Ministério Reformai
Publicidade:
Home | Tesouros de Davi: Exposição do Salmos 9

Tesouros de Davi: Exposição do Salmos 9

Série de exposições em Salmos por Charles Haddon Spurgeon. Confira todas as exposições clicando aqui.


Verso 1

Eu te louvarei, Senhor, com todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas. Com uma resolução sagrada, o cantor começa seu hino; Eu te louvarei, ó Senhor.

Salmos 9:1

Às vezes, é necessária toda a nossa determinação para enfrentar o inimigo e adorar ao Senhor diante deles; jurando que o que quer que aconteça, louvaremos o Seu Nome; aqui, no entanto, a derrubada do inimigo é vista como completa, e a canção flui com a plenitude sagrada de deleite. É nosso dever louvar ao Senhor; vamos assim fazer como um verdadeiro privilégio.

Observe que o louvor de Davi é todo dado ao Senhor. O louvor deve ser oferecido somente a Deus; podemos ser gratos ao agente intermediário, mas nossos agradecimentos devem ter longas asas e subir ao céu.

“Com todo o meu coração”. Metade de um coração não é o coração. Há um verdadeiro louvor em agradecimento ao nosso Pai celestial e esse louvor é um dos temas sobre os quais os piedosos devem falar frequentemente um com os outros, e não será como lançar pérolas aos porcos se fizermos até os ímpios ouvirem a bondade amorosa do Senhor para conosco.

“Todas as tuas maravilhas”. A gratidão por uma misericórdia refresca a memória de milhares de outras. Um elo de prata da corrente elabora uma longa série de lembranças ternas. Aqui está um trabalho eterno para nós, pois não pode haver fim para a manifestação de todos os Seus feitos de amor. Se tão somente considerarmos a nossa própria pecaminosidade, devemos sentir toda a obra de preservação, perdão, conversão, libertação, santificação etc., que o Senhor fez por nós ou em nós. Este é um trabalho maravilhoso de Deus, alvo da nossa maior gratidão. Mesmo no céu, a bondade divina ainda será, sem dúvida, um tema de surpresa e de arrebatamento aos santos.

Verso 2

Em ti me alegrarei e saltarei de prazer; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo.

Salmos 9:2

Júbilo e alegria formam o espírito apropriado para louvar a bondade do Senhor. Os pássaros exaltam o Criador em notas de alegria transbordante, o gado faz elogios com um tumulto de felicidade e os peixes pulam em sua adoração com excesso de prazer.

Moloque pode ser adorado com gritos de dor, e Juggernaut pode ser honrado por gemidos agonizantes e gritos desumanos, mas aquele cujo nome é Amor está mais satisfeito com a santa alegria santificada de Seu povo. A alegria diária é um ornamento para o caráter cristão e uma túnica adequada para os coristas de Deus usarem. Deus ama um doador alegre, seja o ouro de sua bolsa ou o ouro de sua boca que ele apresenta em Seu Altar.

“Cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo”. Os cânticos são a expressão apropriada de gratidão interior, e seria bom se nos entregássemos e honrássemos ao nosso Senhor com mais deles. O sr. B. P. Power disse bem:

“Os marinheiros soltam um grito de alegria enquanto ancoram, o lavrador assobia de manhã enquanto dirige sua equipe; a leiteira canta sua música rústica enquanto define sua tarefa inicial; quando os soldados estão saindo para a guerra, eles não marcham com uma melodia sem vida, mas para canções com um ar de animação. Um espírito de louvor faria por nós tudo o que suas canções e músicas fazem por eles. Louvar ao Senhor, deve nos levar a superar muitas dificuldades que nossos espíritos baixos não permitem. O louvor nos leva ao trabalho mais eficiente, pois a alma abatida não encontra forças para o trabalho. Assim como o espírito maligno em Saul cedia à influência da harpa do filho de Jessé, também o espírito de tristeza frequentemente foge de nós, se tão somente adotamos o cântico de louvor ao nosso Deus.” (B. P. Power)

Verso 3

Porquanto os meus inimigos retornaram, caíram e pereceram diante da tua face.

Salmos 9:3

A presença de Deus é cada vez mais suficiente para derrotar nossos inimigos mais furiosos, e a ruína deles é tão completa quando o Senhor os toma em mãos, que nem mesmo a fuga pode salvá-los. Devemos ter cuidado, como Davi, para dar toda a glória àquele cuja presença dá a vitória. Se tivermos o mesmo alvo e deleite do nosso capitão conquistador, façamos dos triunfos do Redentor os mesmos triunfos dos redimidos e nos regozijemos com Ele na Sua vitória contra os Seus inimigos.

Verso 4

Pois tu tens sustentado o meu direito e a minha causa; tu te assentaste no tribunal, julgando justamente.

Salmos 9:4

Entre os nobres da humanidade nós ouvimos: “Vou sustentar”; mas o cristão tem um melhor e mais humilde lema: “Tu tens sustentado”. “O meu direito e a minha causa” estão unidos pela minha fé: enquanto Deus vive, o meu direito nunca será tirado de mim. Se procurarmos manter a causa e a honra de nosso Senhor, podemos sofrer reprovação e deturpação, mas é um consolo rico lembrar que Aquele que está sentado no Trono conhece nossos corações e não nos deixará ao julgamento ignorante do homem errante.

Verso 5

Repreendeste as nações, destruíste os ímpios; apagaste o seu nome para sempre e eternamente.

Salmos 9:5

Deus repreende antes que Ele destrua, mas quando Ele chega a soprar contra os ímpios, Ele não cessa até que os destrua em pedaços tão pequenos que seu próprio nome é esquecido. Quantas vezes a palavra “Tu” ocorre neste e no versículo anterior, para nos mostrar que toda a tensão se eleva diretamente ao Senhor, assim como a fumaça do altar quando o ar está parado. Minha alma envia toda a música de todos os Teus poderes Àquele que foi e é a tua libertação segura.

Verso 6

Oh! Inimigo! Acabaram-se para sempre as assolações; e tu arrasaste as cidades, e a sua memória pereceu com elas.

Salmos 9:6

Aqui o salmista exulta sobre o inimigo caído. Dobra-se, por assim dizer, sobre sua forma prostrada e insulta sua força outrora exaltada. Ele tira a música do batedor de boca e canta para ele em tom de escárnio. Assim, nosso Glorioso Redentor pede a morte: “Onde está o seu aguilhão?” e da sepultura: “Onde está a tua vitória?”. O suspense é encerrado, e quem fez cativo é levado ao cativeiro. Saiam as filhas de Jerusalém ao encontro de seu Rei, e O louvem com tamboril e harpa.

À luz do passado, o futuro não é duvidoso. Visto que o mesmo Deus Todo-Poderoso preenche o Trono do poder, podemos, com uma confiança hesitante, exultar em nossa segurança por todo o tempo vindouro.

Verso 7

“Mas o Senhor está assentado perpetuamente; já preparou o seu tribunal para julgar”.

Salmos 9:7

A existência duradoura e o domínio imutável de nosso Jeová são os fundamentos firmes de nossa alegria. O inimigo e suas destruições chegarão a um fim perpétuo, mas Deus e seu Trono permanecerão para sempre. A eternidade da soberania divina produz consolação infalível. Pelo Trono sendo preparado para o julgamento, não devemos entender a rapidez da justiça divina. Na corte do céu, os pretendentes não se desgastam com longos atrasos. O período do mandato dura o ano todo na corte do banco do Rei acima. Milhares podem chegar imediatamente ao Trono do juiz de toda a terra, mas nem o demandante nem o réu terão que reclamar que ele não está preparado para dar uma sentença justa à sua causa.

Verso 8

Ele mesmo julgará o mundo com justiça; exercerá juízo sobre povos com retidão.

Salmos 9:8

O que quer que as cortes terrenas possam fazer, o Trono do céu ministra o julgamento em retidão. Parcialidade e docilidade pelas pessoas são coisas desconhecidas nos tratos do Santo de Israel. A perspectiva de comparecer perante o tribunal imparcial do Grande Rei deve agir como um cheque para nós quando somos tentados a pecar, e como um conforto quando somos caluniados ou oprimidos!

Verso 9

O Senhor será também um alto refúgio para o oprimido; um alto refúgio em tempos de angústia.

Salmos 9:9

Quem não dá credibilidade aos ímpios no dia do juízo, é a defesa e o refúgio de seus santos no dia da angústia. Existem muitas formas de opressão; tanto do homem como de Satanás, a opressão chega até nós; e por todas as suas formas, é fornecido um refúgio no Senhor Jeová. Havia cidades de refúgio sob a lei, mas Deus é a nossa cidade de refúgio sob o evangelho. Como os navios servem de abrigo, quando atormentados pela tempestade, os oprimidos apressam-se às asas de um Deus justo e gracioso. Ele é uma torre alta tão inexpugnável que as hostes do inferno não podem carregá-la pela tempestade, e de suas alturas altíssimas a fé olha com desprezo para seus inimigos.

Verso 10

Em ti confiarão os que conhecem o teu nome; porque tu, Senhor, nunca desamparaste os que te buscam

Salmos 9:10

A ignorância é pior quando se trata de ignorância de Deus, e o conhecimento é melhor quando se exercita sobre o nome de Deus. Esse conhecimento excelente leva à mais excelente graça da fé para aprender mais sobre os atributos e caráter de Deus. A incredulidade não pode viver à luz do conhecimento divino; ela desaparece diante do grande e gracioso nome de Deus. Se lermos esse versículo literalmente, haverá, sem dúvida, uma plenitude gloriosa de segurança no nome de Deus.

Por conhecer o seu nome, também se entende um conhecimento experimental dos atributos de Deus, que são todos eles âncoras para impedir que a alma se desvie em épocas de perigo. O Senhor pode esconder Seu rosto por um período de tempo do seu povo, mas Ele nunca abandonou completamente, finalmente, realmente ou com raiva aqueles que o procuram. Que os pobres buscadores se consolem com esse fato, e que os buscadores se regozijem ainda mais, pois qual deve ser a fidelidade do Senhor àqueles que descobrem que Ele é tão gracioso com os que buscam!

Ó esperança de todo coração contrito,
Ó alegria de todos os mansos,
Para os que caem, quão bondoso és,
Que bom para os que buscam.

Mas o que para aqueles que acham, ah, isso
nem língua nem caneta podem mostrar
o amor de Jesus, o que é,
ninguém além de seus entes queridos sabe
.

Verso 11

Cantai louvores ao Senhor, que habita em Sião; anunciai entre os povos os seus feitos

Salmos 9:11

Sendo ele próprio cheio de gratidão, nosso autor inspirado está ansioso para estimular os outros a se unirem à tensão e louvar a Deus da mesma maneira que ele próprio prometeu fazer no primeiro e no segundo versos. O espírito celestial de louvor é gloriosamente contagioso, e aquele que o tem nunca fica contente, a menos que possa excitar todos os que o cercam a se unirem em seu doce emprego.

O canto e a pregação, como meio de glorificar a Deus, estão aqui reunidos, e é notável que, relacionado a todos os avivamentos do ministério do evangelho, houve uma explosão repentina do espírito da canção. Os Salmos e os Hinos de Lutero estavam na boca de todos os homens, e no avivamento moderno de Wesley e Whitefield, as linhagens de Charles Wesley, Cennick, Berridge, Toplady, Hart, Newton e muitos outros foram o resultado da devoção restaurada.

O canto dos pássaros de louvor acompanha adequadamente o retorno da graciosa primavera da visitação divina através da proclamação da verdade. Cante, irmãos, e pregue, e estes serão um sinal de que o Senhor ainda habita em Sião. Será bom para nós, quando chegarmos a Sião, lembrar que o Senhor habita entre os Seus santos e deve ser tido em reverência peculiar a todos aqueles que o cercam.

Verso 12

Pois quando inquire do derramamento de sangue, lembra-se deles: não se esquece do clamor dos aflitos.

Salmos 9:10

Quando um inquérito é realizado sobre o sangue dos oprimidos, os santos martirizados terão a primeira lembrança; o Senhor vingará por Seus próprios eleitos. Os santos que vivem também serão ouvidos; serão exonerados da culpa e preservados da destruição, mesmo quando a mais terrível obra do Senhor estiver em andamento; o homem com o tinteiro ao seu lado marcará a todos por segurança, antes que os matadores possam ferir os inimigos do Senhor. O humilde clamor dos santos mais pobres não será afogado pela voz da justiça trovejante nem pelos gritos dos condenados.

Verso 13

Tem misericórdia de mim, Senhor, olha para a minha aflição, causada por aqueles que me odeiam; tu que me levantas das portas da morte.

Salmos 9:13

Memórias do passado e confidências a respeito do futuro conduziram o homem de Deus ao propiciatório para implorar pelas necessidades do presente. Entre louvar e orar, ele dividia todo o seu tempo. Como ele poderia ter gasto o seu fôlego de maneira mais proveitosa e gloriosa? Sua primeira oração é adequada para todas as pessoas e ocasiões, respira um espírito humilde, indica autoconhecimento, apela aos atributos adequados e à Pessoa adequada. “Tem misericórdia de mim, ó Senhor”. Assim como Lutero costumava chamar alguns textos de Bíblias, também podemos chamar essa frase de um pequeno livro de orações; pois possui a alma e a medula da oração. É mútuo em parvo, e como a espada angelical gira em todos os sentidos. A escada parece ser curta, mas é a chega da terra ao céu.

Que título nobre é dado aqui ao Altíssimo. “Tu que me levantas das portas da morte”. Que elevador glorioso! Na doença, no pecado, no desespero, na tentação, fomos trazidos para muito baixo, e o portal sombrio parecia como se abrisse para nos aprisionar, mas, debaixo de nós, estavam os braços eternos, e, portanto, fomos elevado até os portões do céu. Trapp diz curiosamente: “Ele geralmente reserva sua mão para um levantamento morto e resgata aqueles que estavam falando de seus túmulos”.

Verso 14

Para que eu conte todos os teus louvores nas portas da filha de Sião, e me alegre na tua salvação.

Salmos 9:14

Não devemos ignorar o objetivo de Davi ao desejar misericórdia, é a glória de Deus: “para que eu conte todos os teus louvores”. Os santos não são tão egoístas a ponto de olhar apenas para si mesmos; eles desejam o diamante da misericórdia para que outros possam vê-lo brilhar, e podem admirar Aquele que dá tais joias de valor inestimável ao seu amado. O contraste entre os portões da morte e os portões da Nova Jerusalém é muito impressionante; que nossas canções sejam excitadas ao mais alto e arrebatador tom pela dupla consideração de onde somos levados e pelo que fomos elevados, e que nossas orações por misericórdia se tornem mais enérgicas e agonizantes por uma sensação da graça que a salvação implica. Quando Davi fala de contar todos os louvores de Deus, ele quer dizer que, em sua libertação, a graça em todas as suas alturas e profundezas seria ampliada. Assim como nosso hino coloca:

Ó comprimento e largura do amor!
Jesus, Salvador, pode ser?
Toda a altura da tua misericórdia eu provo,
Toda a profundidade é vista em mim.

Aqui termina a primeira parte deste Salmo instrutivo e, ao fazer uma pausa, nos sentimos obrigados a confessar que nossa exposição apenas esvoaçou sobre sua superfície e não cavou nas profundezas. Os versículos são singularmente cheios de ensinamentos, e se o Espírito Santo abençoar o leitor, ele pode repassar este Salmo, como o escritor já fez inúmeras vezes, e ver em cada ocasião novas belezas.

Verso 15

Os gentios enterraram-se na cova que fizeram; na rede que ocultaram ficou preso o seu pé.

Salmos 9:15

Ao considerar esta imagem terrível dos julgamentos avassaladores do Senhor sobre seus inimigos, somos chamados a ponderar e meditar sobre ela com profunda seriedade pelas duas palavras não traduzidas, “Higgaion” e “Selah”. Medite, faça uma pausa. Considere e afine seu instrumento. Pensem em si mesmo e ajuste solenemente seu coração à solenidade que está tão bem se tornando o assunto. Vamos, em espírito humilde, abordar esses versículos e notar, primeiro, que o caráter de Deus exige a punição do pecado.

Verso 16

O Senhor é conhecido pelo juízo que fez; enlaçado foi o ímpio nas obras de suas mãos. (Higaiom; Selá.).

Salmos 9:16

eová é conhecido pelo julgamento que executa; sua santidade e aversão ao pecado são assim exibidas. Um governante que piscou para o mal logo seria conhecido por todos os seus súditos como sendo o próprio mal, e ele, por outro lado, que é severamente justo no julgamento, revela sua própria natureza. Enquanto nosso Deus é Santo, Ele não o fará, Ele não pode poupar os culpados; exceto por Aquele único Caminho glorioso em que Ele é justo, e ainda assim o Justificador daquele que crê em Jesus. Em segundo lugar, devemos notar que a maneira de Seu julgamento é singularmente sábia e indiscutivelmente justa.

Ele faz com que os iníquos se tornem seus próprios carrascos. “Enlaçado foi o ímpio nas obras de suas mãos “, etc. Como caçadores astutos, eles prepararam uma armadilha para os piedosos e caíram nela: o pé da vítima escapou de suas armadilhas astutas, mas as labutas se cercaram: os cruéis laços foram laboriosamente fabricados, e provaram sua eficácia prendendo seu próprio criador. Perseguidores e opressores são frequentemente arruinados por seus próprios projetos maliciosos. “Bêbados se matam; pródigos se perdem;” os contenciosos estão envolvidos em custos ruinosos; os cruéis são devorados com doenças ferozes; os invejosos comem seus próprios corações; e blasfemadores amaldiçoam suas próprias almas. Assim, os homens podem ler seus pecados em seus castigos. Eles semearam a semente do pecado, e o fruto maduro da condenação é o resultado natural.

Verso 17

Os ímpios serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus.

Salmos 9:17

A justiça que castigou os iníquos e preservou os justos permanece a mesma e, portanto, nos próximos dias, a retribuição será certamente aplicada. Quão solene é o décimo sétimo versículo, especialmente em seu aviso aos esquecedores de Deus. A moral que não é devota, o honesto que não é orador, o benevolente que não crê, o amável que não é convertido, todos esses devem ter sua própria porção com os abertamente maus no inferno, preparados para o diabo e seus anjos irmãos. Existem nações inteiras de tais; os esquecedores de Deus são muito mais numerosos do que os profanos ou desprezíveis, e de acordo com a expressão muito forte do hebraico, o inferno mais abaixo será o lugar no qual todos eles serão jogados de cabeça para baixo. O esquecimento parece um pequeno pecado, mas traz ira eterna ao homem que nele vive e morre.

Verso 18

Porque o necessitado não será esquecido para sempre, nem a expectação dos pobres perecerá perpetuamente.

Salmos 9:18

A misericórdia está tão pronta para o seu trabalho como sempre a justiça pode estar. Almas carentes temem que sejam esquecidas; bem, se for assim, que eles se regozijem por não serem sempre assim. Satanás diz aos pobres tremores que sua esperança perecerá, mas eles têm aqui a garantia divina de que suas expectativas não perecerão para sempre. “O povo do Senhor é um povo humilhado, aflito, vazio de si, sensível à necessidade, levado a uma presença diária em Deus, implorando diariamente a ele e vivendo na esperança do que é prometido;” essas pessoas podem ter que esperar, mas descobrirão que não esperam em vão.

Verso 19

Levanta-te, Senhor; não prevaleça o homem; sejam julgados os gentios diante da tua face.

Salmos 9:19

As orações são as armas de guerra dos crentes. Quando a batalha é muito difícil para nós, chamamos nosso grande aliado, que, por assim dizer, está emboscado até que a fé dê o sinal ao gritar: “Levanta-te, ó Senhor”. Embora nossa causa esteja quase perdida, ela será conquistada em breve novamente, se o Todo-Poderoso estiver nela. Ele não permitirá que o homem prevaleça sobre Deus, mas com julgamentos rápidos confundirá suas glórias. À vista de Deus, os ímpios serão punidos, e quem agora é ternura não terá entranhas de compaixão por eles, uma vez que não tiveram lágrimas de arrependimento enquanto durou o seu dia de graça.

Verso 20

Põe-os em medo, Senhor, para que saibam as nações que são formadas por meros homens. (Selá.).

Salmos 9:20

Alguém poderia pensar que os homens não se tornariam tão vaidosos a ponto de negar a si mesmos, mas são homens, e parece ser uma lição que apenas um professor da escola divina pode ensinar a alguns espíritos orgulhosos. As coroas deixam seus usuários, mas os homens, graus de aprendizado eminente fazem com que seus donos não sejam mais do que homens, a bravura e a conquista não podem elevar-se além do nível morto de “meros homens”; e toda a riqueza de Creso, a sabedoria de Sólon, o poder de Alexandre, a eloquência de Demóstenes, se somadas, deixariam o possuidor senão um homem. Que algum dia nos lembremos disso, para que, como aqueles no texto, não devamos ficar com medo.

Antes de deixar este Salmo, será muito proveitoso se o estudante o ler novamente como o hino triunfal do Redentor, pois ele devotadamente traz a glória de suas vitórias e a coloca aos pés de seu Pai. Alegramos-nos na alegria dEle, e nossa alegria será plena!


Retirado da obra original de Charles Haddon Spurgeon “Treasury of David, Psalm 9”. Citações escriturísticas a partir da Versão Almeida Corrigida Fiel (ACF). 2019 © Traduzido por Amanda Martins, revisado por Elnatan Rodrigues. Para o uso correto deste recurso visite nossa Página de Permissões.

Charles Spurgeon

Charles Spurgeon

Charles H. Spurgeon (1834-1892) foi pregador, autor e editor britânico. Spurgeon também foi pastor do Tabernáculo Batista Metropolitano, em Londres. É conhecido como “Príncipe dos Pregadores”.

Publicidade: