Ministério Reformai
Publicidade:
Home | Tesouros de Davi: Exposição do Salmos 5

Tesouros de Davi: Exposição do Salmos 5

Série de exposições em Salmos por Charles Haddon Spurgeon. Confira todas as exposições clicando aqui.


Salmos 5

Verso 1

Existem dois tipos de orações – aquela expressa em palavras e anseios inexprimíveis e as que permanecem como meditações silenciosas. Palavras não são a essência, mas sim as vestes da oração. Por exemplo, Moisés no Mar Vermelho clamou a Deus, embora ele não dissesse nada. No entanto, o uso da linguagem pode impedir a distração da mente, pode auxiliar os poderes da alma e excitar a devoção. Observamos que Davi usa de ambos os modos de oração, ansiando por audiência em um modo e por consideração em outro modo. Que palavra expressiva!

“Dá ouvidos às minhas palavras” (1a), quer dizer “se eu pedi o que é certo, dê para mim; Se eu falhar em pedir aquilo que mais eu preciso, preencha isso em minha oração”. “Atende à minha meditação” (1b), quer dizer “deixe sua alma se achegar a Deus através do meu glorioso Mediador e, em seguida, observe-O em tua sabedoria, pese-O na balança, julgue-O na minha sinceridade e no verdadeiro estado de minhas necessidades, e responda-me no devido tempo por causa da tua misericórdia!”.

Pode haver intercessão prevalente onde não há palavras; e ai de mim! Pode haver palavras em que não há súplica verdadeira. Cultivemos o espírito de oração que é ainda melhor que o hábito da oração. Pode haver aparente oração onde há pouca devoção. Devemos começar a orar antes de nos ajoelharmos e não devemos cessar quando nos levantarmos.

Verso 2

“À voz do meu clamor” (2a). Em outro Salmo encontramos a expressão “à voz do meu choro”. O choro tem uma voz – um tom de súplica e abatimento, um prostrar estridente e penetrante que atinge o coração de Deus; e o clamor tem uma voz – uma eloquência que move a alma, vinda do nosso coração e que alcança o coração de Deus. Ah! Meus irmãos e irmãs, às vezes não podemos colocar nossas orações em palavras: elas não são mais do que um grito. Mas o Senhor pode compreender o significado, pois Ele ouve uma voz em nosso clamor. Para um Pai amoroso, os gritos de seus filhos são música, e eles têm uma influência notável que seu coração não pode resistir.

“Rei meu e Deus meu” (2b), tal reconhecimento é a medula do apelo. Aqui está um grande argumento por que Deus deveria responder a oração – porque Ele é nosso Rei e nosso Deus. Nós não somos estrangeiros para Ele: Ele é o Rei, e os reis são esperados para ouvir os apelos de seu próprio povo. Nós não somos estranhos a Ele, somos Seus adoradores, e Ele é o nosso Deus: nosso por convênio, por promessa, por juramento, por sangue.

“Pois a Ti orarei” (2c). Aqui Davi expressa sua declaração de que ele buscará a Deus e somente a Deus. Deus é o único digno de adoração: o único recurso de nossa alma em tempos de necessidade. Deixem as cisternas para os ímpios e deixem os piedosos beberem apenas da fonte Divina. “A Ti orarei”, Davi faz uma resolução, que enquanto ele vivesse, ele iria orar. Ele nunca deixaria de suplicar, mesmo que a resposta não viesse.

Verso 3

Observe, Davi se dirige com bravura: “Pela manhã ouvirás a minha voz” (3a). Em outras palavras, “eu não serei tolo, não ficarei em silêncio, não negarei meu discurso, clamarei ao Senhor com todo o meu ser, porque o fogo que habita em mim me obriga orar”. Nossas orações são mais necessárias do que o nosso próprio fôlego. Nenhum dos filhos de pode ser tomado por algum espírito de tolice.

“Pela manhã” (3b). Este é o momento mais adequado para o relacionamento com Deus. Uma hora da manhã vale duas da noite. Enquanto o orvalho está na grama, deixe a graça cair sobre a alma. Vamos dar a Deus as manhãs de nossos dias e a manhã de nossas vidas. A oração deve ser a chave do dia e a fechadura da noite. A devoção deve ser tanto a estrela da manhã quanto a estrela da tarde.

Se apenas lermos nossa versão em português e quisermos uma explicação dessas duas frases, encontraremos na figura de um arqueiro: “Dirigirei minha oração ao Senhor, colocarei minha oração no arco, mirarei a oração em direção ao céu, e então quando eu levantar a minha flecha, vou olhar para cima para ver aonde ela foi”.

Mas o hebraico tem um significado ainda mais completo do que isso – “Apresentarei a Ti a minha oração” (3c). É a palavra usada para colocar em ordem a madeira e o sacrifício sobre o altar, é usada também para a colocação dos pães da proposição sobre a mesa. Significa exatamente isso: “Vou organizar minha oração diante de Ti, vou colocá-la sobre o altar pela manhã, assim como o sacerdote coloca o sacrifício da manhã, vou chamar todo o meu ser e colocá-lo em ordem diante de Ti, com devida honra, para que eu possa orar com todas as minhas forças, e orar aceitavelmente”.

“E vigiarei” (3d), ou, como o hebraico pode ser melhor traduzido: “Eu olharei para cima”, procurarei a resposta; depois de orar, esperarei que a bênção venha. É uma palavra que é usada em outro lugar onde lemos daqueles que oraram pela manhã. Então observarei tua resposta, ó meu Senhor! Espalharei minha oração como a oferta no altar, e levantarei os olhos e esperarei receber a resposta do fogo do céu para consumir o sacrifício.

Duas questões são sugeridas pela última parte deste verso. Não perdemos muito da doçura e da eficácia da oração por falta da cuidadosa meditação e esperançosa expectativa após orar? Nós frequentemente nos precipitamos na presença de Deus sem premeditação ou humildade. Somos como homens que se apresentam diante de um rei sem uma petição, e que maravilha é que muitas vezes perdemos o fim da oração? Devemos ter o cuidado de manter a corrente de meditação sempre correndo; pois esta é a água para dirigir o moinho da oração. É inútil parar as comportas de um riacho seco e esperar ver a roda girar. A oração sem fervor é como caçar com um cachorro morto, e a oração sem preparação é uma falcoaria com um falcão cego. A oração é a obra do Espírito Santo, mas Ele trabalha por meios. Deus fez o homem, mas Ele usou o pó da terra como material: o Espírito Santo é o Autor da oração, mas Ele emprega os pensamentos de uma alma fervorosa como o ouro com o qual moldar o vaso. Não sejam nossas preces e louvores os flashes de um cérebro quente e apressado, mas a constante queima de um fogo bem aceso.

Mas, além disso, não nos esquecemos de observar o resultado de nossas súplicas? Somos como a avestruz, que põe seus ovos e não olha para os filhotes. Semeamos a semente e estamos ociosos demais para buscar uma colheita. Como podemos esperar que o Senhor abra as janelas de Sua graça e nos derramar uma bênção, se não abrirmos as janelas da expectativa e procurarmos o favor prometido? Que a santa preparação ligue as mãos à expectativa do paciente e teremos respostas muito maiores para as nossas orações.

Verso 4

E agora, quando o salmista expressou seu fervor em oração, ele está implorando contra seus inimigos cruéis e perversos. Ele usa um argumento muito poderoso. Ele implora a Deus que os afaste, porque eles estavam desagradando ao próprio Deus. “Porque tu não és Deus que tem prazer na maldade; nem contigo habitará o mal”. Em outras palavras, Davi diz: “Enquanto eu oro contra meus inimigos, eu oro contra as mesmas coisas que tu mesmo aborreces. Tu detestas mal: Senhor, eu te rogo, livra-me deles”.

Aprendamos aqui a verdade solene: o ódio de um Deus justo sobre o pecado. Ele não tem prazer na maldade, por mais “espirituosa”, grandiosa e garbosa que ela possa parecer. Seu brilho não tem charme para Deus. Os homens podem se curvar diante da vilania bem-sucedida e esquecer a maldade da batalha na ostentação do triunfo, mas o Senhor da Santidade não é um como nós. “Nem contigo habitará o mal” (4b). O mal não pode habitar com Deus. Nem na terra nem no céu o mal compartilhará a mansão de Deus. Oh, quão tolos somos nós se tentarmos entreter dois convidados tão hostis uns aos outros como Cristo Jesus e o diabo! Tenha certeza de que Cristo não viverá na sala de estar de nossos corações se entretermos o diabo no porão de nossos pensamentos. Deus não habita onde há mal, e onde Deus está o mal não poderá habitar.

Verso 5

“Os loucos não pararão à tua vista” (5a). Pecadores são homens que em sua testa carregam escrito “sou louco”. Um pequeno pecado é uma grande loucura, e a maior de todas as loucuras é um grande pecado. Tais loucos pecadores como estes devem ser banidos da corte do céu. Os reis da Terra costumavam ter loucos em seus trens, mas o único Deus sábio não teria nenhum louco em seu palácio acima. “Odeias a todos os que praticam a maldade” (5b) e “sem a santificação ninguém verá ao Senhor” (Hb 12:14). Não é “um pouco desagradável”, mas um profundo ódio que Deus suporta os trabalhadores da iniquidade. Ser odiado por Deus é uma coisa terrível. Oh, sejamos muito fiéis em advertir os ímpios ao nosso redor, pois será terrível cair nas mãos de um Deus irado!

Verso 6

Observe que os propagadores do mal devem ser punidos, porque Deus destrói “aqueles que falam a mentira” (6a). Todos os mentirosos terão a sua porção no lago que arde com fogo e enxofre. Um homem pode mentir sem medo da lei e do conhecimento do homem, mas ele não escapará da lei e da visão de Deus. Os mentirosos têm asas curtas, seu voo logo terminará e eles cairão nas inundações ardentes da destruição.

“O Senhor aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento” (6b). Homens ensanguentados serão embriagados com seu próprio sangue, e aqueles que começaram por enganar os outros terminarão sendo enganados a si mesmos. Nosso velho provérbio diz: “Homens sanguinários e fraudulentos cavam seus próprios túmulos”. “Aborrecerá”, isto não nos mostra quão poderoso e profundo é o ódio do Senhor contra os operadores da iniquidade?

Verso 7

Com este verso termina a primeira parte do Salmo. O salmista inclinou o joelho em oração; ele descreveu diante de Deus, como um argumento para sua libertação, o caráter e o destino dos ímpios; e agora ele contrasta isso com a condição dos justos.

“Porém eu entrarei em tua casa pela grandeza da tua benignidade” (7a). Em outras palavras: “eu não ficarei longe, entrarei em Teu santuário, assim como uma criança entra na casa de seu pai. Mas eu não irei lá por meus próprios méritos; não, eu tenho uma multidão de pecados e, portanto, eu irei na multidão da tua misericórdia. Eu me aproximarei de Ti com confiança por causa de Sua graça incomensurável”.

Os juízos de Deus estão todos contados, mas Suas misericórdias são inumeráveis; Ele dá sua ira por peso, mas sem peso dá a Sua misericórdia. “E em teu temor me inclinarei para o teu santo templo”, em direção ao templo da Tua santidade. O templo não foi construído na terra naquele tempo; era apenas um tabernáculo; mas Davi costumava voltar seus olhos espiritualmente para aquele templo da santidade de Deus, onde entre as asas dos querubins habita em inefável luz, Daniel abriu a janela para Jerusalém, mas abrimos os nossos corações para o céu.

Verso 8

Agora chegamos à segunda parte, na qual o salmista repete seus argumentos e passa novamente pelo mesmo terreno.

“Senhor, guia-me” (8a), como uma criancinha é conduzida por seu pai, como um cego é guiado por seu amigo. É uma caminhada segura e agradável quando Deus está na frente do caminho. “Na tua justiça” (8b), não na minha justiça, porque é imperfeita, mas na Tua, porque o Senhor é único Justo. “Endireita diante de mim o teu caminho” (8c), em outras palavras: “Faça o Seu caminho, não do meu jeito, diante minha face”.

Irmãos, quando aprendemos a abandonar nosso próprio caminho e desejamos andar no caminho de Deus, é um sinal feliz de graça; e não é pouca misericórdia ver o caminho de Deus com visão clara diante do nosso rosto. Quando erramos nisso, nos afogamos em um mar de pecados, antes mesmo de sabermos onde estamos.

Verso 9

Esta descrição do homem depravado foi copiada pelo apóstolo Paulo, e, junto com algumas outras citações, ele colocou no segundo capítulo de Romanos, como sendo uma descrição precisa de toda a raça humana, não apenas dos inimigos de Davi, mas de todos os homens por natureza.

Observe essa figura notável: “Sua garganta é um sepulcro aberto” (9c), um sepulcro cheio de repugnância, de miasma, de peste e morte. Mas, pior que isso, é uma abertura do sepulcro, com todos os gases do mal saindo, para espalhar a morte e a destruição por toda parte. Assim, a garganta dos ímpios, seria uma grande misericórdia, se pudesse estar sempre fechada. Se pudéssemos selar em silêncio contínuo a boca do ímpio, seria como um sepulcro calado e não produziria muito dano. Mas “a garganta deles é aberta”.

A garganta será compelida a abandonar o seu caráter celestial, e você se manifestará e será honrado aos olhos dos homens. “Eles lisonjeiam com a língua” (9d). Ou, como podemos lê-lo: “Eles têm uma língua oleosa, uma língua macia”. Uma língua macia é um grande mal; muitos foram enfeitiçados por ela. Existem muitos comedores de formiga humanos que com suas longas línguas cobertas de palavras oleosas, seduzem e aprisionam os desavisados e, assim, ganham seu ganho. Quando o lobo lambe o cordeiro, ele está se preparando para molhar os dentes em seu sangue.

Verso 10

“Contra ti” (10), não contra mim. Se eles fossem meus inimigos, eu os perdoaria, mas não posso perdoá-los. Devemos perdoar nossos inimigos, mas os inimigos de Deus não está em nosso poder para perdoar.

Essas expressões têm sido frequentemente notadas por homens de refinamento excessivo como sendo duros e irritantes no ouvido. “Oh!”, dizem eles, “eles são vingativos e não têm misericórdia”. Lembremo-nos de que eles podem ser traduzidos como profecias, não como desejos; mas não nos importamos em nos valer desse método de fuga.

Nós nunca ouvimos falar de um leitor da Bíblia que, depois de ler atentamente essas passagens, se tornou vingativo ao lê-las, e é justo testar a natureza de uma escrita por seus efeitos. Quando ouvimos um juiz condenando um assassino, por mais severa que seja sua sentença, não sentimos que devamos ser justificados em condenar os outros por qualquer dano particular cometido contra nós.

O salmista aqui fala como juiz; ele fala como a boca de Deus, e ao condenar o ímpio, ele não nos dá nenhuma desculpa para dizer qualquer coisa no caminho da maldição sobre aqueles que nos causaram ofensa pessoal. A maneira mais vergonhosa de amaldiçoar o outro é fingir abençoá-lo. Ficamos todos pasmados ao notar a malícia desdenhada daquele velho e miserável sacerdote de Roma, quando ele amaldiçoou o Imperador da França com sua bênção. Ele estava abençoando-o em forma e amaldiçoando-o na realidade.

Agora, em contraste direto, nós colocamos essa saudável cominação de Davi, que se destina a ser uma bênção, advertindo o pecador da maldição iminente. Ó homem impenitente, seja conhecido que todos os teus amigos piedosos darão o seu solene assentimento à horrível sentença do Senhor, que ele pronunciará sobre ti no dia do juízo final!

No versículo seguinte, mais uma vez encontramos o contraste que marcou os Salmos anteriores.

Verso 11

A alegria é o privilégio do crente. Quando os pecadores são destruídos, nossa alegria será completa. Os ímpios riem primeiro e chorarão para sempre; nós choramos agora, mas nos alegraremos eternamente.

Quando uivarem, nós gritaremos e, como eles devem gemer para sempre, assim sempre devemos gritar de alegria. Esta nossa santa bênção tem um firme alicerce, pois, ó Senhor, estamos contentes em Ti. O eterno Deus é o poço da nossa felicidade. Nós amamos a Deus e, portanto, nos deleitamos nEle. Nosso coração está à vontade em nosso Deus. Nós nos reunimos com júbilo todos os dias porque nos alimentamos dEle. Temos canções em casa, canções no coração e canções no céu, pois o Senhor Jeová é a nossa força e nossa canção; Ele também se tornou a nossa salvação.

Verso 12

Jeová ordenou a Seu povo, os herdeiros da bem-aventurança, e nada lhes roubaria a herança. Com toda a plenitude de Seu poder, Ele os abençoará e todos os Seus atributos se unirão para satisfazê-los com o divino contentamento. Nem isso é apenas para o presente, mas a bênção atinge o futuro longo e desconhecido.

“Pois Tu, Senhor, abençoarás os justos” (12a). Esta é uma promessa de comprimento infinito, de largura ilimitada e de preciosidade inefável. Quanto à defesa que o crente precisa nesta terra de batalhas, é aqui prometida a ele na mais completa medida. Havia vastos escudos usados pelos antigos, tão extensos quanto a pessoa inteira de um homem, que o cercariam inteiramente. Assim diz Davi “circundá-lo-ás da tua benevolência como de um escudo” (12b). De acordo com Ainsworth, há aqui também a ideia de ser coroado, de modo que usemos um capacete real, que é ao mesmo tempo nossa glória e defesa. Ó Senhor, sempre nos dê esta graciosa coroação!

 


 

Retirado da obra original de Charles Haddon Spurgeon “Treasury of David, Psalm 5”. Citações escriturísticas a partir da Versão Almeida Corrigida Fiel (ACF). 2019 © Traduzido por Amanda Martins, revisado por Elnatan Rodrigues.

Charles Spurgeon

Charles Spurgeon

Charles H. Spurgeon (1834-1892) foi pregador, autor e editor britânico. Spurgeon também foi pastor do Tabernáculo Batista Metropolitano, em Londres. É conhecido como “Príncipe dos Pregadores”.

Publicidade: