Ministério Reformai
Publicidade:
 Rodrigues Studio
Home | Tesouros de Davi: Salmos 6

Tesouros de Davi: Salmos 6

Série de exposições em Salmos por Charles Haddon Spurgeon. Confira todas as exposições clicando aqui.


Salmos 6

Verso 1

“Senhor, não me repreendas na tua ira” (1a). O salmista está muito consciente de que ele merece ser repreendido, e ele sente que a repreensão de alguma forma deve vir sobre ele, se não por condenação, mas para convicção e santificação. “O milho é limpo com o vento e a alma com as punições”.

É loucura orar contra a mão de Deus que nos enriquece em Suas admoestações. Por isso, o salmista não pede que a repreensão seja totalmente omitida, pois assim ele pode perder a bênção do pai; mas, “Senhor, não me repreenda na tua ira” (1a). Em outras palavras: “Se me lembrares do meu pecado e vieres trabalhar em mim, isso é bom; mas não o faça no furor contra mim, para que o coração de teu servo não afunde em desespero, mas sim no amor que me santifica”.

Assim diz Jeremias: “Castiga-me, ó Senhor, porém com juízo, não na tua ira, para que não me reduzas a nada” (Jr 10:24). Sei que devo ser castigado e, embora me afaste da vara, sinto que será para meu benefício; mas, oh meu Deus, “não me castigue no teu desagrado terrível”, para que a vara não se torne uma espada que fere e mata.

Assim, podemos orar para que os castigos de nosso gracioso Deus, se eles não forem inteiramente removidos, possam pelo menos ser adoçados pela consciência de que eles “não foram em sua ira, mas no amor da sua querida aliança”. Se almejamos ser santificados, não desejaremos a ausência da vara de Deus, mas estaremos conscientes de que a ira de Deus foi posta em Cristo e assim oraremos.

Verso 2

“Tem misericórdia de mim, ó Senhor, porque eu sou fraco” (2a). Em outras palavras, “embora eu mereça a destruição, deixe que a Sua misericórdia tenha pena da minha fragilidade”. Este é o caminho certo para implorar a Deus, o reconhecimento da fraqueza. Não exija a bondade de Deus e não se glorie de suas obras, mas lance o seu pecado e sua pequenez. Chore, “eu sou fraco” portanto, “ó Senhor, dá-me força e não me esmague. Não envie a fúria da tua tempestade contra um vaso tão fraco. Tempere o vento para o cordeiro tosquiado. Seja terno e lamentável com uma pobre flor murcha, e não a quebre do caule”.

Certamente esse é o argumento que um homem doente instigaria, a compaixão de seus companheiros pela confissão de sua fraqueza: “Trate-me graciosamente, pois sou fraco”. O sentimento de pecado esmagou tanto o orgulho do salmista, assim tirou a sua força alardeada, que ele se achou fraco para obedecer a lei, fraco pela tristeza que estava nele, muito fraco, talvez, para agarrar a promessa. “Eu sou fraco”. O penitente arrependido se reconhece fraco e não oculta o seu pecado, não se enfurece contra Deus, mas o confessa com o clamor de misericórdia. O original pode ser lido: “Eu sou aquele que se inclina” ou “definhado como uma planta arruinada”. Ah! amados, sabemos o que isso significa, pois nós também vimos nossa glória manchada e nossa beleza como uma flor desbotada. Devemos nos achegar a Deus com coração humilde e penitente.

Verso 3

“Até a minha alma está perturbada; mas tu, Senhor, até quando?” (3). Aqui ele ora por cura, não apenas dos males que sofreu, mas de sua alma. Seus ossos foram “abalados” como o hebraico diz. Seu terror se tornara tão grande que seus próprios ossos tremeram; Sua carne não apenas tremia, mas os ossos, os sólidos pilares da casa de homens, eram levados a tremer.

“Minha alma está perturbada” (3a). Ah, quando a alma tem um sentimento de pecado, é o suficiente para fazer os ossos tremerem; é o suficiente para fazer o cabelo de um homem ficar em pé para ver as chamas do inferno abaixo dele, um Deus irado acima dele, o perigo e a dúvida tomam conta dele.

O problema da alma é a alma do problema. Não importa que os ossos tremem se a alma for firme, mas quando a própria alma também está dolorida, isso é realmente uma agonia. “Mas tu, ó Senhor, até quando?” (3b). Essa frase termina abruptamente, pois as palavras falharam e o pesar afogou o pouco conforto que lhe ocorreu. O salmista ainda tinha alguma esperança; mas essa esperança estava somente em seu Deus. Ele então clama: “Ó Senhor, até quando?”.

A vinda de Cristo à alma em suas vestes sacerdotais de graça é a grande esperança da alma arrependida; e, de fato, de alguma forma a aparência de Cristo é, e sempre foi, a esperança dos santos. A exclamação favorita de Calvino era “Usquequo Domine Ó Senhor, até quando?”. Nem suas dores mais agudas, durante uma vida de angústia, forçavam qualquer outra palavra. Certamente este é o grito dos santos debaixo do altar: “Ó Senhor, até quando?” . E este deveria ser o grito dos santos que esperam pelas glórias milenárias, “Por que sua carruagem tarda em vir? Senhor, até quando?”.

Verso 4

“Volta-te, Senhor, livra a minha alma” (4a). Como a ausência de Deus era a principal causa da miséria do salmista, seu retorno a Deus seria suficiente para livrá-lo do seu problema. Ele sabe onde procurar a solução, porque reconhece qual é o seu problema e sabe em que braço segurar.

Ele não se apega à mão esquerda da justiça de Deus, mas à sua destra de misericórdia. Ele conhecia sua iniquidade muito bem e por isso nunca pensaria em mérito e jamais recorreria a qualquer coisa que não a graça de Deus.

“Salva-me por tua benignidade” (4b). Que pedido! Quão prevalente é com Deus! Se nos voltarmos para a justiça, que apelo podemos encontrar? Mas se nos voltarmos para a misericórdia, ainda podemos chorar, apesar da grandeza de nossa culpa. Observe com que frequência Davi aqui pleiteia o nome de Jeová, onde encontramos a palavra SENHOR. São cinco vezes em quatro versos. Não é isto uma prova de que o nome glorioso é cheio de consolo para o santo tentado? A eternidade, o infinito, a imutabilidade, a auto existência, estão todos no nome Jeová, e todos estão cheios de consolo.

Verso 5

“Porque na morte não há lembrança de ti; no sepulcro quem te louvará?” (5). Agora Davi temia a morte – tempos distante de Deus, e talvez a morte eterna. Leia a passagem como quiser, o seguinte verso é cheio de poder. Os cemitérios são lugares silenciosos; as abóbadas do sepulcro não ecoam canções. Terra úmida cobre lábios loucos.

“Ó Senhor!” diz ele, “se me poupares, eu te louvarei. Se eu morrer, então meu louvor mortal, pelo menos, deve ser suspenso; e se eu perecer no inferno, tu nunca terás qualquer agradecimento de mim. É verdade que sem dúvida serás glorificado, mesmo em minha condenação eterna, mas então, ó Senhor, não posso glorificá-lo voluntariamente, e entre os filhos dos homens haverá um coração a menos para te adorar”.

Ah! Pobre e tremente pecador, que o Senhor o ajude a usar este forte argumento! É para a glória de Deus que um pecador deve ser salvo, então é a glória dEle que deve ser vista. Quando buscamos o perdão, não pedimos a Deus que faça aquilo que manchará seu estandarte ou ponha um borrão no seu escudo, mas que Ele possa ser visto em nós.

Ele se deleita em misericórdia. É por isso que um arrependido confessa o seu erro e não volta ao mesmo, pois visa a glória de Deus e não a sua própria. A misericórdia é um atributo peculiar e querido de Deus, porque ela honra a Deus, exaltando o Seu nome e salvando pecadores. Não dizemos nós mesmos: “A misericórdia abençoa o que dá e aquele que o toma?” E certamente, em algum sentido divino, isso é verdade para Deus, que, quando ele dá misericórdia, glorifica a Si mesmo.

Verso 6

O salmista dá uma descrição temerosa de sua longa agonia: “Já estou cansado do meu gemido, toda a noite faço nadar a minha cama; molho o meu leito com as minhas lágrimas” (6). Ele gemeu até sua garganta ficar rouca; ele clamara por misericórdia até que a oração se transformasse em um verdadeiro trabalho de parto.

O povo de Deus pode gemer, mas eles não podem resmungar. Sim, eles devem gemer quando estão sobrecarregados, ou então nunca gritarão no dia da libertação. A próxima frase deveria ser: “Eu farei minha cama boiar [em minhas lágrimas] todas as noites”. Ou seja, minha mágoa é assustadora mesmo agora, mas se Deus não me salvar logo, ela não permanecerá em si mesma, mas aumentará, até que minhas lágrimas sejam tantas, que minha própria cama boie.

Uma descrição, em vez do que ele temia, do que realmente aconteceu. Não podem os nossos pressentimentos de aflições futuras se tornarem argumentos que a fé pode instar ao buscar a misericórdia atual?

Verso 7

“Já os meus olhos estão consumidos pela mágoa, e têm-se envelhecido por causa de todos os meus inimigos” (7). Como os olhos de um idoso se tornam enfraquecidos com os anos, assim, diz Davi, “meus olhos ficam consumidos e fracos através do choro”.

O arrependimento tem tal efeito sobre o corpo, que até mesmo os órgãos externos sofrem. Não é surpreendente que algumas almas sejam feridas na terra e comecem a chorar em voz alta, quando descobrimos que o próprio Davi fez sua cama boiar e envelheceu enquanto ele estava sob a pesada mão de Deus? Ah! irmãos, não é leve se sentir pecador, condenado no tribunal de Deus. A linguagem deste Salmo não é tensa e forçada, mas perfeitamente natural para alguém em situação tão terrível e lamentável. 

Verso 8

Até agora, tudo tem sido triste e desconsolado. Você deve ter seus momentos de choro sincero, mas deixá-los ser curtos pela esperança do Cristo vivente. Levanta-te, jogue de lado o seu pano de saco e cinzas! “O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã” (Sl 30:5).

Davi encontrou paz e, levantando-se de joelhos, começa a varrer a casa dos ímpios. “Afasta de mim todos os que praticam a iniquidade”. O melhor remédio para nós contra um homem mau é a distância dele. O arrependimento é uma coisa prática, não é suficiente lamentar a profanação do templo do coração, devemos flagelar os compradores e vendedores e derrubar as mesas dos cambistas, nos afastando rigorosamente do ímpio e da impiedade, odiando os pecados que custaram o Sangue do Salvador. Graça e pecado são inimigos ferrenhos, e um ou outro deve sumir.

“Porque o Senhor já ouviu a voz do meu pranto” (8b). Que belo hebraísmo e que grande poesia é esta! Há uma voz chorando? O pranto fala? Em que língua ele pode ser entendido? Quando um homem chora, seja judeu ou gentio, bárbaro, cita, escravo ou livre, tem o mesmo significado. O choro é a eloquência do sofrimento. É um orador não-instável, não precisando de intérprete, mas é entendido por todos. Não é doce acreditar que nossas lágrimas são compreendidas mesmo quando as palavras falham? Aprendamos a pensar nas lágrimas como orações líquidas e no choro como uma constante queda de intercessão importunada que certamente seguirá seu caminho até o coração da misericórdia, apesar das dificuldades pungentes que obstruem o caminho.

Verso 9

“O Senhor já ouviu a minha súplica” (9a). O Espírito Santo operou na mente do salmista a confiança de que sua oração foi ouvida. Este é frequentemente o privilégio dos santos. Orando pela fé, eles são frequentemente infalivelmente assegurados de que eles prevaleceram com Deus. Lemos de Lutero que, tendo em uma ocasião lutado duramente com Deus em oração, ele saiu pulando do seu armário gritando: “Vicimus, vicimus”, isto é, “vencemos, temos prevalecido com Deus”.

A confiança garantida não é um sonho ocioso, pois quando o Espírito Santo nos dá a conhecer, sabemos sua realidade e não podemos duvidar dela, embora todos os homens devam ofender nossa ousadia.

Verso 10

“Envergonhem-se e perturbem-se todos os meus inimigos; tornem atrás e envergonhem-se num momento” (10). Esta é antes uma profecia que uma imprecação, pode ser lida no futuro: “Todos os meus inimigos se envergonharão e ficarão aborrecidos”.

Eles retornarão e ficarão envergonhados instantaneamente, em um momento, sua destruição virá sobre eles de repente. O dia da morte é o dia do juízo final, e ambos são certos e podem ser repentinos. Os romanos costumavam dizer: “Os pés da divindade vingadora são calçados com lã”. Com passos silenciosos, a vingança se aproxima de sua vítima, e repentina e avassaladora será seu golpe destruidor.

Se isso fosse uma imprecação, devemos lembrar que a linguagem da antiga aliança não é a mesma da nova. Nossos inimigos, não contra eles. Deus tenha piedade deles e traga-os para o caminho certo. Assim, o Salmo, como aqueles que o precedem, mostra as diferentes propriedades dos piedosos e dos ímpios. Senhor, sejamos contados com o teu povo, agora e para sempre!


Retirado da obra original de Charles Haddon Spurgeon “Treasury of David, Psalm 6”. Citações escriturísticas a partir da Versão Almeida Corrigida Fiel (ACF). 2019 © Traduzido por Amanda Martins, revisado por Elnatan Rodrigues. Para o uso correto deste recurso visite nossa Página de Permissões.

Charles Spurgeon

Charles Spurgeon

Charles H. Spurgeon (1834-1892) foi pregador, autor e editor britânico. Spurgeon também foi pastor do Tabernáculo Batista Metropolitano, em Londres. É conhecido como “Príncipe dos Pregadores”.

Publicidade:
 Rodrigues Studio

Assuntos: