Ministério Reformai
Publicidade:
Home | Tesouros de Davi: Salmos 3

Tesouros de Davi: Salmos 3

Série de exposições em Salmos por Charles Haddon Spurgeon. Confira todas as exposições clicando aqui.


Salmos 3

Verso 1

O pobre pai, de coração quebrantado, queixa-se da multidão de seus inimigos. Ao voltarmos para 2 Samuel 15:12, encontramos escrito que “a conjuração se fortificava, e vinha o povo, e ia crescendo com Absalão”, enquanto as tropas de Davi constantemente diminuíam! “Senhor, como se têm multiplicado os meus adversários!” (1a), aqui está uma nota de exclamação que expressa a infelicidade que assombrou e confundiu Davi: “infelizmente, não vejo limite para a minha miséria, pois meus problemas aumentam”. Davi dizia: “Os meus inimigos multiplicam-se, quando Absalão, meu querido, se rebela contra mim, é suficiente para partir o meu coração, mas eis que também me abandonaram os de fora, os meus fiéis conselheiros viraram as costas contra mim, e os meus generais e soldados desistiram da minha causa. Como eles são aumentados que me incomodam!” Os problemas sempre vêm em bandos. A tristeza é numerosa como uma grande família.

“São muitos os que se levantam contra mim” (1b), Davi reconhece que os anfitriões alheios são muito superiores aos dele, seus números são grandes demais para que possam ser calculados.

Aqui nos convém lembrar do inumerável exército que assedia nosso Divino Redentor. As legiões de nossos pecados, os exércitos de demônios, a multidão de dores corporais, a multidão de tristezas espirituais e todos os aliados da morte e do inferno se colocaram em batalha contra o Filho do Homem. Ó, quão precioso é saber e crer que Ele desbaratou seus exércitos e os pisou em Sua ira! Aqueles que nos teriam incomodado foram removidos ao cativeiro, e aqueles que se levantaram contra nós, Ele destruiu. O dragão perdeu a ferroada quando atirou na alma de Jesus.

Verso 2

Davi queixa-se diante do seu Deus amoroso da pior arma dos ataques de seus inimigos e da mais amarga de suas aflições. “Oh!” diz Davi, “muitos dizem da minha alma: não há salvação para ele em Deus” (2). Alguns de seus amigos desconfiados disseram isso com pesar, mas seus inimigos se gabavam de maneira exultante e ansiavam por ver tais palavras provadas pela total destruição de Davi. Esse foi o corte mais profundo de todos, quando declararam que o seu Deus o abandonara.

Davi sabia em sua própria consciência que havia lhes dado motivo para essa exclamação, pois havia cometido um pecado contra Deus na própria luz do dia e depois lançaram seu crime com Bate-Seba em seu rosto, e disseram: “Suba, homem sangrento; Deus te abandonou e te deixou”. Simei o amaldiçoou e lhe xingou em sua própria face (2 Sm 16:7). Sem dúvida, Davi sentiu isso a infernal sugestão de estar cambaleando em sua fé.

Se todas as provas que vêm do céu, todas as tentações que ascendem do inferno e todas as cruzes que surgem da terra poderiam ser misturadas e pressionadas juntas, elas não fariam uma prova tão terrível quanto a que está contida neste verso. É a mais amarga de todas as aflições considerar que não haja ajuda para nós em Deus. Devemos ainda nos lembrar de que nosso bendito Salvador teve que suportar isso no mais profundo grau quando clamou: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” (Mt 27:46). Ele sabia muito bem o que era andar na escuridão e não ver luz. Essa foi a maldição das maldições. Este era o absinto misturado com o fel. Estar desamparado de seu Pai era pior do que ser desprezado pelos homens. Certamente devemos amar aquele que sofreu as mais amargas das tentações e das provações por nossa causa.

“Selá” (2c), é uma pausa musical cujo significado preciso não é conhecido. Alguns acham que é simplesmente um descanso, uma pausa na música; outros dizem que significa: “Aumente o tom – cante mais alto, coloque a melodia mais acima com um tom mais alto – há uma questão mais nobre por vir, portanto, afine as suas harpas”. Cordas de harpa logo ficam fora de ordem e precisam ser apanhadas de novo até o aperto adequado, e certamente as cordas do nosso coração estão cada vez mais desafinadas. Deixe o “Selá” nos ensinar a orar.

O meu coração pode ser encontrado;
Como a harpa de som solene de Davi.

Pelo menos, podemos aprender que, onde quer que vejamos “Selá”, devemos considerar uma nota de observação. Vamos ler a passagem que a precede e sucede com maior seriedade, pois certamente há sempre algo excelente em que somos obrigados a descansar, pausar e meditar, ou quando somos obrigados a erguer nossos corações em um canto agradecido. “Selá”.

Verso 3

Aqui Davi confessa sua confiança em Deus, “porém tu, Senhor, és um escudo para mim” (3a). A palavra no original significa mais do que um escudo; significa um broquel ao redor, uma proteção que cercará completamente um homem, um escudo acima, abaixo, ao redor e dentro. Oh! Que escudo é Deus para o seu povo!

Ele afasta os ardentes dardos de Satanás da parte de baixo e as tempestades das provações de cima, enquanto, no mesmo instante, fala de paz à tempestade dentro do peito. Tu és “minha glória” (3b), exclama Davi, pois sabia que, apesar de ter sido desprezado e desdenhado, ainda deveria retornar em triunfo e pela fé ele olha para Deus honrando-o e glorificando-o. Oh, pela graça podemos ver nossa futura glória em meio à presente vergonha!

Há uma glória presente em nossas aflições, e deveríamos identifica-la, pois não é uma coisa mesquinha ter comunhão com Cristo em nossos sofrimentos. Davi ficou honrado quando subiu ao Monte das Oliveiras, chorando, com a cabeça coberta; porque em tudo isso ele se assemelhava ao seu Senhor. Aprendemos, a esse respeito, a nos gloriar nas tribulações também! “E o que exalta a minha cabeça” (3c), embora eu pendure minha cabeça em tristeza, eu a elevarei em alegria e gratidão. Que trio divino de misericórdias está contido neste verso, pois defende o desprezado e dá alegria ao desamparado. Em verdade, podemos muito bem dizer: “não há outro como o Deus de Jerusalém”.

Verso 4

“Com a minha voz clamei ao Senhor” (4a), por que ele diz “com a minha voz”? Certamente, orações silenciosas são ouvidas. Sim, mas os homens bons geralmente acham que, mesmo em segredo, oram melhor em voz alta do que quando não emitem nenhum som vocal. Talvez, por outro lado, Davi pensaria assim: “Meus inimigos cruéis clamam contra mim, eles levantam as suas vozes, e eis que eu levantarei a minha. Todos eles eles clamam, mas o grito da minha voz em grande aflição perfura os próprios céus, e é mais alto e mais forte do que todo o seu tumulto, pois há um no santuário que me escuta do sétimo céu, e Ele tem me ouvido de sua colina sagrada”.

As respostas às orações são cordiais e doces para a alma. Não precisamos temer um mundo carrancudo enquanto nos alegramos em ouvir a oração de Deus.

Aqui está outro “Selá” (4c). Descanse um pouco, ó crente, e mude o tom para um ar mais suave.

Verso 5

A fé de Davi permitiu que ele se deitasse e dormisse. A ansiedade certamente o teria mantido na ponta dos pés, procurando por um inimigo. Sim, ele foi capaz de deitar, dormir no meio do problema, cercado por inimigos. “Porque o Senhor me sustentou” (5c), há um sono de presunção (Deus nos livra disso!), mas há também um sono de santa confiança (Deus nos ajude a fechar os olhos!).

Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois assim dá ele aos seus amados o sono.

Salmos 127:1-2

Em seguida Davi diz que ele também despertou, “acordei” (5b). Alguns dormem o sono da morte; mas ele, embora exposto a muitos inimigos, reclinou a cabeça no peito do seu Deus, dormiu feliz sob a asa da providência em doce segurança, e então acordou em segurança. “Porque o Senhor me sustentou” (5c), a doce influência das Pleiades da promessa brilhou sobre o adormecido, e ele acordou consciente de que o Senhor o havia preservado. Um excelente divino bem observou: “Essa quietude do coração de um homem pela fé em Deus, é uma espécie superior de trabalho do que a resolução natural da coragem viril, pois é a operação graciosa do Espírito Santo de Deus, mantendo um homem acima da natureza, e, portanto, o Senhor deve ter toda a glória dela”.

Verso 6

Agachando-se em seu arreio para a batalha do dia, Davi canta: “Não temerei dez milhares de pessoas que se puseram contra mim e me cercam” (6). Observe que ele não tenta subestimar o número ou a sabedoria de seus inimigos. Ele os avalia em dezenas de milhares e os vê como caçadores engenhosos perseguindo-o com habilidade cruel. No entanto, ele não treme, mas olhando seu inimigo no rosto, ele está pronto para a batalha. “Pode não haver maneira de escapar; eles podem me cercar quando os cervos são cercados por um círculo de caçadores; eles podem me cercar por todos os lados, mas em Nome de Deus eu vou passar por eles; ou, se permanecer no meio deles, eles não me ferirão; Eu serei livre na minha própria prisão”.

Mas Davi é sábio demais para se aventurar na batalha sem oração; ele, portanto, fica de joelhos e grita em voz alta a Jeová.

Verso 7

Sua única esperança está em seu Deus, mas isso é uma confiança tão forte, que ele sabe que bastaria o Senhor se levantar para que ele fosse salvo. É o suficiente para o Senhor se levantar e tudo estará bem. Ele compara seus inimigos a bestas selvagens ao declarar que Deus quebrou as suas mandíbulas, para que não pudessem prejudicá-lo: “feriste a todos os meus inimigos nos queixos; quebraste os dentes aos ímpios” (7b). Ou então ele alude às tentações peculiares às quais ele foi exposto.

Seus inimigos haviam falado contra ele; Deus, portanto, os feriu no osso da face. Eles pareciam como se o devorassem com suas bocas; Deus quebrou os seus dentes, e digam o que quiserem, as suas mandíbulas desdentadas não serão capazes de devorá-lo. Alegra-te, ó crente, pois o dragão está com a cabeça quebrada e os inimigos tiveram seus dentes arrancados das suas mandíbulas!

Verso 8

Este versículo contém a soma e substância da doutrina calvinista. Examine as Escrituras e você deve (se você as ler com uma mente sincera) ser persuadido de que a doutrina da salvação somente pela graça é a grande doutrina da palavra de Deus: “A salvação vem do Senhor” (8a). Este é um ponto sobre o qual estamos lutando diariamente.

Nossos oponentes dizem: “A salvação pertence ao livre-arbítrio do homem; se não ao mérito do homem, mas pelo menos à vontade do homem”; mas nós mantemos e ensinamos que a salvação do primeiro ao último, em todos os seus aspectos, pertence ao Deus Altíssimo. É Deus quem escolhe o seu povo. Ele os chama por sua graça; Ele os vivifica pelo Seu Espírito e os mantém pelo Seu poder. Não é do homem e nem pelo homem; “não daquele que quer, nem do que corre, mas de Deus que usa de misericórdia” (Rm 9:16).

Que todos nós aprendamos esta verdade experimentalmente, pois nossa carne e sangue orgulhosos nunca nos permitirão aprender de outra maneira. Na última frase, a peculiaridade e especialidade da salvação são claramente declaradas: “sobre o teu povo seja a tua bênção” (8b). Nem sobre o Egito, nem sobre Tiro, nem sobre Nínive; A tua bênção está sobre o teu escolhido, o teu sangue comprado, o teu povo eternamente amado.

“Selá” (8c), levante seu coração, pare e medite sobre esta doutrina. “Divino, justificador, único, eterno, infinito, imutável amor, é um assunto para adoração constante. Pausa, minha alma, neste Selá, e considere o seu próprio interesse na salvação de Deus, e se pela fé humilde tu estiveres habilitado a ver Jesus como teu, por sua própria doação de si para ti, se esta maior de todas as bênçãos esteja com você, levante-se e cante:

Levante-te minh’alma! Adore e te maravilhes!
Pergunte: ‘Por que esse amor és para mim?’
A graça me colocaste no número
Da família do Salvador:
Aleluia!
Obrigado, obrigado eterno, a ti!


Retirado da obra original de Charles Haddon Spurgeon “Treasury of David, Psalm 3”. Citações escriturísticas a partir da Versão Almeida Corrigida Fiel (ACF). 2019 © Traduzido por Amanda Martins, revisado por Elnatan Rodrigues.

Charles Spurgeon

Charles Spurgeon

Charles H. Spurgeon (1834-1892) foi pregador, autor e editor britânico. Spurgeon também foi pastor do Tabernáculo Batista Metropolitano, em Londres. É conhecido como “Príncipe dos Pregadores”.

Publicidade:

Assuntos: