você certamente se envergonhará de fazer aquilo que confessou e pediu perdão a Deus e ao seu cônjuge. [25]

Dever VI

Um dos mais importantes deveres do marido para com sua esposa e uma esposa para com o marido é ajudar-se com cuidado, habilidade e diligência um ao outro no conhecimento e na adoração e obediência de Deus para que possam ser salvos e crescerem em Jesus Cristo.

  1. Isto não é amor: quando você negligencia a alma um do outro. [26] Você acredita que você tem uma alma imortal e uma vida sem fim de alegria ou miséria para viver? Então você deve saber que sua grande preocupação e negócio é cuidar dessa alma e da vida sem fim. Portanto, se o seu amado ou amada não o(a) ajuda nessa que é sua principal preocupação, é de pouco valor e de pouca utilidade esse relacionamento. Cada coisa neste mundo é tão valiosa quanto útil. Um amor inútil é um amor sem valor. É um amor insignificante, ou infantil, ou bestial, que o ajuda apenas em coisas triviais, infantis ou bestiais. Você ama sua esposa (ou esposo) e a(o) deixará no poder de Satanás, ou não a(o) ajudará a salvar sua alma? O que?! Amá-la, e ainda deixar ela ir para o inferno? E, antes, deixou-a sob maldição do e não trabalhou para livrá-la disso? Nunca diga que você ama seu cônjuge se você não trabalha pela salvação dele.

    O que então diremos daqueles que não apenas negam sua ajuda, mas também impedem a santidade e a salvação uns dos outros! Quão comum é isso entre nós! Se a esposa for ignorante e ímpia, ela fará o pior para fazer ou manter seu marido no mesmo estado em que ela está; e se Deus colocar quaisquer inclinações sagradas em seu coração, ela será como água para o fogo, para extingui-lo; e se ele não for tão pecador e miserável como ela mesma, ele terá pouco descanso. E se Deus abrir os olhos da esposa de um homem mau e mostrar-lhe a necessidade de uma vida santa, e ela resolver obedecer ao Senhor e salvar sua alma, que inimigo e tirano será seu marido para ela; de modo que o próprio diabo não precisará fazer mais nada para impedir a salvação de suas almas, pois os próprios maridos e esposas ímpias se encarregam disso.
  2. Considere também que você não está vivendo de acordo com o projeto de Deus para o casamento, se você não está ajudando a alma do seu cônjuge e a sua própria. [27]
  3. Considere também, se você negligenciar a salvação um do outro, que inimigos vocês são um do outro, e como você está se preparando para suas tristezas eternas: quando você deve estar se preparando para seu alegre encontro no céu, você está colocando para si um horror eterno. [28]

Portanto, sem um momento de hesitação, decidimos viver juntos como herdeiros do céu e sermos ajudadores da alma um do outro. Para o auxílio nessa busca sagrada, darei a você as seguintes instruções, que, se você praticar fielmente, poderão fazer com que sejam bênçãos especiais um para o outro:

Instrução I. Antes que você possa ajudar a salvar a alma um do outro, você deve ter certeza de si mesmo. Você deve ter uma compreensão profunda e viva dos grandes assuntos eternos dos quais você é obrigado a pregar e ensinar a outros. Se você não tem compaixão pela sua própria alma e a vende por um momento de tranquilidade e prazer, certamente não tem compaixão pela alma do seu cônjuge. [29]

Instrução II. Aproveitem todas as oportunidades que sua proximidade propiciar para falar seriamente uns com os outros sobre as questões de Deus e sua salvação. [30] Discutir essas coisas deste mundo não mais do que o necessário. E então falem juntos sobre o estado e dever de suas almas para com Deus, e de suas esperanças do céu, como aqueles que os levam para seus maiores negócios. E não fale de ânimo leve, ou sem rude, ou de maneira grosseira e disputa; mas com gravidade e sobriedade, como aqueles que estão discutindo as coisas mais importantes em todo o mundo. [ Marcos 8:36 ]

Instrução III. Quando o marido ou esposa estiver falando seriamente sobre as coisas sagradas, deixe que o outro tenha o cuidado de acalentar e não extinguir a conversa. [31]

Instrução IV. Analise o coração alheio tendo o cuidado de julgar a condição das almas uns dos outros, a força ou fraqueza de cada pecado e graça, as falhas de cada uma das outras vidas, para que você possa aplicar ao outro a ajuda mais adequada. [32]

Instrução V. Não tenha atitudes de bajulação com o outro, demonstrando um amor tolo que desconhece a realidade [33], e nem viva criticando ao outro. Faça tudo em verdadeiro amor, o amor divino. Alguns são tão cegos para as falhas do marido, esposa ou filho que não vêem o pecado e a maldade neles. Eles estão iludidos em relação às suas almas eternas. Isto é o mesmo que acontece com os pecadores amantes de si mesmos e suas próprias almas, enganando-se voluntariamente para a sua condenação. Essa falsa admiração é apenas o encanto do diabo para evitar o arrependimento e a salvação. Por outro lado, também há alguns que não podem falar com o outro sobre as suas faltas sem que haja amargura ou desprezo, ao advertir muitos ofendem e ferem e isso fará com que o outro recuse o remédio que poderia salvá-los. Se as advertências devem são cotidianas e amorosas em relação aos estranhos, muito mais deve ser entre marido e mulher.

Instrução VI. Mantenha seu amor, não ficando distante. Não seja indiferente ou ausente, pois se você fizer isso desprezará os conselhos e repreensões do outro.

Instrução VII. Não desestimule seu cônjuge a te instruir, recusando-se a receber e aprender com suas correções. [34]

Instrução VIII. Ajudem-se mutuamente, lendo juntos os livros mais convincentes, cortantes e vivificantes. Os mais espirituais. Não perca tempo com ministérios e livros fracos. Façam também amizades com as pessoas mais maduras e exemplares em santidade. Isso não é negligenciar o seu dever para com o outro, mas se todos se ajudarem e trabalharem juntos poderá haver maior eficácia. [35]

Instrução IX. Não esconda o estado de sua alma, nem esconda as suas falhas. Você é como uma só carne, e deve ter um só coração: assim como é perigoso para um homem desconhecer de sua própria malícia e carência, é muito doloroso para o marido ou a esposa serem ignorantes um do outro, naquelas áreas onde eles mais precisam de ajuda. [36]

Instrução X. Evite o máximo possível de opiniões diferentes na religião.

Instrução XI. Se diferentes entendimentos religiosos se estabelecem entre vocês, assegure-se de administrá-los com santidade, humildade, amor e paz, e não com carnalidade, orgulho, falta de caridade ou disputa.

Instrução XII. Não ignorem cegamente as faltas um do outro nem critiquem demais o estado um do outro, permitindo que Satanás venha alienar suas mútuas afeições.

Instrução XIII. Se você é casado com alguém que é uma pessoa ímpia, ainda assim mantenha todo o amor que é devido ao seu cônjuge. [37]

Instrução XIV. Junte-se em oração frequente e fervorosa. A oração força a mente à sobriedade e move o coração para a presença e majestade de Deus. Ore também um pelo outro quando você estiver em segredo, para que Deus faça o trabalho devido no coração um do outro.

Instrução XV. Por fim, ajudem-se mutuamente por uma vida santa e exemplar. Seja você mesmo aquilo o que você deseja que seu cônjuge seja; dê prioridade a mansidão, humildade, caridade, dedicação, diligência, abnegação e paciência. [38]

Dever VII

Outro dever importante no casamento é ajudar na saúde e no conforto dos corpos um do outro. Não mimar a carne uns dos outros, nem nutrir os vícios do orgulho, da preguiça, da glutonaria ou dos prazeres sensuais um do outro; mas para aumentar a saúde e o vigor do corpo, tornando-o apto para o serviço da alma e de Deus.

  1. Na saúde, você deve ter o cuidado de providenciar um ao outro o alimento saudável e manter distante um ao outro daquilo que é prejudicial à sua saúde; advertindo-se mutuamente dos perigos da gula e da ociosidade, os dois grandes assassinos da humanidade. [39]
  2. Também na doença, você deve cuidar um do outro; e não poupar quaisquer custos ou dores, através dos quais a saúde de cada um possa ser restaurada, ou suas almas confirmadas, e seus confortos estimados. [40]

Dever VIII

Outro dever dos maridos e esposas é ajudar um ao outro em seus negócios e propriedades mundanas. Não para fins mundanos, nem com uma mente mundana; mas em obediência a Deus. Pois foi assim instituído que quem quer que trabalhe, comeria o pão pelo suor; e que aquele que não trabalha não deve comer. [41]

Dever IX

Além disso, você deve ter o cuidado de guardar a honra um do outro. Você não deve divulgar, mas ocultar as falhas do outro; A reputação do outro deve ser tão cara para você quanto a sua. É uma prática pecaminosa e infiel de muitos, tanto maridos quanto esposas, que entre seus amigos estão discutindo os defeitos um do outro, os quais eles são obrigados a encobrir. Muitas pessoas rabugentas vão agravar todas as falhas de seu cônjuge pelas costas. [42]

Dever X

É seu dever de casamento ajudar-se mutuamente na educação de seus filhos. [43]

Dever XI

É dever do seu casamento ajudar-se mutuamente na caridade. [44]

Dever XII

Por último, é um grande dever de maridos e esposas, ajudar e confortar um ao outro na preparação para uma morte segura e feliz. [45]

  1. No tempo de saúde, você deve frequentemente lembrar-se seriamente do tempo em que a morte fará a separação; e viver juntos diariamente como aqueles que ainda estão esperando a hora da partida. Receba tudo um no outro, de forma que não sobre má lembranças e carências na morte. Se vocês se vêem opacos e vagarosos no céu, ou vivendo em vaidade, mundanidade ou preguiça, como se tivessem esquecido que vocês devem morrer em breve, estimulem-se um ao outro a fazer tudo sem demora, sabendo o que a aproximação de tal dia requer.
  2. E quando a morte está próxima, oh, então, que abundância de ternura, e seriedade, e habilidade, e diligência, é necessária para alguém que tem o último ofício de amor para realizar, para a alma de um amigo tão íntimo! Oh, então, que necessidade haverá de sua mais sábia, fiel e diligente ajuda! … Aqueles que estão totalmente despreparados para a morte, pouco podem fazer para preparar ou ajudar o outro. Mas aqueles que vivem juntos como herdeiros do céu e conversam na terra como companheiros de viagem à terra prometida, podem ajudar e encorajar um ao outro, e alegremente separar-se na morte, esperando que o rápido reencontro na eternidade.

Extraído de “The Practical Works of Richard Baxter Volume 1”. Citações escriturísticas a partir da Almeida Corrigida Fiel (ACF), 2019 ©Traduzido por Elnatan Rodrigues, revisado por Amanda Martins.

Notas
1. Lc 6: 31-32 ; 1 Co 10:24 ; Gl 6: 2 ; Fp 2: 4 ; 2 Tim 3: 2; Jm 2:15 ; 1Jo 3:17 ; Gn 4: 9 ; 1 Sm 25: 3-11 ; Et 6:6 ; Is 56:11 ; Jo 6:26
2. Pv 18:22 ; Pv 19:13 ¬14 
3. Pv 18:13
4. Mt 5:32 ; Mt 19: 9 ; 1 Co 7:39 ; Cl 3:19 ; Gn 2:24
5. Mt 19: 5 ; Mc 10: 7
6. 1Co 13: 7 ; Fp 2: 3
7. Sl 103: 14 ; 1 Cr 13: 7
8. Pv 10:12
9. Rm 12:21 ; 1 Pe 3: 9
10. Ef 4: 1 ; Cl 1:10 ; 1 2:12; Pv 11:30 ; 1 Tm 4:16 ; Jm 5: 19-20 ; 1 Pe 3: 1-2
11. Pv 19:13
12. Mt 5:23 ; 1Sm 15:22
13. Mt 12:25 ; 3: 25 ; Lc 11:17
14. Jz 1:13 ; 1 Co 7: 5 ; Jó 2: 9
15. Lev 19: 8 ; Sl 133: 1 ; Pv 15:17 ; Rm 12:10 ; Rm 14:19 ; Rm 15: 1 ; 1 Co 13: 4-7
16. Lc 9:23 ; Sl 101: 5 ; Pv 16: 5 ; Pv 21: 4 ; Pv 28:25 ; Mt 23:12 ; 1 Pe 5: 6
17. Sl 10: 4 ; Os 7:10 ; Pv 13:10 ; Pv 28:25
18. Jr 17: 9 ; Rm 7:24 ; 1Jo 1: 8
19. Ef 4:26 ; Ef 4:32 ; Jm 1:19
20. Ef 4: 2 ; 1Cor 13: 4
21. Ec 9: 9 ; Rm 7: 2
22. Gn 2:24
23. Gl 5:15 ; Jm 3: 5 , 6 , 8
24. Pv 15:18 ; Mateus 5: 9 ; Salmo 85: 8
25. Ef 4:32 ; Jm 5:16
26. 2 Co 2: 4 ; 2 Co 12:15 ; 1 O 2: 8 
27. Gn 2:18 1 5:11; Ef 4:16 ; Hb 12:15 ; 1 Co 7: 5; Cl 2:19 ; Gn 35: 2 ; Gn 35: 4 ; Lv 19:17 ; Nm 16:27 ; Nm 16:32
28. Gn 2:18 ; 2 Co 13:5 ; Gl 6: 3 ; Gn 25:29 ; Gn 25:34
29. Cl 3:16 ; Hb 3:13 ; Hb 10:24
30. Pv 27: 6 ; Pro 15:12 ; Pv 15:31 ; Pv 15:32
31. Hb 10:24
32. Ef 4:15 ; Ef 4: 26-5: 9
33. Pv 29: 1
34. Ef 4: 11-16
35. Ct 5:16 ; Ef 5:27 3632 
36. 1Co 7: 13-14
37. 1Pe 3: 1 ; Jo 13:15 ; 1 Tm 4:12 ; 1 Co 11: 1 ;  Os 3: 7-9; 
38. Tt 2: 6 ; Jm 3:17 ; 2Pe 1: 5 ¬8 
39. 1Co 6:19 ; Dt 21:20 ; Pv 23:21 ; Pv 19:15 ; Pv 6: 9 ; Pv 10: 4 ; 
40. 2 Ts 3:10 e 19:24 ; Pv 20:13 ; Pv 23:21 ; Pv 24:33 ; Is 56:10 ; 1 Tm 5:13 Ef 5:29 , Jó 19:17
41. Pv 31 ; Tt 2: 5 ; 1 Tm 5:14 ; 1 Tm 5: 8 ; Êx 20: 9 , 11 ; Gn 3:19 ; 1Ts 3:10 4212 
42. Jm 4:11 ; Provérbios 17: 9 ; 1 Pedro 4: 8
43. Gn 18:19 ; Gn 35: 2 ; Josh 24:14 ; 1 Timóteo 5:14 ; Pv 31: 1
44. Hb 13: 2 ; Gn 18: 6; Rm 12:13 ; 2Cor 9: 6 ; Lucas 16: 9 ; 1 Tm 3: 2 ; 1 Tm 5:10 ; Pv 11:20; Pv 11:28 ; Ne 8: 1 ; Pv 19:17 ; Jó 29:13 ; Jo 31:20 At 20:35
45. Dt. 32:29 ; Sl 39: 4 ; Sl 90:12 ; Rm 14: 8 ; Hb 13:14 ; 1Pe 1:17 ; Sl 3: 5 ; Sl 37:37 ; Sl 49:15 ; Sl 73:24 ; Sl 116: 15; Pv 14:32 ; El 7: 1 ; Lucas 16:22 ; Lc 23:43 ; 1Co 15:51 ¬57; 2Co 5: 1 ; 2 Co 5: 4 ; 2 Co 5: 8 ; Fp 1: 20-23; 1Pe 1:11 ; 2 Pe 1:14 ; Ap 14:13 ; Sl 23: 4

Richard Baxter

Richard Baxter

Richard Baxter (1615-1691) foi o pastor e o evangelista mais destacado da época puritana. Foi autor de várias obras, as quais se destacam "O Pastor Aprovado" e "O Descanso Eterno dos Santos".

Publicidade: